Pilotos alertaram para falta de segurança no 737 Max antes do acidente na Etiópia

Bill Abbott / Flickr

Boeing 737 Max da companhia americana Southwest.

Pilotos da American Airlines pressionaram a Boeing a fazer alterações com urgência no modelo 737 Max, poucas semanas depois do primeiro acidente da Lion Air.

Poucas semanas depois da primeira queda do 737 Max, na Indonésia, pilotos da American Airlines reuniram-se à porta fechada com a Boeing para demonstrarem as suas preocupações com a falta de segurança do modelo da empresa norte-americana. Os pilotos apelaram para que a Boeing pressionasse as autoridades a tomar medidas de emergência.

Apesar dos avisos, os executivos da Boeing resistiram a fazer alterações no modelo e disseram que contavam com os pilotos para lidar com a situação. Na altura, sem a certeza de que o problema estava no novo software de “anti-stall”, a empresa decidiu não tomar medidas drásticas.

O The New York Times teve acesso a uma gravação da reunião, na qual Mike Sinnett, vice-presidente da Boeing, disse que “ninguém concluiu que a única causa dos acidentes o software do avião”.

Menos de quatro meses depois, viria a cair o segundo avião deste modelo, desta vez da Ethiopian Airlines. O software defeituoso acabou por se revelar responsável em ambos os acidentes.

Em novembro, a Boeing recusou comentar sobre a reunião, dizendo estar a trabalhar com pilotos, companhias aéreas e reguladores para certificar as atualizações no 737 Max, e dar formação adicional para devolver os aviões com segurança.

Após o acidente da Lion Air, a Federal Aviation Administration emitiu uma diretiva que instruía as companhias aéreas a incluírem nos seus manuais de voo informações sobre como responder a um mau funcionamento do software, conhecido como MCAS.

O piloto americano Michael Michaelis disse que era necessário emitir outro diretiva que obrigasse a uma atualização de software, mas Sinnett não aceitou. O vice-presidente da empresa disse que se sentia confiante de que os pilotos tinham o treino adequado para lidar com problema, especialmente agora que estavam cientes que ele existia.

“Precisa de entender que o nosso compromisso com a segurança é tão grande quanto o seu”, disse Sinnett a Michaelis na reunião. “A pior coisa que pode acontecer é uma tragédia como esta, e a coisa ainda pior seria outra”.

Em resposta, Michaelis defendeu que os pilotos nem sabiam da existência desse sistema no avião. As tensões aumentaram e outro piloto, Todd Wissing, disse: “Pensei que houvesse prioridade em explicar coisas que nos podem matar“.

No fim da reunião, Sinnett pôs fim às esperanças de uma alteração imediata no software. “Não nos queremos apressar e fazer um mau trabalho a reparar as coisas certas e também não queremos consertar as coisas erradas”, disse o vice-presidente. “Para software crítico de voo, eu não faço isso”, acrescentou.

Sente-se confortável de que a situação está sob controlo, antes que qualquer correção de software seja implementada?”, perguntou Dennis Tajer, um porta-voz sindical. Sinnett respondeu sem vacilar: “Absolutamente“.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

O Japão fez um pedido ao mundo: Digam corretamente o nome do primeiro-ministro

Num momento em que se preparam uma série de eventos importantes no Japão, como a cimeira G20 e os Jogos Olímpicos de verão 2020, o ministro dos Negócios Estrangeiros japonês, Taro Kono, fez um pedido …

Ministério Público pede libertação do antigo líder da Juve Leo

O Ministério Público pediu esta sexta-feira a libertação de Fernando Mendes, antigo líder da claque do Sporting Juventude Leonina, justificando o pedido com o grave problema de saúde que enfrenta. Fernando Mendes foi detido a 7 …

Entender o que as pessoas mais temem pode ajudar a prevenir desastres naturais

Entender o que preocupa as pessoas é crucial para enfrentar perigos naturais e para a mitigação dos seus efeitos. Segundo uma análise avançada na quinta-feira, para evitar desastres, a população local, as autoridades municipais e …

Afinal, foi Banksy. Artista confirma autoria de mural em Veneza

O artista Banksy deixou a sua marca em Veneza ao pintar um mural sobre os migrantes no Mediterrâneo, uma certeza que chegou esta sexta-feira através do Instagram do artista, depois das suspeitas levantadas na semana …

"Engarrafamento" no Evereste. Já morreram cinco pessoas

Um norte-americano de 54 anos e uma mulher indiana morreram na quarta-feira na descida do monte Evereste, num dia que ficou marcado por um "engarrafamento" na montanha mais alta do mundo. O alpinista Nirmal Purja …

Se as europeias se disputassem nas redes sociais, ganharia o PAN

Se as eleições europeias, que se realizam no próximo domingo, fossem disputadas nas redes sociais, o Partido das Pessoas, Animais e Natureza, cuja lista é encabeçada por Francisco Guerreiro, teria fortes probabilidades de vencer. A …

Japão. Aplicação que protege as vítimas de assédio nos metros descarregada em número recorde

As mulheres no Japão estão a descarregar a aplicação Digi Police em número recorde. Trata-se de uma aplicação gratuita para 'smartphones', criada pela Polícia Metropolitana de Tóquio com o intuito de proteger as vítimas de …

Explosão em Lyon faz pelo menos oito feridos. Macron fala em "ataque"

Uma explosão de origem desconhecida numa rua pedonal do centro da cidade de Lyon, no leste de França, fez esta sexta-feira pelo menos oito feridos, noticiou a agência AFP. A Reuters adianta que serão dez …

Jesus foi abordado por clubes portugueses (mas só volta para disputar títulos)

O treinador português Jorge Jesus, que em janeiro deixou o comando técnico do  Al Hilal da Arábia Saudita, confirmou ter sido abordado por dois clubes portugueses, não adiantando os nomes dos emblemas.  Em declarações à SportTV …

Maduro vai reforçar investimento da Venezuela em tecnologia da Huawei

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou na quinta-feira que ordenou reforçar os investimentos em projetos que usam a tecnologia da Huawei, empresa chinesa que foi recentemente sancionada pelos Estados Unidos (EUA). "Ordenei que se faça …