/

Point Roberts tinha um pé nos EUA e outro no Canadá (mas agora não “pertence” a nenhum)

1

Point Roberts, em Washington, está numa posição única. Localizada na ponta da Península de Tsawwassen, a cidade fica totalmente abaixo do paralelo 49, a linha que separa o Canadá dos Estados Unidos. Agora, a cidade está isolada dos dois países. 

Apesar de pertencer aos Estados Unidos, para chegar à cidade norte-americana mais próxima, os residentes de Point Roberts devem cruzar a fronteira com o Canadá, viajar cerca de 40 quilómetros e depois voltar a atravessar a fronteira para os Estados Unidos.

Normalmente, estas travessias são uma mera formalidade. Antes da pandemia, não era incomum que cidadãos norte-americanos e canadianos cruzassem a fronteira várias vezes por dia para praticar esporto, fazer compras e fazer visitas.

Porém, de acordo com o Atlas Obscura, como as autoridades restringiram as viagens internacionais em março, os cerca de 1.000 residentes de Point Roberts se encontram-se isolados do Canadá e do seu próprio país, distantes do seu estilo de vida normal.

As pessoas costumam presumir que quando os Estados Unidos e a Grã-Bretanha assinaram o Tratado de Oregon de 1846, que estabeleceu o paralelo 49 como a fronteira entre os territórios das duas nações, não perceberam que estavam a separar Point Roberts do Canadá. Porém, a escolha foi intencional, com o objetivo de servir como uma vantagem estratégica para os Estados Unidos, segundo Mark Swenson, tesoureiro da Point Roberts Historical Society e autor de Point Roberts Backstory.

MasonCooper / Flickr

Point Roberts localiza-se na Península de Tsawwassen, no Canadá, mas pertence aos EUA

Point Roberts sempre teve um relacionamento fluido com os seus vizinhos canadianos. “Somos uma comunidade com um pé em ambos os países”, disse Swenson. “Contamos uns com os outros.”

Agora, a maioria das visitas está proibida. Os residentes de Point Roberts só podem cruzar a fronteira para trabalhar, arranjar receitas ou ir a uma consulta médica no continente –  e não têm permissão para parar no Canadá durante a viagem.

A única outra forma de chegar ao continente é por barco particular ou de avião, cujos voos acontecem duas vezes por semana e custam 135 dólares.

As restrições de fronteira nunca foram tão prolongadas como as atuais.. O isolamento “começa a desgastar as pessoas”, disse Christopher Carleton, chefe dos bombeiros da cidade. “Este é o ponto em que estamos agora: está a levar a uma depressão ainda maior e a falta de contacto físico está a causa uma pequena crise na minha comunidade.”

Em julho, Carleton escreveu ao presidente Donald Trump, ao primeiro-ministro canadiano Justin Trudeau e a outros funcionários do governo, instando-os a “reconhecer as circunstâncias únicas” de Point Roberts e encontrar uma maneira de permitir um trânsito mais aberto.

Duas petições no Change.org reuniram milhares de assinaturas. Uma das petições, criada pelo residente canadiano Kevin McIntosh, solicitou que canadianos com casas, barcos ou gado em Point Roberts fossem autorizados a cruzar para os Estados para cuidar das suas propriedades. Após cinco semanas, McIntosh desistiu de esperar por uma resposta.

A pandemia e o consequente encerramento da fronteira também aumentaram a tensão nas relações geralmente amigáveis entre canadianos e norte-americanos.

Por outro lado, o isolamento da cidade tem sido uma bênção para os seus residentes. Com poucas pessoas a sair ou entrar, a cidade fica isolada do aumento do número de casos noutras partes de Washington. Até ao momento, com 500 testes concluídos, nenhum teste deu positivo.

  ZAP //

1 Comment

  1. Essa da vantagem do paralelo 49 pode-se perceber na data em que foi negociada e no interior do subcontinente.
    Mas vista agora parece ser um bocado parva tanto mais que a fronteira Canadá-EUA deixa de ser uma recta logo a oeste da península.
    Por outro lado, já poderiam ter negociado um ferrie entre a marina e a costa dos EUA perto de Eastsound, só que ninguém esperaria um evento de isolamento como este que tornaria a viagem rentável.
    A volta sempre são só cerca de 40km, por estrada…bastante menos que Setúbal-Troia por estrada (~100km).

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.