Novo lay-off é para “aguentar o emprego e as empresas” (mas agrava cortes dos trabalhadores)

Tiago Petinga / Lusa

O novo regime de lay-off anunciado pelo Governo, para apoiar as empresas com “perdas mais significativas”, nomeadamente na área do turismo, visa “aguentar o emprego e as empresas”, segundo o ministro da Economia, Siza Vieira, mas vai agravar os cortes salariais dos trabalhadores.

Siza Vieira anunciou que a medida de Apoio à Retoma Progressiva vai ser flexibilizada, naquilo que será um novo regime de lay-off, de forma a permitir que as empresas com perdas significativas possam manter o regime de redução total da capacidade de trabalho.

O Apoio à Retoma Progressiva veio substituir o lay-off simplificado e, ao contrário deste, não permite às empresas a suspensão do contrato de trabalho, mas apenas a redução do horário em função da quebra da actividade.

Assim, se justifica a flexibilização daquela medida, nomeadamente de modo a permitir a suspensão temporária dos contratos de trabalho. O objectivo é, contudo, evitar os despedimentos, como vinca o ministro da Economia.

“Quando criámos o regime de lay-off pensámos que haveria uma retoma mais intensa no Verão, o que não sucedeu e estamos dispostos a ajudar as empresas”, destaca Siza Vieira, realçando especialmente o “contexto incerto” que tem sido “particularmente castigador para o turismo”.

O Governo está “solidário neste momento difícil com um sector que ajudou tanto a economia”, sublinha o governante.

O que precisamos é de aguentar, temos meses pela frente de procura baixa. Em Maio, Junho e Julho prevíamos um contexto menos adverso, mas o Governo está consciente do contexto que estamos a passar”, reforça ainda o ministro da Economia, realçando a ideia de que é preciso “aguentar o emprego e as empresas”.

Trabalhadores que ganham mais com cortes maiores

Durante o lay-off simplificado, os trabalhadores tiveram o salário reduzido em dois terços, com a entidade empregadora a pagar 30% e a Segurança Social os restantes 70% do valor.

No Apoio à Retoma Progressiva, as empresas com quebras de facturação podem reduzir o horário de trabalho normal, ficando responsáveis pelo pagamento de 100% das horas trabalhadas e de 30% de uma fatia das horas não trabalhadas que vai variar entre Agosto e Dezembro.

A Segurança Social (SS) pagará os restantes 70% das horas não trabalhadas. Mas as empesas com quebras de facturação iguais ou superiores a 75% terão direito a um apoio excepcional, com a SS a suportar 35% das horas não trabalhadas.

Mas este novo lay-off vai acabar por prejudicar os trabalhadores que ganham mais, sendo que os seus ordenados serão menores nos meses com menos dias úteis. Isto deve-se ao facto de o cálculo se basear nas horas de trabalho que realizar.

“Um trabalhador que, em circunstâncias normais, recebia 1.000 euros e que sofra um corte de 70% do seu horário, em Agosto e Setembro, passará a ganhar por mês 763,59 euros e 768,21 euros, respectivamente”, como atesta o Eco.

“Se se aplicasse a regra da proporção directa, esse trabalhador receberia 766,76 euros em ambos os meses, ou seja, cerca de 77% da sua retribuição normal”, aponta a publicação económica. Contudo, em Setembro, “ganhará mais 1,54 euros do que ganharia por via da proporção directa”, acrescenta ainda.

Esta diferença é tanto mais notória quanto maiores forem os salários.

Já no caso dos trabalhadores que ganham menos, fica salvaguardo que receberão, pelo menos, 635 euros por mês, mesmo quando os cortes horários impliquem uma remuneração inferior ao salário mínimo nacional.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Nokia vai criar para a NASA a primeira rede móvel operacional na Lua

O grupo finlandês Nokia vai fabricar para a NASA aquela que será a primeira rede móvel móvel na Lua, como parte de um projeto de base humana permanente da agência espacial norte-americana, foi esta segunda-feira …

Sarkozy acusado de "associação criminosa". Investigação sobre ligações à Líbia continua

Nicolas Sarkozy, o antigo Presidente francês, está a ser acusado de "associação criminosa" como parte de uma investigação sobre o financiamento da sua campanha presidencial de 2007, particularmente acerca dos seus alegados vínculos com o …

A última década foi a mais quente do Oceano Atlântico em três milénios

A última década foi a mais quente do Oceano Atlântico em quase três milénios, aponta uma nova investigação da Universidade de Massachusetts em Amherst, nos Estados Unidos, e da Universidade de Quebec, no Canadá. As …

NASA apresenta rover "transformer" que vai explorar os penhascos íngremes de Marte

A NASA acaba de apresentar um rover de quatro rodas, denominado DuAxel, que se pode dividir em dois rovers de duas rodas separados. O robô foi projetado para, um dia, explorar alguns dos terrenos mais …

Veneno de vespa pode ter muito "potencial" na composição de antibióticos

Com o passar dos anos, a população começa a ficar mais resistente a certos medicamentos e estes deixam de fazer efeito. Agora, uma equipa de investigadores desenvolveu novas moléculas anti-microbianas a partir do veneno de …

"Ou és infetado ou morres de fome". Trabalhadores da Amazon nas Filipinas denunciam condições precárias

Trabalhadores contratados pela empresa de segurança Ring da Amazon que trabalham em call centers nas Filipinas denunciam condições de trabalho que dizem ser precárias, mostrando-se ainda mais preocupados com a situação por causa da pandemia …

"Momento muito duro". André Almeida sofreu rotura de ligamentos e arrisca paragem longa

O futebolista internacional português André Almeida sofreu uma entorse do joelho direito, que resultou numa “rotura do ligamento cruzado anterior e do ligamento lateral interno”, informou esta segunda-feira o Benfica. O lateral dos encarnados saiu aos …

Apoio à retoma. Empresas com perdas de 25% podem reduzir horário até 33% já esta terça-feira

Empregadores com quebra de faturação igual ou superior a 25% vão poder reduzir até 33% o horário dos trabalhadores, entre outubro e dezembro, segundo a alteração ao regime de retoma progressiva de empresas em crise. O …

Chega quer tornar voto obrigatório e sanções para quem não cumprir

O deputado único do Chega entregou uma nova proposta no âmbito do projeto de revisão constitucional do partido para tornar o voto obrigatório para todos os cidadãos que o possam exercer e sanções para quem …

A Alemanha quer tornar o teletrabalho um direito legal

O Governo alemão prepara-se para publicar um projeto de lei que dará aos trabalhadores do país o direito legar de trabalhar a partir de casa. A medida aplicar-se-á a todos as atividades laborais que possam …