Picasso foi acusado de roubar Mona Lisa (e mentiu em tribunal)

Em 1911, a Mona Lisa foi roubada no Museu do Louvre. Era segunda-feira – o museu estava fechado e a segurança era mínima – e o ladrão teria passado o fim de semana a planear o assalto, escondido num armário do museu.

Na época, a segurança no Louvre era péssima. Havia menos de 150 seguranças encarregados de guardar 250 mil artefactos, e nenhuma das pinturas estava pregada nas paredes. De acordo com o Artsy, “meses antes do assalto, um repórter francês passou a noite num sarcófago do Louvre para expor a insignificante vigilância do museu”.

Após o desaparecimento da pintura, as fronteiras da França foram fechadas, com as autoridades a examinar todos os veículos que cruzavam a fronteira este do país. A cobertura dos media espalhou-se pelo mundo, transformando a pintura pouco conhecida num nome familiar.

O Paris-Journal ofereceu 50 mil francos pelo retorno da pintura. Surgiu, então, uma dica sobre um ladrão de arte que fez com que a polícia voltasse a sua atenção para um dos jovens artistas mais promissores do país: Pablo Picasso.

Picasso, que se mudara para Paris uma década antes, vivia com um grupo de boémios chamado de “bande de Picasso”. Entre eles, estava o poeta e escritor Guillaume Apollinaire, cujo ex-secretário era Joseph Géry Pieret, um homem belga de moral questionável.

Pouco depois de a Mona Lisa ter sido roubada, Pieret – atraído pela possibilidade de receber uma recompensa em dinheiro – entrou no escritório do jornal Paris-Journal e alegou que já tinha levado obras de arte do Louvre e as entregara a “amigos”.

E era verdade. Em 1907, Pieret tiha roubado pelo menos duas esculturas ibéricas feitas no século III ou IV a.C e vendeu-as a Picasso, que lhe pagou 50 francos por peça. Além disso, Pieret também roubou uma peça semelhante do Louvre em 1911 e colocou-a na lareira da casa de Apollinaire.

A polícia leu sobre as façanhas de Pieret com grande interesse. As autoridades acreditavam que as pessoas que possuíam estas esculturas poderiam também ter a Mona Lisa – e não foi difícil descobrir quem eram os amigos do ladrão.

Percebendo que estavam em apuros, Picasso e Apollinaire empacotaram as esculturas ibéricas e fugiram no meio da noite com um plano: deitar as obras de arte no rio Sena. Mas quando os dois artistas chegaram à água, não conseguiram.

Em vez disso, Apollinaire visitou o Paris-Journal na manhã seguinte, onde deixou as estátuas e exigiu que o jornal lhe desse anonimato. O jornal concordou até as autoridades entrarem em cena.

Dias depois da visita de Apollinaire ao jornal, a polícia deteve-o. No início de setembro, Picasso foi condenado a comparecer perante um magistrado. Quando lhe perguntaram se conhecia Apollinaire, o pintor mentiu. “Nunca vi este homem”, respondeu ele.

Recordando os acontecimentos, Picasso disse: “Eu vi a expressão de Guillaume alterada. O sangue desapareceu de seu rosto. Ainda estou envergonhado”. Enquanto o processo continuava, Picasso chorou.

Embora ambos os homens tivessem realmente arte roubada, o juiz determinou que a situação não tinha nada a ver com o desaparecimento do quadro da Mona Lisa e decidiu deixar o caso.

Dois anos depois, os dois homens seriam ilibados do crime, quando a polícia descobriu que a pintura tinha sido roubada por Vincenzo Peruggia, um artista italiano que trabalhava no Louvre.

PARTILHAR

RESPONDER

Ex-comandante paraquedista diz que Tancos foi obra de "amadores"

O coronel de infantaria Alves Pereira admitiu "embaraço" pela "falha" e considerou que o "Exército após Tancos é diferente do Exército antes de Tancos". O coronel de infantaria Alves Pereira sustentou esta quarta-feira que o …

Tspiras vence moção de confiança com margem mínima

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, viu esta quinta-feira o parlamento aprovar um voto de confiança, dias depois de ter terminado a coligação que viabilizava o seu Governo. Com 151 votos favoráveis, dos 300 parlamentares, Tsipras viu …

Parlamento discute a legalização da canábis para fins recreativos

A legalização da canábis para uso recreativo é debatida esta quinta-feira no Parlamento, com BE e PAN a apresentarem projetos de lei idênticos, discordando apenas quanto aos locais de venda. O Bloco de Esquerda (BE) defende …

Estátua de diabo "alegre demais" divide moradores em Espanha

Uma estátua que representa o diabo foi criticada por ser "alegre demais" por moradores da cidade de Segóvia, em Espanha. A escultura de bronze, que ainda não foi instalada, foi criada em homenagem a uma lenda …

"Incapacidade e incompetência". Fenprof pede a Costa que substitua ministro da Educação

A Federação Nacional de Professores (Fenprof) defendeu esta quarta-feira que o primeiro-ministro substitua o ministro da Educação, devido à sua "incapacidade e comprovada incompetência política" para dirigir as negociações de recuperação de tempo de serviço …

Bombeiros protestam contra a proposta do Governo

De acordo com o sindicato, a proposta do Governo "significa uma desvalorização enorme na carreira". Além disso, critica a ideia de haver uma carreira única de sapadores e municipais nivelada por baixo. Bombeiros municipais e sapadores …

Há uma parte da Antártida que está a encolher (mas não era suposto)

Quando os cientistas falam sobre o derretimento da Antártida, geralmente estão a referir-se à Antártida Ocidental, onde gigantescos glaciares costeiros estão a derramar grandes quantidades de água. Mas, do outro lado das montanhas transantárticas a leste, …

A cor dos olhos pode explicar porque é que as pessoas ficam tristes no inverno

Tempo mais frio e noites mais longas fazem algumas pessoas sentir-se tristes. A isso, dá-e o nome de Transtorno Afetivo Sazonal (TAS). Embora o TAS seja uma forma reconhecida de depressão clínica, os especialistas ainda estão …

Há vida pós-LHC. CERN planeia acelerador de partículas dez vezes mais potente

O futuro da Física de Partículas começa a ganhar forma. O CERN (Laboratório Europeu de Física de Partículas) detalhou esta terça-feira os seus planos para o novo acelerador de partículas que irá suceder o Grande …

DARPA quer construir robôs conscientes usando cérebros de insetos

A DARPA quer construir robôs conscientes usando cérebros de insetos, uma forma de criar novos modelos de inteligência artificial eficientes, que poderiam ser usados para explorar a própria consciência. Ao contrário dos humanos, os insetos operam …