Passos alerta para caso de suicídio em Pedrógão Grande. Costa recusa alimentar polémicas

Mário Cruz / Lusa

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho

O presidente do PSD disse, esta segunda-feira, que o Estado falhou no apoio psicológico às vítimas do incêndio em Pedrógão Grande, adiantando ter tido conhecimento de que um suicídio ocorreu por falta desse apoio.

“Tenho conhecimento de vítimas indiretas deste processo, de pessoas que puseram termo à vida, em desespero”, sinal de que “não receberam a tempo o apoio psicológico que lhes devia ter sido prestado”, declarou Passos Coelho aos jornalistas depois de uma visita ao quartel dos bombeiros de Castanheira de Pera.

O líder do PSD afirmou ter conhecimento de pelo menos um suicídio, ocorrido na região, praticado por um familiar de pessoas que morreram no incêndio que deflagrou na semana passada em Pedrógão Grande.

Em reação a estas declarações, o presidente da Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC) já afirmou que não há, até hoje, “nenhum caso de suicídio com ligação” direta à zona afetada pelo incêndio.

“Não há, até hoje, nenhum caso de suicídio com ligação a essa zona”, disse à Lusa o presidente da ARSC, José Tereso.

Por sua vez, o primeiro-ministro afirmou que “todos” têm de estar “revoltados” com as consequências do incêndio, prometeu esclarecimento total sobre as causas e prioridade à reconstrução, mas disse recusar polémicas com o presidente do PSD.

“Não vou tirar conclusões antecipadas face aos relatórios que foram solicitados, mas ninguém pode deixar de estar revoltado com o facto de, até este momento, termos perdido 64 vidas humanas num incêndio daquela dimensão. Todos nós temos de ser exigentes para esclarecer tudo o que há para esclarecer. Nada poderá ficar por esclarecer”, respondeu António Costa, no final de uma reunião com os presidentes das câmaras do Barreiro, Almada e Seixal sobre o arco ribeirinho da margem sul do Tejo.

“Não vou estar aqui a entrar em debate com o líder da oposição, nem creio que seja isso que os portugueses esperam do Governo”.

“Os portugueses esperam que o Governo se empenhe no esclarecimento de tudo, que contribua para a reconstrução e para a reposição da normalidade da vida daquelas populações. Neste momento não vou contribuir com polémicas, [porque] não tenho teses, não tenho pontos de vista”, declarou.

Segundo António Costa, o seu dever “é criar as condições para esclarecer tudo e total disponibilidade para, tal como o líder da oposição propôs, a Assembleia da República crie uma comissão técnica independente“.

“E que o Ministério Público tenha toda a informação disponível para realizar o seu inquérito. Vou aguardar serenamente as conclusões dessas informações. Mas eu não respondo antes de perguntar, nem concluo sem ser em função das informações que obtenho. Sobre polémicas, o líder da oposição fará as polémicas que entende, mas comigo não fará, porque não tenho um ponto de vista a defender”, acrescentou.

Reconstrução e esclarecimento são as prioridades

Em relação às consequências da tragédia, António Costa defendeu que o seu executivo está concentrado “em duas prioridades”.

“Em primeiro lugar, a reconstrução e a reposição da normalidade nos territórios atingidos, razão pela qual no final desta semana teremos concluído o levantamento das necessidades em matéria de habitação e de infraestruturas. Já estão obras no terreno relativamente a pavimentos que foram destruídos”, apontou, a título de exemplo.

Também de acordo com o primeiro-ministro, estão já no terreno equipas da Segurança Social a prestar apoios sociais de emergência e, por outro lado, hoje, em Bruxelas, o ministro do Planeamento, Pedro Marques, reúne-se com a Comissão Europeia para agilizar apoios comunitários, designadamente em sede de apoios à reconstrução de empresas.

O Ministério da Agricultura – prosseguiu – está a trabalhar para “assegurar a reposição da capacidade produtiva, garantindo ao mesmo tempo a alimentação de animais após a destruição de pastos”.

“Numa segunda linha, queremos o esclarecimento cabal, seja daquilo que nós próprios [Governo] devemos obter de informação, seja ao nível de inquéritos independentes: O do Ministério Público, e a iniciativa do PPD/PSD junto da Assembleia da República. Daremos todo o apoio e estamos disponíveis para colaborar ativamente”, referiu.

O primeiro-ministro afirmou também aguardar para hoje mesmo os esclarecimentos da rede de comunicações SIRESP SA sobre o que efetivamente terá ocorrido com o sistema no sábado, dia 17 de junho, matéria em que já foram assumidas falhas por parte da Autoridade Nacional de Proteção Civil.

“Isto é fundamental porque temos de apurar todas as questões relativas a este acidente, primeiro porque o devemos à memória daqueles que faleceram, ao respeito que temos de ter pelas famílias e amigos das vítimas, e também porque temos esse dever com as populações daquele território e para todo o país. É preciso saber o que se passou para que, de futuro, não volte a acontecer”, sustentou António Costa.

De acordo com o líder do executivo, em concreto, importa aguardar pela resposta do IPMA (Instituto Português do Mar e da Atmosfera) sobre a especificidade do evento de natureza meteorológica que ocorreu no dia 17 naquela zona do país.

“Aguardamos igualmente que a GNR apresente o resultado final do inquérito que já formulou e aguardamos para hoje mesmo a resposta da SIRESP SA à ministra da Administração Interna [Constança Urbano de Sousa] sobre o funcionamento do sistema”, acrescentou o líder do executivo.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

13 COMENTÁRIOS

  1. Este senhor devia ter vergonha. Sabe quantos suicídios existiram no período em que ele governou?
    Sim pessoas que estavam no desemprego e que não tinham para comer nem para dar de comer à família?

    Este senhor tanto quer o DIABO que ele acabará por vir e como não veio na Economia, ele vai inventado noutros lados.

    Mas inventar suicidios, quando infelizmente existem tantas mortes, por ineficácia dos governos, sobretudo o dele em que tinha uma “boa” ministra da agricultura e que não fez nada pela floresta.
    DECÊNCIA É O QUE SE QUER

    • Não, não… Ele disse que houve mesmo! Nada de possiveis! Foi mesmo mais uma calinada do fedelho. Não tente embelezar a bosta no passeio. Não adianta! Vai continuar a cheirar mal.
      “dedicou -se a fazer propaganda ao Costa”. Sim? Quando? Onde? Mas que grande imaginação!

  2. Esta atitude e comentário de Passos Coelho, mais parece uma capa do Correio da Manhã.
    Não precisava de cair tão baixo

  3. Passos Coelho ja pediu desculpas foi o Provedor da Santa Casa da Misericordia de Pedrogao Grande que disse tal noticia a Passos. E Provedor tambem ja assumiu o erro cometido de transmitir noticias falsas baseadas em boatos.

    • E desde quando é que alguém está à espera de noticias transmitidas por um mentiroso cronico como o Passos?!!
      Ele agora é jornalista?
      Nenhum órgão de comunicação social ousou sequer insinuar tal coisa (nem o Diarreia da Manhã!) e vem esta nulidade com uma “bomba” destas, sem qualquer nação de bom senso ou respeito pelas vitimas destes incêndios terríveis!!
      Enfim… continua um mentiroso e um estúpido cronico!!

  4. Simplesmente vergonhoso!!
    Este monte de estrume não tem mesmo noção do que diz!!!
    Mesmo que fosse verdade, não é coisa que se apregoe publicamente só para tentar retirar dividendos políticos!
    Mas, de um parasita incompetente que nunca fez NADA na vida, não se pode esperar muito mais…

RESPONDER

Mapa de férias pode ser decidido até 10 dias após o fim do estado de emergência

As empresas e os trabalhadores poderão decidir o mapa de férias deste ano até 10 dias após o fim do estado de emergência, que termina a 17 de abril, sem prejuízo de haver renovação. Esta quinta-feira, …

9886 casos confirmados e 246 vítimas mortais em Portugal

O boletim epidemiológico da DGS desta sexta-feira revela que há mais 852 infetados pelo coronavírus em Portugal. face ao dia anterior. O número de vítimas mortais é agora de 246. Segundo o Relatório da Direção Geral …

Donos da ANA adiam investimentos e deixam Montijo em risco

O grupo Vinci Airports, que controla a gestora aeroportuária nacional, vai adiar investimentos e o novo aeroporto do Montijo poderá ser uma das baixas. Como seria de esperar, a pandemia de covid-19 está a ter um …

Bancos com mil milhões de euros em pedidos de moratórias em média numa semana

Uma semana depois de a legislação da moratória pública ter entrado em vigor, os bancos nacionais já têm uma estimativa do número de pedidos de particulares e de empresas. De acordo com o Jornal Económico, os …

Idosos em lares infetados vão mudar-se (e podem ir para outros concelhos)

Na sequência do aumento de números de casos confirmados de covid- 19 nos lares, o Governo pretende “encontrar equipamentos alternativos” para alojar idosos, em isolamento profilático e que não precisem de tratamento hospitalar, dentro ou …

Apesar da pandemia, juiz Carlos Alexandre marca sessões do caso Tancos para abril

O juiz Carlos Alexandre marcou o interrogatório do principal arguido do processo relativo ao furto das armas de Tancos, João Paulino, para dia 21 de abril. De acordo com um despacho datado de 1 abril, citado …

Conceição pode estar de saída. FC Porto oferece 5 milhões por ano a Jesus

O treinador portista, Sérgio Conceição, pode estar de saída para a Alemanha. Como alternativa, o FC Porto está disposto a pagar 5 milhões de euros por ano a Jorge Jesus. Sérgio Conceição pode estar de saída …

Estado paga subsídio de refeição em teletrabalho. No privado, os patrões estão confusos

Mesmo à distância, os funcionários públicos mantêm o direito ao subsídio de refeição. No privado, a confusão mantém-se e os patrões estão divididos. De acordo com o secretário-geral da UGT, alguns patrões do privado estão a …

UEFA não quer campeonatos a seguir o exemplo belga

A UEFA reprovou a decisão da Liga de futebol da Bélgica que, esta quinta-feira, recomendou que se dê por terminada a época e se atribua o título ao Club Brugge.  Numa carta conjunta com a Associação de Clubes …

Boris Johnson em cheque. Desta vez, por causa da quantidade ínfima de testes

A pandemia de covid-19 está a ser um calvário político para Boris Johnson. O primeiro-ministro britânico tem sido alvo de várias críticas, sendo que a última tem a ver com a quantidade ínfima de testes …