Pardal Henriques diz que só é candidato “por causa do primeiro-ministro”

António Cotrim / Lusa

“O que me fez tomar esta decisão de ser candidato foi o senhor primeiro-ministro e a forma e as atitudes que o Governo tomou contra os motoristas e contra os direitos dos trabalhadores em geral”, afirmou Pedro Pardal Henriques.

O ex-porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas e atual cabeça de lista do PDR por Lisboa às eleições legislativas, Pardal Henriques, disse este domingo à Lusa que só se candidatou “por causa do primeiro-ministro“.

“Até ao dia 18 [de agosto, dia em que foi desconvocada a greve dos motoristas], a minha decisão era não ser candidato, pelo Partido Democrático Republicano (PDR) ou pelos outros partidos que me convidaram. E o que me fez tomar esta decisão de ser candidato foi o senhor primeiro-ministro e a forma e as atitudes que o Governo tomou contra os motoristas e contra os direitos dos trabalhadores em geral”, afirmou Pardal Henriques, em declarações à Lusa por telefone, após uma ação de campanha nas Festas de Corroios.

O também advogado acrescentou: “O absurdo que aconteceu nesta greve, de colocarem a máquina do Estado e as diversas entidades, que deveriam estar a servir os portugueses, mas simplesmente estavam a servir os interesses do senhor primeiro-ministro e do Governo, foram os que me levaram a tomar a decisão de aceitar ser candidato pelo PDR”.

“Portanto, a única pessoa que me fez mudar de opinião foi efetivamente o senhor primeiro-ministro, porque acho que é altura de existir um partido que efetivamente se preocupe com os direitos dos trabalhadores“, reforçou o agora cabeça de lista por Lisboa do PDR.

Pardal Henriques considerou ainda “lamentáveis” as declarações de António Costa, numa entrevista à Lusa, e disse que “se não for por insegurança e medo, não são explicáveis”.

A ação de campanha em Corroios levou o candidato do PDR a dizer ter sentido “as pessoas muito revoltadas com a postura do Governo em relação aos trabalhadores”, dando, por isso, “apoio” ao seu partido.

O PDR já tinha emitido um comunicado domingo de manhã em reação à entrevista, no qual dizia que não podia “deixar de se insurgir e lamentar as declarações, no mínimo, infelizes de António Costa à Lusa, onde considera que a greve dos motoristas de matérias perigosas revelou uma instrumentalização de trabalhadores em prol de um candidato e, simultaneamente, uma ingenuidade por parte da comunicação social”.

No comunicado, o partido considera que “António Costa tem mais receio dos sindicatos independentes do que tem dos seus ex-aliados da ‘geringonça’, provavelmente porque os conseguiu calar e amarrar durante estes últimos quatro anos”.

E realça que o primeiro-ministro, na entrevista, “acusa veladamente o PDR de instrumentalização de um conjunto de trabalhadores para a promoção eleitoral de um candidato”, não deixando ainda de “criticar a comunicação social, a qual acusou de ‘ingenuidade’ no tratamento do tema”.

Costa considerou que a greve dos motoristas de matérias perigosas revelou uma “instrumentalização” de trabalhadores em prol de um candidato e, simultaneamente, uma “ingenuidade” por parte da comunicação social.

“Manifestamente tivemos aqui um caso onde houve uma instrumentalização de um conjunto de trabalhadores para a promoção eleitoral de um candidato”, disse Costa.

Quando questionado se poderá haver objetivos políticos por trás desses movimentos ditos inorgânicos, o líder do executivo concorda: “Se retirar o ponto de interrogação que é inútil na sua pergunta, tem a resposta”.

Costa não deixa, contudo, de criticar a comunicação social, a qual acusa de “ingenuidade” no tratamento do tema: “Acho absolutamente extraordinário, se me permitem, a ingenuidade com que a comunicação social se dedicou a promover e levar ao colo alguém que tem um currículo, quer junto dos nossos emigrantes em França, quer junto das empresas que dirigiu, quer da publicidade ilícita que faz à sua atividade”.

“Isso é que a mim me deixou perplexo, mas acho que seguramente a autorregulação da comunicação social há de ter tempo para refletir sobre a forma como tratou deste assunto”, destaca.

  ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Conversa e afirmações pobres. os Portugueses não precisam de um atestado passado por este senhor. Toda a gente sabe que ele tinha tal pretensão.

RESPONDER

Ceni anunciado mas adeptos avisam: "Só será treinador se falar connosco antes"

Mudança de treinador no São Paulo: saiu Crespo e regressou a "lenda" do clube, Ceni. Mas há palavras que não se esquecem... Mais uma mudança de equipa técnica no Brasileirão. Desta vez no São Paulo, que …

No Japão, milhares de idosos morrem sozinhos. Agora, um sistema ajuda na deteção de cadáveres nas casas

Monitorização dos edifícios permite perceber se há movimento dos ocupantes dentro das casas. Desta forma, é mais fácil evitar que corpos em decomposição permanecem no local ao longo de muito tempo. O Japão é um dos …

"Nunca tive tanto medo na minha vida". Ruth estava a dormir quando meteorito lhe caiu na cama

A mulher ficou assustada com o incidente, mas acabou por sair ilesa. Agora, pretende recuperar dos danos causados e admite que quer conservar a pedra. Parece ficção, mas a história aconteceu na cidade de Golden, no …

Corrida ao peru de Natal. Britânicos temem não ter a iguaria na mesa - e a culpa é do Brexit

No Reino Unido, há falta de mão de obra na agricultura e a criação de perus está a ser uma das áreas mais afetadas. Procura da iguaria natalícia já aumentou. Na quinta "Flower Farm", no coração …

Paulo Rangel vai candidatar-se à liderança do PSD "independentemente de qualquer calendário"

O eurodeputado Paulo Rangel vai anunciar que se candidata à liderança do PSD numa intervenção no perante os conselheiros esta noite. Paulo Rangel quer candidatar-se à liderança do PSD, segundo avançaram o Observador e a TVI. …

México venceu, apesar de não deixarem os jogadores dormir

Adeptos de El Salvador acrescentaram um episódio à rivalidade com o México. Corona começou no banco mas entrou logo aos 20 minutos. O México continua o seu percurso vitorioso rumo à fase final do Mundial 2022. …

“Esqueceram-se de nós". Bombeiros fazem greve de dois dias em novembro devido ao OE

Os bombeiros profissionais marcaram greve para os dias 11 e 12 novembro para contestarem a proposta de Orçamento do Estado para 2022, que "se esqueceu completamente" da classe, anunciaram hoje a associação e o sindicato …

Professores deixam as salas de aula para se tornarem fabricantes de caixões low-cost

Quando a covid-19 obrigou ao encerramento das escolas no Uganda, Livingstone Musaala abriu mão do seu trabalho como professor de matemática para se dedicar à construção de caixões de valor acessível - numa altura em …

Casos de covid-19 entre os alunos mais novos não aumentaram no primeiro mês de aulas

Um mês depois do início do ano letivo, não se registou um aumento de casos de covid-19 entre os alunos mais novos. De acordo com o jornal Público, o regresso ao ensino presencial não se refletiu …

Imagem procurava mostrar que "Portugal e Espanha são mais fortes quando estão juntos", disse Vox a Ventura

O líder do Chega afirmou hoje que o Vox lhe transmitiu que, ao partilhar uma imagem da dinastia filipina onde mostra Portugal anexado por Espanha, pretendia mostrar que os dois países “são mais fortes quando …