Parlamento não sabe o que fazer ao Acordo Ortográfico

Depois de dois anos de meio, foram ouvidas 16 entidades, recebidos 20 contributos escritos, houve uma petição, um projeto de resolução chumbado e uma iniciativa legislativa de cidadãos. Mas a Assembleia da República continua sem saber o que fazer ao Acordo Ortográfico (AO).

A prova está no relatório do grupo de trabalho para a avaliação do impacto da aplicação do acordo ortográfico de 1990, que desde março de 2017 voltou a ouvir quem está contra e a favor. Os deputados do grupo de trabalho criticaram duramente o facto de o documento, elaborado pelo coordenador, o deputado do PSD José Carlos Barros, incluir um capítulo com recomendações quando estas nunca foram discutidas no grupo.

PS, BE e PCP não se reviam nas conclusões e recomendações, PSD e CDS reviam-se mas entendiam que o coordenador não teria o poder de fazer recomendações que o grupo de trabalho não discutiu.

Numa primeira versão, escreve o Público, o relatório recomendava que “o Governo dê início a uma negociação político-diplomática entre as autoridades dos diversos Estados-membros da CPLP, com vista à discussão da situação atual da aplicação do acordo ortográfico de 1990 e a ponderação das decisões mais adequadas neste domínio, incluindo a possibilidade e o interesse de se dar início a um processo de alteração ou aperfeiçoamento do actual acordo ou à negociação de um novo acordo ortográfico”.

José Carlos Barros propôs depois que se recomendasse a “criação de condições” para a discussão, sem que fosse uma incumbência ao Governo.

A segunda recomendação apontava para a “constituição de uma Comissão Científica para a Ortografia, formada por personalidades representativas das comunidades académica, científica, literária e profissionais, para efeitos de acompanhamento” daquelas negociações político-diplimáticas que se estabelecessem.

Já a terceira propunha a realização de estudos envolvendo os serviços do Estado e aquelas comunidades “com vista à avaliação das implicações na aplicação do acordo no sistema educativo, no mercado editorial e na imprensa, bem como ao nível da estabilidade ortográfica nos serviços públicos e nas publicações oficiais”.

O relatório tinha de ser votado nesta quarta-feira no GT para poder ser analisado e ratificado na comissão de Cultura, para estar pronto antes do último plenário de sexta-feira. Apesar das várias alternativas discutidas pelos deputados para tentar ultrapassar as dificuldades de se estar a chegar ao fim do prazo dos trabalhos, o PS pediu o adiamento potestativo da votação, pondo em risco até a existência de um relatório.

José Carlos Barros disponibilizou-se para retirar o conteúdo mais direto das recomendações ao Governo, mas perante a recusa dos deputado, propôs transformar essas recomendações apenas na opinião do relator. Mas o PS manteve o adiamento.

O deputado do PSD lamentou ao mesmo jornal que “não haja condições no grupo de trabalho para fazer recomendações como um todo” e que a questão do acordo ortográfico continue a ser um “tabu na sociedade e na política” portuguesas.

Na passada legislatura também houve um grupo de trabalho no Parlamento mas que não fez quaisquer recomendações depois de todas as audições e contributos que recebeu. O relatório poderá ser resolvido numa reunião da comissão de Cultura na sexta-feira.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

Responder a PQOP Cancelar resposta

"Lavar as mãos". Vídeo da DGS é o mais popular do ano no YouTube

2020 foi um ano atípico em vários aspetos do quotidiano, obrigando à introdução de novas rotinas e ao reforço de outras por muitos já descuradas. Reflexo dessa disrupção é o ranking anual do YouTube, divulgado esta …

Drenthe falido: "Não é muito importante"

Antigo futebolista do Real Madrid não está preocupado com a declaração feita por um tribunal dos Países Baixos. Drenthe joga numa equipa da terceira divisão nacional. Royston Ricky Drenthe foi, enquanto adolescente, considerado um dos melhores …

Sonda espacial chinesa conclui recolha de amostras da superfície lunar

A sonda chinesa Chang'e 5 concluiu a recolha e armazenamento de rochas e detritos da superfície lunar, e prepara-se para voltar à Terra, informou esta quinta-feira a Administração Espacial Nacional da China. "Às 22 horas de …

Seca obriga Namíbia a por à venda 170 elefantes

A Namíbia, que se encontra em risco de seca, pôs à venda 170 elefantes vivos para reduzir o seu número no território, em parte devido ao crescente conflito entre humanos e animais desta espécie ameaçada …

Benfica 4 - 0 Lech Poznań | “Saco cheio” rumo ao apuramento

Um, dois, três e quatro. Foram estes os golos – apontados por Vertonghen, Darwin Núñez, Pizzi e Weigl – que o Benfica marcou na goleada que aplicou na noite desta quinta-feira ao Lech Poznań, num …

Cientistas encontram evidências de uso de drogas psicadélicas numa caverna com arte rupestre

Uma flor vermelha redemoinhada rabiscada numa parede de uma caverna há cerca de 400 anos é a primeira evidência definitiva de que os nativos norte-americanos consumiam drogas psicadélicas em locais de arte rupestre. Descoberta na caverna …

Musk queria batizar a sua tequila de "Teslaquila", mas o México disse que não

O multimilionário Elon Musk, CEO da Tesla e da Space X, quis batizar a sua tequila de "Teslaquila", mas as autoridades mexicanas impediram a utilização do nome, invocando os direitos do uso da palavra e …

Namíbia acaba de eleger um deputado chamado Adolf Hitler. É ativista e "anti-apartheid"

A Namíbia acaba de eleger nas eleições regionais um deputado chamado Adolf Hitler, um conhecido ativista e "anti-apartheid" em Uunona, a sua cidade natal, localizada no norte do país africano. "Adolf Hitler teve uma vitória …

Empresário de media pró-democracia preso por acusação de fraude em Hong Kong

O dono do jornal antigoverno Apple Daily, Jimmy Lai, conhecido pela luta pela democracia em Hong Kong, foi detido sem fiança, acusado de irregularidades no contrato de 'leasing' do edifício onde está o órgão de …

Novos drones de resgate usam Inteligência Artificial para encontrar pessoas perdidas na floresta

Em situações em que as pessoas se perdem na floresta, o tempo é essencial para resgatá-las, pois quanto mais tempo ficam perdidas mais perigosa a situação se torna. Mas será que existem todas as ferramentas …