Audição de Mueller no Congresso. Trump pode ser acusado após deixar Casa Branca

Shawn Thew / EPA

Robert Mueller, o procurador especial encarregado da investigação sobre interferência russa nas eleições presidenciais de 2016, nos Estados Unidos, disse esta quarta-feira no Congresso que o seu relatório não exonerou completamente Donald Trump de suspeitas de obstrução de justiça.

Os congressistas do Partido Democrata e do Partido Republicano tiveram esta quarta-feira a primeira, e talvez única, oportunidade para questionarem diretamente Robert Mueller, o principal responsável pelas investigações sobre a suspeita de interferência russa nas eleições presidências de 2016, nos Estados Unidos.

Depois de dois anos, centenas de entrevistas e 34 acusações em tribunal, o ex-procurador especial e a sua equipa chegaram a três conclusões.

Nas presidenciais de 2016, a Rússia interferiu nos Estados Unidos através de uma campanha de desinformação nas redes sociais e de ataques informáticos para divulgação de documentos confidenciais, com o objetivo de beneficiar o candidato Donald Trump.

Além disso, não foram encontradas provas de que essa campanha de desinformação e ataques informáticos tenham sido combinados e coordenados com alguém na equipa do então candidato Trump, nem com qualquer outro cidadão norte-americano.

Por último, concluiu-se que não foi possível acusar nem exonerar o Presidente Trump por obstruir a Justiça ao longo da investigação de Mueller. De acordo com o Público, são descritos no relatório final dez casos

Na comissão da Câmara de Representantes, Mueller disse que as conclusões da sua investigação, conhecidas em abril do ano passado, “indicam que o Presidente não foi inocentado dos atos de que foi acusado”, referindo-se às suspeitas de obstrução de justiça.

Desde que as conclusões foram tornadas públicas, Donald Trump tem dito que o relatório o absolveu de todas as acusações. “Nenhum conluio, nenhuma obstrução”, repetiu várias vezes o Presidente norte-americano, na sua conta pessoal do Twitter e em declarações públicas, referindo-se à sua leitura de que o relatório de Robert Mueller não apresentava provas de que tivesse havido conluio entre a sua equipa de campanha e o Governo russo, para interferência nas eleições de 2016, e de que tivesse havido obstrução de justiça por parte da Casa Branca, durante as investigações.

Esta quarta-feira, o ex-procurador especial, que responde perante duas comissões parlamentares, confirmou que o seu relatório provou a existência de provas conclusivas sobre a interferência russa e que, relativamente às suspeitas de conluio e obstrução de justiça, a investigação não conseguiu reunir provas conclusivas.

Mueller acrescentou, contudo, que o Presidente “não foi inocentado dos atos de que foi acusado”, referindo-se à versão já conhecida do relatório apresentado em abril passado. A possibilidade de obstrução de justiça pode ser razão para o início de um processo de destituição do Presidente, na Câmara de Representantes.

Questionado sobre se “caso concluísse que o Presidente tivesse cometido um crime de obstrução à justiça, não poderia dizê-lo no relatório ou aqui hoje”, Mueller lembrou que um Presidente em funções “não pode ser acusado, seria inconstitucional”.

Já sobre se Trump poderá ser investigado por obstrução à justiça ou mesmo acusado depois de abandonar o cargo, o antigo procurador confirmou, citado pelo Observador, que seria possível, existindo indícios para isso: “Verdade”.

Depois de terminada a primeira audição no Comité Judicial, iniciou entretanto a segunda audição no Comité de Serviços Secretos da Câmara. Segundo a CNN, Robert Mueller já se esquivou a perguntas por mais de 100 vezes.

Russos esperam influenciar Presidenciais de 2020

Na segunda audição, Mueller manteve-se mais cauteloso e insistiu na defesa da sua investigação. Questionado sobre se campanha russa de desinformação nas redes sociais nas presidenciais norte-americanas pretendia beneficiar Donald Trump ou Hillary Clinton, respondeu contundente: “Donald Trump. Embora tenha havido momentos nos quais Hillary Clinton foi sujeita ao mesmo comportamento”.

Mas a declaração mais explosiva surgiu seis horas depois de o procurador especial ter começado a responder a perguntas no Congresso.

Segundo o Observador, questionado se achava que a interferência russa nas presidenciais de 2016 tinha sido uma “tentativa única” de envolvimento em eleições norte-americanas ou se poderia ser repetida, Mueller afirmou: “Oh, não foi uma tentativa única. Estão a fazê-lo enquanto estamos aqui sentados e esperam fazê-lo durante a próxima campanha”.

Depois de Robert Mueller ter defendido a seriedade e assertividade do seu relatório, o próximo capítulo está nas mãos do poder político: como Mueller já tinha dado a entender, o presidente dos Estados Unidos só pode ser acusado e julgado após sair de funções. Até lá, cabe a democratas e republicanos avaliarem a gravidade dos atos descritos no relatório.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. “Nas presidenciais de 2016, a Rússia interferiu nos Estados Unidos através de uma campanha de desinformação nas redes sociais e de ataques informáticos para divulgação de documentos confidenciais, com o objetivo de beneficiar o candidato Donald Trump.” É ESSENCIAL QUE SE DIGA PORQUE É QUE OS RUSSOS LHE FIZERAM ESSE FAVOR !!!! E PORQUE É QUE O ALARVE, POR SUA VEZ, TENTOU OBSTRUIR O INQUÉRITO SE NÃO TEM NADA A ESCONDER ???? QUANTO TEMPO MAIS VÃO OS AMERICANOS DE BOM SENSO, E O RESTO DO MUNDO TER QUE ATURAR ESTA BESTA QUADRADA ????

RESPONDER

Rara cobra de duas cabeças e dois cérebros independentes encontrada na Florida

Uma rara cobra com duas cabeças e dois cérebros independentes foi resgatada no estado norte-americano da Florida por uma equipa de especialistas do organização Florida Fish and Wildlife Conservation Commission. Na rede social Facebook, a organização, …

Benfica 2-0 Belenenses SAD | Darwinismo rende arranque histórico

O Benfica cumpriu e venceu o Belenenses SAD por 2-0, no Estádio da Luz, na partida que encerrou a quinta jornada da Liga NOS. Foi o quinto triunfo benfiquista no campeonato em cinco partidas, o …

Uma tarefa doméstica está a poluir sorrateiramente o ambiente

O que vestimos e como lavamos as nossas roupas influencia o número de microfibras sintéticas que libertamos no meio ambiente. Há uma tarefa doméstica a poluir sorrateiramente o ambiente. Um novo artigo científico, publicado na PLOS …

A companhia aérea que faliu devido à covid-19 está de volta

A pandemia de covid-19 foi traiçoeira para muitas empresas. A Flybe, uma das primeiras vítimas, está agora a ressuscitar - e pode voltar a rasgar os céus já no próximo ano. A economia mundial foi muito …

Dormir bem antes de tomar a vacina da gripe pode ajudar a aumentar a sua eficácia

Segundo os especialistas, uma boa noite de sono pode mesmo ajudar a aumentar a eficácia da vacina da gripe, que neste ano ganha particular relevância em plena pandemia de covid-19. De acordo com Matthew Walker, autor …

Há um petroleiro abandonado há mais de uma década nas Caraíbas (e é uma "bomba-relógio")

Um navio de armazenamento de petróleo venezuelano está ancorado no Golfo de Paria, um trecho de mar fechado entre a Venezuela e a ilha de Trinidad, há mais de uma década. Antes de os Estados Unidos …

Portugal deve bater recorde de doentes em cuidados intensivos ainda esta semana

Portugal deverá ultrapassar, esta quarta-feira, o recorde de doentes em unidades de cuidados intensivos, alertou a ministra da Saúde, Marta Temido, em conferência de imprensa sobre a capacidade do Serviço Nacional de Saúde para combater …

A Budapest Eye foi restaurante por um dia (e com estrela Michelin)

Um restaurante com estrela Michelin em Budapeste, na Hungria, ofereceu aos clientes uma experiência gastronómica na famosa roda gigante Budapest Eye. Atraiçoado pela queda de faturação após o desaparecimento de turistas estrangeiros, o restaurante Costes, premiado …

Antigo ministro da Saúde Leal da Costa admite novo estado de emergência

O antigo ministro da Saúde Fernando Leal da Costa defendeu hoje que em algum momento deve ser decretado de novo o estado de emergência, para que o Governo possa tomar medidas na luta contra a …

Marcelo promulga uso obrigatório de máscara na rua por 70 dias

O Presidente da República promulgou esta segunda-feira o decreto da Assembleia da República que determina o uso obrigatório de máscara na rua, por um período de 70 dias, sempre que não seja possível cumprir o …