“The Wings of Songs”. A China tem uma nova e inesperada arma contra as críticas à repressão dos uigures

A China tem uma nova arma de propaganda para defender as suas políticas em relação aos uigures: um musical chamado “The Wings of Songs”.

O filme apoiado pelo estado chinês, que estreou nos cinemas na semana passada, oferece um vislumbre da visão alternativa de Xinjiang que o Partido Comunista da China está a promover ao público interno e externo, de acordo com o The New York Times.

No musical, uigures e outras minorias cantam e dançam alegremente em trajes coloridos, uma visão chamativa de um estereótipo chinês sobre as minorias da região, que ativistas pelos direitos dos uigures denunciaram.

Numa das cenas, mulheres uigures são vistas a dançar num empolgante confronto ao estilo de Bollywood com um grupo de homens uigures. Noutra, um homem do Cazaquistão faz uma serenata a um grupo de amigos com um alaúde tradicional de duas cordas enquanto está sentado numa tenda.

Este musical surge numa altura em que as campanhas de propaganda chinesas se têm intensificado, após políticos ocidentais e grupos de direitos humanos terem acusado Pequim de submeter os uigures e outras minorias muçulmanas em Xinjiang a trabalhos forçados e genocídio.

“A noção de que os uigures podem cantar e dançar, portanto, não há genocídio – isso simplesmente não vai funcionar”, disse Nury Turkel, advogado uigur americano e investigador do Hudson Institute. “O genocídio pode ocorrer em qualquer lugar bonito.”

Numa altura em que foi submetida a sanções internacionais, a China respondeu com uma nova onda de propaganda de Xinjiang num amplo espectro. A abordagem vai desde retratar uma versão higienizada e alegre da vida em Xinjiang até ao envio de funcionários chineses para as redes sociais, para atacar os críticos de Pequim.

Segundo o Governo chinês, Xinjiang é agora um lugar pacífico onde chineses han, o grupo étnico dominante da nação, vivem em harmonia com as minorias étnicas muçulmanas da região, assim como as “sementes de uma romã”. É um lugar onde o governo conseguiu emancipar as mulheres das algemas do pensamento extremista. As minorias são retratadas como gratas pelos esforços do Governo.

De que fala o filme?

O musical “The Wings of Songs” leva a narrativa a um novo nível de indução ao medo. Conta a história de três jovens – um uigur, um cazaque e um chinês han – que se unem para perseguir os seus sonhos musicais.

O filme retrata Xinjiang, uma região predominantemente muçulmana no extremo oeste da China, livre de influência islâmica. Os jovens uigures estão barbeados e são vistos a beber cerveja, livres das barbas e abstinência de álcool que as autoridades veem como sinais de extremismo religioso.

As mulheres uigures são vistas sem os tradicionais lenços de cabeça.

Os uigures e outras minorias étnicas da Ásia Central também são retratados como totalmente assimilados pela corrente dominante. São fluentes em chinês, com poucas dicas das suas línguas nativas.

Além disso, dão-se bem com a maioria étnica chinesa han, sem nenhuma noção do ressentimento persistente entre os uigures e outras minorias em relação à discriminação sistemática.

Na segunda-feira, a venda de bilhetes para o filme rendeu 109 mil dólares, de acordo com a Maoyan, uma empresa que monitoriza estas vendas.

Ficção vs realidade

A narrativa apresenta um quadro totalmente diferente da realidade local, em que as autoridades mantêm um controlo rígido, usando uma densa rede de câmaras de vigilância e postos policiais e detêm muitos uigures e outros muçulmanos em campos de trabalho e prisões.

As autoridades chinesas negaram, inicialmente, a existência destes campos na região. Em seguida, descreveram as instalações como “colégios internos”, nas quais a frequência era totalmente voluntária. Agora, o Governo adota cada vez mais uma postura mais combativa, justificando as suas políticas como necessárias para combater o terrorismo e o separatismo na região.

As autoridades chinesas e os meios de comunicação estatais promoveram a narrativa do Governo sobre as suas políticas em Xinjiang, em parte pela divulgação de narrativas alternativas – incluindo desinformação – em redes sociais como o Twitter e o Facebook.

A campanha é centrada em diplomatas chineses no Twitter, contas de media estatais, influenciadores pró-Partido Comunista e bots, que costumam enviar mensagens com o objetivo de espalhar desinformação sobre os uigures e difamar investigadores, jornalistas e organizações que trabalham com as questões de Xinjiang.

O partido chinês também afirmou que precisava de tomar medidas firmes depois de uma onda de ataques mortais que abalou a região há alguns anos.

Na semana passada, o Governo alegou que havia descoberto um complô de intelectuais uigures para semear o ódio étnico. A CGTN, da emissora estatal da China, lançou um documentário que acusava os académicos de escrever livros que estavam cheios de “sangue, violência, terrorismo e separatismo”.

Os livros foram aprovados para uso em escolas do ensino básico e médio em Xinjiang durante mais de uma década. Em 2016, pouco antes do início da repressão, foram repentinamente considerados subversivos.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Irão disponível para negociações sobre acordo nuclear nas próximas semanas

O Irão retornará às negociações sobre a retomada do acordo nuclear de 2015 nas próximas semanas, avançou o Ministério dos Negócios Estrangeiros esta terça-feira, apesar das suspeitas das potências ocidentais sobre a estratégia de Teerão …

Depois do Loon, nasce o Taara. Projeto usou lasers para transmitir 700TB de dados

Depois da morte do Projeto Loon, no início do ano, nasceu o Projeto Taara, que utilizou lasers para transmitir 700TB de dados através do rio Congo. O projeto muda, o nome é diferente, mas a missão …

Vizela - Paços de Ferreira bateu recorde de assistência na I Liga

Maior número de adeptos do campeonato também foi registado nesta jornada, no Benfica-Boavista; mas em termos de ocupação do estádio, o Vizela deixou longe toda a concorrência. Desde os anos 80 do século passado que não …

150 anos antes da viagem histórica de Colombo, um frade italiano escrevia sobre a America

Por volta do ano 1340, Galvano Fiamma registou, na sua Cronica universalis, a existência de terras a oeste da Gronelândia habitadas "por gigantes". Trata-se da primeira menção documentada do continente americano no Mediterrâneo, cerca de …

Os antigos compadres zangaram-se de vez. Trump puxa os cordelinhos nos bastidores para correr com McConnell

A relação de altos e baixos entre os dois azedou de vez depois de McConnell ter reconhecido a vitória de Joe Biden. Trump quer agora que um Republicano concorra contra McConnell pelo cargo da liderança …

Bombeiros embrulharam a maior árvore do mundo em papel de alumínio. Tudo para a proteger

O incêndio consumiu milhares de acres na Califórnia e o National Park Service viu-se obrigado a intensificar os seus esforços para proteger as jóias naturais, incluindo as maiores árvores do mundo. Os incêndios Colony e Paradise …

EUA trocaram "guerra implacável" por "diplomacia implacável" no Afeganistão, diz Biden

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden, disse esta terça-feira à Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) que o país se está a concentrar na "diplomacia implacável" e no encerramento de uma era de …

Presidente de El Salvador autodenomina-se "Ditador de El Salvador"

O Presidente de El Salvador, Nayib Bukele, alterou no domingo a descrição do seu perfil no Twitter para "Ditador de El Salvador", passando depois para "Ditador mais 'cool' do mundo mundial", situação registada após os …

Ordem dos Médicos abre processo disciplinar contra Fernando Nobre

O Conselho Disciplinar Regional do Sul da Ordem dos Médicos abriu um processo contra Fernando Nobre, por causa das suas declarações numa manifestação de negacionistas em frente à Assembleia da República. A Ordem dos Médicos (OM) …

Crise da energia obriga UE a enfrentar dependência do gás natural

Os países europeus estão a tentar proteger os consumidores de energia, numa região onde, desde o início do ano, os preços do gás aumentaram 250%, resultado de uma série de forças económicas, naturais e políticas.  Na …