“Todos os caminhos levam a Putin”. Donald Trump deverá ser acusado formalmente nos próximos dias

Kremlin

Os democratas estão a desenvolver o processo de destituição de Donald Trump, reforçando o foco na Federação Russa e nas ligações ao Presidente da Rússia, Vladimir Putin, quando começam a esboçar o texto acusatório do chefe de Estado norte-americano.

A presidente da Câmara dos Representantes, a democrata Nancy Pelosi, está a ligar os pontos — “todos os caminhos levam a Putin” — e a desenvolver o argumento de que a pressão de Trump sobre a Ucrânia não foi um incidente isolado, mas parte de uma ligação perturbadora com o Presidente russo, que remonta ao apurado pela investigação do procurador especial Robert Mueller em relação à alegada interferência russa nas eleições presidenciais norte-americanas de 2016.

“Isto já dura há dois anos e meio”, declarou Pelosi. “Isto não é sobre a Ucrânia. É sobre a Rússia. Quem beneficiou com a suspensão da nossa ajuda militar à Ucrânia? A Rússia”, insistiu.

O enquadramento está a assumir grande urgência e importância, tanto em termos práticos quanto políticos, uma vez que os democratas estão a começar a redação dos artigos da acusação.

Um dos objetivos também é explicar por que razão os norte-americanos se devem preocupar por Trump ter pressionado a Ucrânia para anunciar uma investigação ao seu rival político Joe Biden, ao mesmo tempo que suspendeu a entrega de ajuda militar a Kiev (que o Congresso já tinha aprovado), orçada em 400 milhões de dólares (362 milhões de euros), a este aliado do Leste europeu envolvido num conflito fronteiriço com a Federação Russa.

“Às vezes, as pessoas dizem ‘bem, não conheço a Ucrânia’, afirmou Pelosi na quinta-feira, ao anunciar a decisão de redigir a acusação formal. “Bem, o nosso adversário neste processo é a Rússia. Todos os caminhos levam a Putin. Percebam isto”, acentuou a presidente da Câmara dos Representantes.

Ao fazer traçar a evolução do comportamento de Trump desde a campanha eleitoral até aos dias de hoje, Pelosi une o partido democrata. Junta assim a ala esquerda, que quer mais acusações contra Trump, incluindo as do relatório de Mueller, e os centristas, que preferem ver a acusação cingida à Ucrânia.

Pelosi e a sua equipa estão a procurar passar a mensagem de que o processo de destituição é sobre a Ucrânia — o telefonema em que Trump pede um favor ao seu homólogo ucraniano —, mas também sobre um padrão de comportamento que pode renovar a preocupação com a atitude do multimilionário republicano face à Federação Russa, quando se preparam as eleições presidenciais de 2020.

O processo “mostra que um leopardo não consegue mudar as suas pintas“, afirmou Eric Swalwell, o democrata da comissão as Informações, da Câmara dos Representantes, que redigiu o relatório, com 300 páginas, que serve de base ao texto acusatório.

Com o texto da acusação esperado para os próximos dias e a votação na Câmara dos Representantes esperado por alturas do Natal, a equipa de Trump esforça-se por mostrar ao Presidente quer não há nada de errado.

Na sexta-feira, a Casa Branca confirmou que não vai participar nestes trabalhos da Câmara dos Representantes, considerando o processo “um simulacro”.

O advogado do presidente norte-americano, Pat Cipollone, escreveu, em mensagem eletrónica enviada ao presidente da comissão parlamentar da Justiça, Jerry Nadler: “Como sabe, o vosso inquérito com vista à acusação [de Trump] não tem qualquer fundamento”. O texto da acusação deve assentar em dois grandes temas: abuso de poder e obstrução, mas deverá também incluir corrupção.

Esta carta não é uma surpresa. A Casa Branca já tinha antes recusado participar na primeira audição do processo de impeachment.

O Presidente norte-americano foi acusado de pressionar o homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, a investigar o seu rival político e ex-vice-Presidente Joe Biden.

Esta chamada, cuja transcrição foi revelada na última semana após a queixa de um denunciante, levou os democratas a darem início a um processo de impeachment presidencial. Na segunda-feira, o advogado pessoal de Trump, Rudy Giuliani, recebeu uma intimação relacionada com os seus contactos com as autoridades ucranianas.

Mais tarde, o Governo australiano confirmou que houve uma segunda chamada, em que Donald Trump pressionou o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, para que este o ajudasse a descredibilizar a investigação do procurador especial Robert Mueller. O governo australiano confirmou que a chamada aconteceu e que o primeiro-ministro concordou em ajudar.

A Casa Branca restringiu o acesso à transcrição da conversa telefónica entre o Presidente dos EUA e o primeiro-ministro da Austrália a um pequeno grupo de assessores. A decisão é invulgar mas semelhante à que foi tomada no caso da chamada com o Presidente da Ucrânia.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Uma inexplicável explosão de ondas gravitacionais atingiu a Terra (e atordoou os astrónomos)

Uma equipa de investigadores detetou uma misteriosa explosão de ondas gravitacionais, cuja natureza deixou os astrónomos totalmente perplexos. O fenómeno foi registado a 14 de janeiro deste ano pelo Observatório de Ondas Gravitacionais por Interferómetro Laser …

O mar interno da misteriosa Encélado "grita" habitabilidade

Uma equipa de especialistas desenvolveu um novo modelo geoquímico que revela que o dióxido de carbono do interior de Encélado, lua de Saturno que abriga um oceano, pode ser controlado através de reações químicas no …

Os Simpsons podem ter previsto o surto do novo coronavírus da China

A série de televisão animada "Os Simpsons" é conhecida por ter feito profecias que, com o passar do tempo, se tornaram mesmo realidade. Agora, os fãs do programa parecem ter encontrado um episódio que prediz …

Identificada nova espécie de dinossauro que viveu há mais de 150 milhões de anos

Paleontólogos identificaram, nos Estados Unidos, uma nova espécie de dinossauro do género dos alossauros, que viveu há mais de 150 milhões de anos. A espécie, que tem o nome de Allosaurus jimmadseni, foi identificada a partir …

Escorpião com 436 milhões de anos foi dos primeiros animais a pisar a Terra

Cientistas descobriram um escorpião com 436 milhões de anos que terá sido um dos primeiros animais da Terra a migrar dos habitats aquáticos para os terrestres. Foram encontrados dois fósseis da espécie num antigo mar tropical …

Bruno de Carvalho disposto a liderar SAD do Sporting com Varandas

O ex-presidente do Sporting admitiu, esta sexta-feira, estar disposto a liderar a SAD do clube, mesmo com Frederico Varandas como presidente. No seu comentário semanal na Rádio Estádio, Bruno de Carvalho disse estar disposto a regressar …

A Inteligência Artificial teria resolvido o mistério da fuga de Alcatraz

Um programa de Inteligência Artificial (IA) poderia ter resolvido o mistério da fuga dos irmãos irmãos John e Clarence Anglin e Frank Morris da prisão de Alcatraz, que foi considerada uma das mais seguras dos …

Mais de 30 militares dos EUA ficaram com lesões cerebrais após ataque iraniano

Mais de 30 militares norte-americanos ficaram com lesões cerebrais traumáticas na sequência do ataque iraniano na base militar de Ain al-Assad, no Iraque. 34 militares norte-americanos ficaram com lesões cerebrais traumáticas na sequência do ataque levado …

Homem que torturou suspeitos de planear o 11 de setembro diz que o voltaria a fazer

James Mitchell torturou os cinco suspeitos de terem planeado o ataque de 11 de setembro de 2001. Em tribunal, disse que não tem remorsos e que o voltaria a fazer. James Mitchell foi o psicólogo responsável …

Belenenses e Belenenses SAD chegam a acordo para suspender ações judiciais

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) anunciou, esta sexta-feira, que foi alcançada uma suspensão das ações judiciais entre o Belenenses e a Belenenses SAD. Em comunicado publicado na sua página oficial, a FPF informou que o …