País em crise energética. Mais de 2700 postos de combustível “secos”

Tiago Petinga / Lusa

Os ministros da Administração Interna e do Ambiente e da Transição Energética declararam esta terça-feira ao fim do dia estado de “crise energética” no país devido à greve nacional dos motoristas de matérias perigosas, que esgotou centenas de postos de combustível em todo o país.

A situação de alerta, que se estende até 21 de abril, prevê o reforço das equipas de segurança que, como apoio de escoltas, vão garantir que a distribuição de combustível decorre sem percalços, garantindo a segurança de bens e das pessoas.

De acordo com uma nota do Governo, a que a agência Lusa teve acesso, o Executivo também determina a “declaração de reconhecimento de crise energética, que acautele de imediato níveis mínimos nos postos de abastecimento, de forma a garantir o abastecimento de serviços essenciais, designadamente para forças e serviços de segurança, assim como emergência médica, proteção e socorro”.

O estado de alerta prevê que militares, bombeiros e agentes da proteção civil, habilitados a conduzir pesados, sejam chamados a conduzir camiões. Outra das medidas excecionais é a convocação das empresas e dos trabalhadores dos setores público e privado que estejam “habilitados a apoiar as operações de abastecimento de combustíveis necessárias”.

A greve, convocada pelo recém-formado do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), arrancou às 00:00 de segunda-feira, reivindicando o reconhecimento da carreira profissional. Sem saber qual será a duração do protesto, os portugueses iniciaram uma corrida aos postos de combustível, provocando o congestionamento de várias vias de trânsito por todo o país.

Na manhã desta quarta-feira, e segundo o site VOST Portugal (Voluntários Digitais em Situações de Emergência) – plataforma não oficial que visa mapear os postos de combustível já esgotados no país com a ajuda de informação dos próprios condutores em tempo real  – há mais de 2770 postos com falhas no abastecimento.

Contudo, importa frisar, o número pode não corresponder inteiramente à verdade, uma vez que se observam entradas duplicadas no site, podendo ainda haver registos errados.

Sindicatos e Governo não chegam a acordo

Visando mediar o conflito, o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, convocou uma reunião de emergência com o SNMMP e a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM, a associação das entidades patronais), as duas estruturas envolvidas nesta “guerra”. O encontro terminou sem grandes avanços.

“A reunião serviu apenas” para clarificar os serviços mínimos, afirmou Gustavo Paulo Duarte, presidente da ANTRAM, no final da reunião, reiterando que não negoceia sob pressão. Por sua vez, o vice-presidente do SNMMP, Pedro Henriques, garantiu que os serviços mínimos vão ser cumpridos, explicando que entidades como aeroportos, hospitais e serviços de segurança terão 100% de abastecimento.

Quanto ao abastecimento civil, será apenas direcionado para as cidades de Lisboa e Porto, abrangendo 40% das operações normais de abastecimento de combustíveis aos postos, segundo o despacho publicado em Diário da República.

O primeiro-ministro admitiu alargar os serviços mínimos a outras regiões do país, garantindo que o abastecimento de combustível está “inteiramente assegurado” para aeroportos, forças de segurança e emergência.

“O Governo está em contacto, quer com a ANTRAM, quer com os sindicatos, para alargar o que for necessário alargar de serviços mínimos, para assegurar o abastecimento”, disse António Costa na Assembleia da República, durante o debate quinzenal.

Os serviços mínimos incluem ainda o transporte “estritamente indispensável às restantes unidades e instalações dos sistemas industriais das áreas de Sines e de Matosinhos associados às refinarias da Petrogal”, de forma a “garantir o funcionamento estável das unidades à carga mínima” e evitar riscos para a segurança dos equipamentos e instalações e impactos ambientais, pode ler-se ainda na mesma nota.

Citado pelo Diário de Notícias, o representante do sindicato afirmou no fim da reunião com o Executivo que a greve vai continuar por “tempo indeterminado” ou até que haja uma acordo que responda aos pedidos que estes trabalhadores fazer “há 20 anos”. Apesar de assegurarem os serviços mínimos decretados, a sindicato afirma que “o estado crítico do país vai piorar” nos próximos dias.

“Há uma promessa da ANTRAM para reunirmos e isso é importante, mas até que aconteça essa reunião e haja conclusões, a greve continuará”, disse o o representante sindical, observando que “os serviços mínimos não vão resolver o problema”.

“Antecipo problemas sérios para o país e espero que, havendo consciência disso, a ANTRAM queira falar connosco e trabalhar nas mudanças de carreira que pedimos há 20 anos e nunca aconteceram”, frisou.

Carlos Barroso / Lusa

Reivindicações do “sindicato-bebé” que secou milhares de postos

Criado a 8 de novembro de 2018, este “sindicato-bebé” conta já com quase mil sócios, tendo conseguido parar muitos dos postos de combustível pelo país. Apesar da tenra idade, a estrutura causou a confusão no país em menos de 24 horas.

Tal como explica o jornal Público, o SNMMP o sindicato foi criado a partir da Associação Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas, que iniciou atividade um ano antes, em 2017. Em declarações ao matutino, Manuel Mendes, delegado do SNMMP na região Norte, explica que a transição de organização para sindicato se deveu aos direitos negociais.

“A Associação não tinha pernas para andar. Não seria fácil criar um contrato coletivo de trabalho, portanto, há alguns meses, resolvemos ser num sindicato. Não vou dizer que temos mais poder, mas conquistamos uma adesão que já não acontecia desde a greve de 1998”, recordou o delegado do SNMMP.

De acordo com a estrutura sindical, a ANTRAM foi a principal razão para a mudança. Falando ao diário, António Medeiros, tesoureiro do SNMMP, confirmou que as dificuldades negociais foram o fator que motivou a transição para sindicato: “O que queríamos era criar um contrato de trabalho horizontal e, enquanto associação, não podíamos entrar em negociações com a ANTRAM, com o Governo e as outras entidades”.

O SNMMP exige melhores condições de trabalho para os profissionais do setor, pretendendo que deixem de ser equiparados a motoristas de pesados. Estes profissionais querem ver ser reconhecida a sua categoria profissional específica, uma vez que a profissão obriga a formações ao nível da condução em condições de risco e do manuseamento de matérias perigosas.

Exigem também melhores condições salariais e é aqui que o sindicato e a ANTRAM voltam a divergir: o SNMMP aponta que o salário-base é de 630 euros, enquanto a associação patronal ANTRAM afirma que é superior a 1400 euros. O sindicato denuncia ainda que os profissionais trabalham entre 15 e 18 horas por dia, tendo, neste momento, já atingido as 200 horas suplementares do ano.

Estrutura independente da CGTP e da UGT, o SNMMP está focado na defesa dos direitos dos profissionais de matérias perigosas e na formação desses profissionais.

António Medeiros disse ainda ao Público ter clara noção do impacto que esta classe tem no país. “Temos um impacto pela própria especificidade da matéria que transportamos. Faz parte da economia do país. Movimentamos o combustível necessário para o desenvolvimento do país. Se paramos dois, três dias, pomos Portugal no caos. Temos perfeita noção disso”, considerou o tesoureiro.

A greve deixou o aeroporto de Faro sem ser abastecido desde segunda-feira e o de Lisboa desde esta terça-feira, com a ANA a admitir “disrupções operacionais”.

O Instituto Nacional de Emergência Médica apelou aos cidadãos para que deem prioridade aos veículos de emergência médica nos postos de abastecimento, explicando que todas as viaturas foram atestadas de manhã.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

15 COMENTÁRIOS

  1. Esta geringonça está a rebentar pelas costuras, senão fosse o PR já tinha ido abaixo á mt tempo. Não me lembro de um governo que usurpou o possível governo de outros, durar tanto tempo c/ tanta ASNEIRAS, INCOMPETENCIA. É um governo que tem greves umas atrás das outras- Não é de satisfação certamente. Não se venham fazer de coitadinhos nas eleições porque não tem razão p/ isso. Voçês só ainda estão no governo porque tem um povo de brando costumes e o Presidente que vos tem amparado a QUEDA que já vem tarde.
    Onde já se viu parar praticamente o país!! Então havia rios de dinheiro agora não ha nada?? Para onde foi o dinheiro então??

    • Se o problema fosse esse… talvez 3 eleições neste ano sejam um razão mais convincente. No governo anterior eram greves dia sim, dia sim, com estes, neste ano, vão ser greves 48 horas por dia e de «mão estendida» LOL. Seja como for, não choca se a tropa se chegar à frente e garantir o fluxo do combutível, pois, «proteger-nos de ameaças e garantir a estabilidade democrática» faz parte do «job description» contratado… Dito isto, sentimo-nos atacados na nossa mobilidade e os nossos serviços essências estão a ser ameaçados. A seguir, há que analisar se a contestação é legítima e «construir uma verdadeira ponte» para um entendimento. Blá, blá não chega…

    • Mas você está a falar de que?
      O que é que o dinheiro tem a ver com isto? Você sabe ao menos o que eles reivindicam?

      Com certeza não.

      E párem de uma vez por todas de ir contra um governo, só porque ele “não é o vosso”…
      Isto não é futebol em que se é de um clube para sempre…

      Devemos fazer as escolhas políticas de acordo com o que, no momento e tendo em conta o que que cada um diz, nos parece MELHOR para o PAÍS…

      Não se deve votar pela cor do partido.. ou porque o pai ou o avô são deste ou daquele partido..
      Fala fala e se calhar nem votar vai você.

      Já votei a favor de vários partidos, consoante aquilo que acho melhor para a minha cidade ou país, e assim é que deve ser!!

      O governo lá porque é governo, não pode fazer o que quer, nem ignorar as leis, senão que exemplo estava a dar??? Se fizesse isso vocês diziam “pois.. parece uma ditadura.. nem deixam as pessoas terem direito à greve”

      oh pah.. acordem…
      É grave? Sim..
      Estão a negociar? Não sei talvez…

      Não façam é como os professores, que todo o comentador e até o PR (como você refere) concordaram que ficaram a perder porque recusaram uma boa proposta…

      Para não falar que se calhar dos loucos todos que foram às bombas, 80% dos que ENCHERAM os seus tanques, não precisavam… tirando assim combustivel para bombeiros, padeiros, autocarros, carros do lixo…. e por aí fora…

      • Se o Senhor Soubesse o que se passa neste Pais corrupto onde todo os estado está metido incluindo o Presidente que quando não interessa sacode, emigrava de certeza para a conchichina.

        • Fico feliz de saber que a conchichina existe, e que há internet para o senhor poder enviar comentários.

          Já agora caro Burro.. Velho, é Cochinchina (veja lá bem onde fica a letra N), e caso não saiba, é no sul do vietname, nomeado assim pelo povo Português devido à sua localização imprecisa.

          • Já que estamos por aqui em maré cultural queria também deixar um pequeno contributo para esta discussão.
            Foi efetivamente nomeada pelos Portugueses de “Cochim-China” para distingui-la de “Cochim” na Índia, devido à sua localização intermediária com a China (semelhante à denominação posterior de Indochina aplicada ao Vietnã de hoje). Também era designada de “Chinacochim” ou ainda “Champachina”.
            A expressão “isso fica para lá da Conchinchina” que pretende referir um local muito distante, entretanto foi substituída por outras como “para lá do carvalho mais velho” ou “em c$%&” de hill street” ou ainda “para lá da p$%& que o pariu”.

    • Ó nora, é gasolina a mais, ignorância ou estupidez?
      Que é que o Governo tem que ver com estes motoristas? Pensará que são funcionários do Estado?
      Para já ainda não aparam o País, mas se o fizerem é o Governo que tem culpa?
      Não dê mostras de pequenez mental.

  2. Estes senhores motoristas bem mereciam que tivessem um familiar a precisar de ir para o hospital e não chegar lá a horas de ser salvo, porque faltou combustivel à ambulância
    É como os Srs Enfermeiros que deviam ter os seus familiares a necessitar de atendimento e não serem atendidos e irem deste lado para o outro lado.

    • Isto de se achar que a família é que tem de pagar pelo que os outros fazem vem em que lógica a da desresponsabilização própria ou a do ”passa ao outro e não ao mesmo”?
      (não, não tenho nenhum camionista na família)

  3. os governos não se lembram do interior, agora o interior também não se lembra do governo, ir a espanha é mais barato e lá não falta, e lá somos portugueses, obriga-nos a pagar portagens, mas mesmo assim ainda fica mais barato, temos pena.

  4. Há gente a atestar que nunca atestou, e deve ficar com gota para 2 meses. Histerismo e falta de confiança na capacidade do governo para resolver o problema.

  5. Eu pela minha parte penso que este governo ao ser o campeão das greves vai ficar de tal forma resistente a safanões que não vai haver tempestade que o deite abaixo, parece estar submetido a uma prova de resistência da qual se recusa a sair, quanto mais abanam mais ele se agarra!.

RESPONDER

Jorge Jesus vence prémio "Bola de Prata" para melhor treinador do Brasileirão

Jorge Jesus volta a fazer história. O treinador recebeu, esta segunda-feira, o prémio Bola de Prata da ESPN Brasil para melhor treinador. Jorge Jesus, o técnico português que se sagrou campeão da liga brasileira de futebol …

Denunciantes são "essenciais para combater a corrupção", mas em Portugal há "falta de sensibilidade"

Esta segunda-feira, a ex-eurodeputada Ana Gomes disse que em Portugal "existem falhas de sensibilidade" face aos denunciantes, que "não são protegidos", apesar de serem "absolutamente essenciais para combater a corrupção", frisando o exemplo de Rui …

Produtores de vinagre italiano perdem batalha pela exclusividade do termo "balsâmico"

Os produtores de vinagre italiano de Modena reclamavam a exclusividade do termo "balsâmico". O Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) não lhes deu razão. Segundo a BBC, o Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) …

Catarina Martins desvaloriza críticas internas. BE "é o partido mais plural da sociedade portuguesa"

Catarina Martins disse ser natural que sejam apresentadas várias moções à convenção do partido. Alguns membros apontam falta de debate interno, críticas relativizadas pela coordenadora. Catarina Martins considerou natural que se apresentem várias moções à convenção …

Homens e mulheres já podem entrar juntos em restaurantes na Arábia Saudita

A Arábia Saudita acabou com a exigência de entradas separadas em restaurantes para homens e mulheres e com a separação entre sexos à mesa. Até agora era obrigatório ter uma entrada para famílias e mulheres …

Exército japonês pediu uma escrava sexual para cada 70 soldados na II Guerra Mundial

Durante a Segunda Guerra Mundial, o exército do Japão pediu ao Governo que fornecesse uma escrava sexual para cada 70 soldados, de acordo com documentos históricos analisados pela agência de notícias nipónica Kyodo News. Os 23 …

Centeno apresenta linhas gerais do Orçamento aos partidos na terça-feira

Mário Centeno apresenta aos partidos, esta terça-feira, as linhas gerais da proposta de Orçamento do Estado. Só o Livre fica de fora por "impedimento de agenda". O Governo apresenta amanhã, dia 10 de dezembro, as linhas …

Amianto. Fenprof vai apresentar queixa em Bruxelas

A Fenprof acusa o Governo português de não cumprir a diretiva comunitária que impõe a retirada de amianto de edifícios públicos, incluindo escolas. A Federação Nacional de Professores (Fenprof) vai apresentar uma queixa à Comissão Europeia …

Luís Maximiano: "Battaglia levou com o garrafão de água e o Misic com um cinto na cara"

O guarda-redes do Sporting disse esta segunda-feira que ficou “bloqueado e sem reação” durante o ataque à Academia de Alcochete, descrevendo as agressões aos colegas de equipa, após a entrada no balneário de mais de …

Peritos da Ordem admitem práticas ilícitas na venda de produtos no BES e Banif

Os peritos da Ordem dos Advogados que analisaram as reclamações de lesados do BES e do Banif disseram esta segunda-feira aos jornalistas que encontraram indícios de práticas ilícitas na venda de produtos financeiros por aqueles …