Sábado, Fevereiro 22, 2020
NOS pagou viagens à China a 9 convidados (e quer saber porquê)

NOS pagou viagens à China a 9 convidados (e quer saber porquê)

José Sena Goulão / Lusa

O Presidente da Comissão Executiva da NOS, Miguel Almeida

A operadora de telecomunicações NOS confirmou o pagamento de viagens aéreas à China, em junho de 2015, a cinco colaboradores e mais nove convidados externos, adiantando estar a apurar “o enquadramento deste pagamento”.

Num comunicado enviado esta noite à Lusa, a NOS confirma que, em junho de 2015, “colaboradores da empresa participaram numa viagem de trabalho a Zhang Zhou e Shenzehen, que teve como único objetivo partilhar com os participantes conhecimento e melhores práticas na área da saúde”.

Na nota, a operadora de telecomunicações “confirma também a existência de um pagamento das viagens aéreas da referida visita a um total de 14 pessoas, sendo 5 dessas colaboradores da empresa”.

“O enquadramento deste pagamento encontra-se ainda a ser apurado, uma vez que as regras internas na operadora não prevêem a possibilidade de a empresa suportar custos de deslocações que não os dos seus próprios colaboradores – mesmo que  parcialmente”, explica a operadora.

“Perante isto e face às informações entretanto vindas a público, a Comissão Executiva das NOS prontamente decidiu apurar internamente o enquadramento e detalhe de um eventual envolvimento da empresa na referida viagem”, acrescenta-se no comunicado difundido esta segunda-feira.

A NOS argumenta que “a organização de visitas de trabalho com convidados, cujas funções estejam relacionadas com o objetivo de partilhar conhecimento, competências e planos de desenvolvimento tecnológico é uma prática empresarial comum e lícita“.

A viagem, sublinha, incluiu “uma visita ao hospital de Zhang Zhou, considerado uma referência internacional, e à sede da Huawei, em Shenzhen, onde foram organizados vários ‘workshops’ sobre as mais recentes inovações tecnológicas na área da saúde”.

As explicações da empresa surgem no mesmo dia em que a Huawei disse à Lusa que a empresa “não pagou viagem à China a nenhuma pessoa envolvida neste caso“.

Também o Ministério da Saúde difundiu um comunicado adiantando que dirigentes dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, “em particular” os presidente e vogal do Conselho de Administração, colocaram à disposição os respetivos lugares, mas o Ministério entendeu aguardar pelas conclusões da averiguação pedida à Inspeção-geral das Atividades de Saúde.

O Ministério adianta que regista “como positiva” a atitude tomada pelos dirigentes de colocarem à disposição os seus lugares, mas entende como adequado esperar pelas conclusões da IGAS, que “habilitarão a uma tomada de decisão definitiva, justa e fundamentada”.

Em causa estão “factos ocorridos em junho de 2015” e que, segundo o Ministério, “carecem de clarificação ao nível do seu contexto ético, jurídico e institucional”.

De acordo com o jornal Expresso, trata-se de uma viagem realizada entre 02 e 06 de junho de 2015, envolvendo cinco dirigentes do Ministério da Saúde. Em fevereiro do mesmo ano, outro destacado funcionário do Estado, Carlos Santos, da Autoridade Tributária, viajou para a China “com tudo pago”.

O jornal cita uma fonte ligada ao processo, segundo a qual a empresa pagou “tudo, mesmo tudo”, incluindo a alimentação.

A viagem incluiu uma visita ao Hospital de Zheng Zhou para observar como funciona o sistema de telemedicina da unidade e outra à sede da tecnológica em Shenzhen, perto de Hong Kong.

“Os altos quadros dos SPMS que viajaram a convite são Artur Trindade Mimoso, vogal executivo do Conselho de Administração, Nuno Lucas, diretor de sistemas de informação, Ana Maurício, diretora de comunicação, Rui Gomes, diretor de sistemas de informação, e Rute Belchior, diretora de compras”, lê-se na notícia do Expresso.

Os SPMS confirmaram ao jornal a deslocação “suportada pela entidade que organizou a visita”, justificando-a com “objetivos prioritários” de adquirir e partilhar conhecimentos sobre “os recursos, modelos e estratégias diferenciadoras utilizadas no âmbito da telemedicina”.

Oracle também está associada a viagens ao estrangeiro

De acordo com o Observador, agora é a vez da empresa de tecnologia e informática norte-americana Oracle protagonizar um novo episódio no caso das viagens ao estrangeiro.

Em causa estava o Oracle Open World 2014, evento mundial que levou cinco altos funcionários do Estado – de estruturas que dependiam dos Ministérios da Segurança Social, das Finanças, do Ministério da Administração Interna e do Ministério da Saúde – até aos EUA, mais concretamente São Francisco, onde tiveram estadia entre 28 de setembro e 2 de outubro desse ano.

Escreve o jornal online que as circunstâncias do pagamento não são claras e diferem de caso para caso mas uma coisa é certa: foi a Oracle Corporation quem pagou os passes para o evento, que incluía várias conferências e atividades como o concerto dos Aerosmith.

Aos EUA foram Carlos Santos, da Autoridade Tributária – que também tinha ido à China à sede da Huawei  – Diogo Reis, dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (da equipa da Plataforma de Dados da Saúde), Francisco Baptista, chefe de Equipa Multidisciplinar de Sistemas e Produção (EMSP) da Secretaria-Geral Ministério da Administração Interna.

Nestes três casos, o parceiro – que terá partilhado as despesas da deslocação com a Oracle – foi uma empresa de sistemas de informação com sede em Alvalade, Timestamp.

Há ainda mais dois diretores do Instituto de Informática da Segurança Social (IISS) que também foram ao evento: Carlos Oliveira e João Mota Lopes – que também já tinha ido à China pela Huawei. O parceiro que fez o convite, neste caso, foi uma empresa portuguesa também da área das Tecnologias de Informação, a Normática, apurou o Observador.

Destes cinco funcionários, três ainda estão em funções no Estado.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Governo vira-se para Rio para mudar a Lei e garantir o novo aeroporto

O Governo está a preparar uma alteração à Lei para evitar que o projecto do novo aeroporto do Montijo seja chumbado. Uma medida que passará, necessariamente, pela necessidade de um entendimento entre PS e PSD …

"Entretenimento saudável". Santa Casa desvaloriza estudo sobre raspadinhas

O Departamento de Jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa desvalorizou a investigação da Universidade do Minho que aponta para o vício das raspadinhas. Esta sexta-feira, um artigo científico publicado na The Lancet alertou para …

"Diga-lhe para ligar ao FBI". Autocarro com a cara do príncipe André circula em Londres

Um autocarro escolar, com a cara do príncipe André, andou a circular por Londres, esta sexta-feira, numa campanha da advogada Gloria Allred para pressionar o filho da Rainha a falar com o FBI. Esta sexta-feira, um autocarro …

Suspeito de terrorismo ouvido em tribunal (com o juiz a recusar ver os seus vídeos por não ter Internet)

O arguido Rómulo Costa, um dos oito portugueses acusados por financiamento ao terrorismo e recrutamento, adesão e apoio ao Estado Islâmico, foi interrogado, esta sexta-feira, na fase de instrução do processo que vai decorrer no …

FC Porto recorre do castigo de um jogo à porta fechada

O FC Porto vai recorrer do castigo de um jogo à porta fechada, aplicado pelo Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) por ofensa a um agente desportivo. "O FC Porto vai recorrer …

Moita Flores investigado por corrupção. Antigo PJ fala em "coincidência" com empréstimo aos filhos

Francisco Moita Flores, antigo inspector da Polícia Judiciária e ex-presidente da Câmara de Santarém, está a ser investigado por suspeitas de corrupção. Há transferências de dinheiro de uma construtora para empresas a que esteve ligado …

SOS Animal vai constituir-se assistente no processo contra João Moura

A SOS Animal anunciou, esta sexta-feira, que se vai constituir assistente no processo criminal contra o cavaleiro tauromáquico detido, na quarta-feira, por suspeitas de maus-tratos a cães em Monforte, no distrito de Portalegre. Em comunicado, a SOS …

SMS de Rangel revelam teia de corrupção na Relação de Lisboa. Juiz Vaz das Neves tem empresa contra a lei

O ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Luís Vaz das Neves, que foi constituído arguido na Operação Lex, tem uma empresa que se dedica à arbitragem extrajudicial de conflitos, o que constitui uma violação …

Presidente da PwC esteve em Lisboa para controlar danos do Luanda Leaks

O presidente mundial da PricewaterhouseCoopers (PwC) esteve em Lisboa, há duas semanas, para controlar os danos provocados pelo caso Luanda Leaks. Bob Moritz, presidente mundial da PricewaterhouseCoopers (PwC), esteve em Lisboa, há duas semanas, para perceber até …

CM Lisboa vai negociar avenças em parques para moradores da envolvente da Baixa

O presidente da Câmara de Lisboa afirmou, esta sexta-feira, que a autarquia irá tentar acordar com os operadores dos parques de estacionamento da envolvente da Zona de Emissões Reduzidas da Baixa-Chiado a criação de "avenças …