Afinal, apoio de lay-off depende do salário base. Mais trabalhadores podem ser abrangidos

José Sena Goulão / Lusa

O novo apoio de lay-off que a Segurança Social vai pagar para compensar os trabalhadores por causa dos cortes salariais poderá chegar a mais pessoas. O acesso ao complemento vai depender do salário base.

A Segurança Social vai pagar um subsídio diretamente em julho aos trabalhadores que tiveram cortes salariais por causa do lay-off. De acordo com o Jornal de Negócios, este apoio vai chegar a quem tenha um salário-base bruto de até 1.270 euros – e não um vencimento total até esse valor.

O primeiro-ministro e a ministra do Trabalho têm-se referido genericamente ao limite máximo de 1.270 euros no “rendimento” ou na “retribuição”, o que apontaria para um critério mais apertado. Assim, segundo apurou o Negócios, podem ser abrangidos trabalhadores que pensavam que não teriam direito.

“O valor a pagar em julho será de 100 a 351 euros, em função do valor da quebra de retribuição dos trabalhadores, sendo considerado o mês em que houve maior quebra de retribuição”, confirmou fonte do Governo ao Negócios.

O apoio só será atribuído a quem tivesse um salário base desse valor – mínimo de 635 euros e máximo de 1.270 euros – no mês de fevereiro e um corte por causa do lay-off entre abril e junho.

De acordo com a ministra do Trabalho, há 850 mil trabalhadores envolvidos em processos de lay-off aprovado. A ministra sublinhou “a importância de os trabalhadores terem todos os seus elementos atualizados na Segurança Social Direta para que isto possa acontecer da melhor forma”.

Na quinta-feira, o Governo aprovou a prorrogação por um mês do lay-off simplificado, até final de julho e novos apoios à retoma da atividade que estarão em vigor a partir de agosto e até ao final do ano.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Bom dia. Fiquei sem perceber bem se os ganhos líquidos de até 1.000 euros serão ou não contemplados, ainda que em valores brutos ultrapasse os 1.270e, teriam como esclarecer?

  2. Boa noite.. venho me manifestar por aqui já que ninguém me ouve ( segurança social). Eu estive 4 meses e meio de lay off sendo que me informei (com a segurança social) que tenho todos os requisitos para receber essa tal ajuda do ley off sendo que até agora não recebi nada, já liguei várias vezes para a segurança social e dizem sempre o mesmo tem toda a razão minha senhoria mas o máximo que podemos fazer é pedir que envie um e-mail blá blá blá., já enviei vários emails e não obtenho resposta nenhuma. Já não sei o que fazer mais, alguma ideia? obrigado.

  3. É uma vergonha eu estive em lay-off de 14 de Abril a 15 de Maio e porque pedi para ir trabalhar porque mantinha dinheiro para por comida na mesa, sendo mãe solteira. Não tive direito ao tal Complemento de Estabilização. Isto tudo porque não estive um mês civil completo mas estive um mês em lay-off assim que a minha empresa o pode colocar mas lá está os colegas que ficaram em casa porque não tiveram tantas necessidades como as minhas receberam o tal Complemento de Estabilização. Se há injustiças, há e muitas!

RESPONDER

Netflix responde a senadores norte-americanos e avança com série

Na passada sexta-feira, a Netflix respondeu aos cinco senadores do Partido Republicano dos Estados Unidos da América que, numa carta, questionaram a decisão de adaptar a trilogia O Problema dos Três Corpos, a série literária …

Há sobras de comida que sabem realmente melhor no dia seguinte (e os cientistas já sabem porquê)

Não é mito. Existem realmente sobras de comida que sabem melhor no dia seguinte e um especialista da Universidade de Oxford (Reino Unido) - que adora caril - explica o porquê à luz da Ciência. …

Teme-se que a violência doméstica dispare depois dos incêndios da Califórnia

Teme-se que os casos de violência doméstica disparem depois de os incêndios da Califórnia serem extintos, avança a revista norte-americana Vice, que ouviu responsáveis por espaços de abrigo para as vítimas. Desastres naturais de grandes …

Comunidade Vida e Paz ajudou 420 pessoas por dia no ano passado

Em 2019, a Comunidade Vida e Paz apoiou cerca de 420 pessoas em situação de sem-abrigo por dia e distribuiu 138 mil refeições. Além disso, a organização ajudou regularmente 26 famílias carenciadas, entre 78 adultos …

Realidade Virtual dá nova vida ao Mayflower, o navio que levou os ingleses para o Novo Mundo

Mayflower foi o famoso navio que, em 1620, transportou os chamados Peregrinos, do porto de Southampton, Inglaterra, para o Novo Mundo. A Realidade Virtual ajudou a trazê-lo de volta à vida. Os Peregrinos do Mayflower foram …

Iniciativa Liberal recorre à lei para exigir que plano de liquidez da TAP seja enviado às Finanças

O deputado da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim Figueiredo, exigiu que o ministro das Finanças, João Leão, remeta o plano de liquidez da TAP à Comissão de Orçamento e Finanças, no prazo de dez dias, ao abrigo …

Museu britânico deixa de exibir coleção de cabeças humanas

O Museu Pitt Rivers em Oxford, no Reino Unido, decidiu retirar da sua exposição permanente crânios e cabeças humanas encolhidas (tsantsas), que terão sido encontradas por exploradores europeus nas suas viagens às Américas e à …

Lactogal assume derrame de leite no rio UI

A empresa agroalimentar Lactogal, de Oliveira de Azeméis, assumiu esta segunda-feira que o derrame de leite no rio Ul, afluente do rio Antuã, se deveu ao colapso de um dos seus tanques e que estão …

O James Bond da vida real foi um arquivista na Polónia comunista (e pode ter enganado os caçadores de espiões)

O James Bond da vida real foi um arquivista e diplomata britânico que viveu na Polónia comunista na década de 1960, revelam documentos esta semana partilhados pelo Instituto Polaco da Memória Nacional. O diplomata James …

Japão mantém plano original. Tocha olímpica passará pelas 47 prefeituras do país

O percurso da tocha olímpica, que se iniciará em março de 2021, manterá o trajeto inicialmente previsto, um ano após o plano original, informou esta segunda-feira o Comité Organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio. A tocha …