Netos de emigrantes vão poder ter nacionalidade portuguesa

José Sena Goulão / Lusa

A Ministra da Justiça, Francisca Van Dunem

A Ministra da Justiça, Francisca Van Dunem

A nacionalidade portuguesa pode ser atribuída a netos de portugueses nascidos no estrangeiro que, entre outros requisitos, tenham “laços de efetiva ligação à comunidade nacional”, de acordo com um diploma aprovado esta quinta-feira em Conselho de Ministros.

O decreto-lei estabelece os termos em que deve ser reconhecida a existência desses laços e determina que, para obter a nacionalidade portuguesa, os netos dos portugueses nascidos no estrangeiro tenham ainda de declarar que “querem ser portugueses”.

Outro dos requisitos é que “não tenham sido condenados, com trânsito em julgado da sentença, pela prática de crime punível com pena de prisão de máximo igual ou superior a três anos (segundo a lei portuguesa) e que inscrevam o seu nascimento no registo civil português”.

Filhos de imigrantes dos PALOP beneficiados

A ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, disse que com o diploma procede-se também à simplificação dos processos de naturalização e aquisição de nacionalidade, nomeadamente ao presumir-se que quando o interessado seja natural e nacional de país que tenha o Português como Língua oficial há pelo menos 10 anos e resida em Portugal há pelo menos cinco anos tem conhecimento da Língua Portuguesa.

Assim, por exemplo, quem seja cidadão de um qualquer outro país de Língua oficial Portuguesa e tenha nascido em Portugal fica agora dispensado de comprovar o conhecimento do Português no processo de atribuição e aquisição de nacionalidade.

Outra simplificação resulta da dispensa de apresentação do certificado de registo criminal do país da naturalidade ou do país de nacionalidade quando o interessado não tenha neles residido em idade relevante para esse registo (ou seja, após os 16 anos).

São abrangidos por esta dispensa, por exemplo, todos os interessantes que, tendo nascido em Portugal, sempre aqui residiram, não tendo residido ou sequer viajado para o seu país de nacionalidade, e que por isso passam a estar dispensados de apresentar o certificado do registo criminal do seu país da nacionalidade.

Assim, os principais beneficiados destas medidas são os cidadãos “há muito residentes” em Portugal oriundos dos países africanos de Língua Portuguesa (PALOP), nomeadamente os filhos de imigrantes, conforme destaca ao Diário de Notícias fonte oficial da Secretaria de Estado das Comunidades.

De acordo com a mesma fonte, “dezenas de milhares” de pessoas ficam, deste modo, em condições de obter a nacionalidade portuguesa.

SEF analisará casos de potencial perigo ou ameaça

Quanto à necessidade, resultante das alterações à lei da nacionalidade efetuadas em 2015, de avaliar se o requerente pode constituir perigo ou ameaça para a segurança ou defesa nacional, por envolvimento em atividades relacionadas com o terrorismo, o diploma agora aprovado vem definir que compete ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e à Polícia Judiciária prestarem essa informação.

Francisca Van Dunem admitiu que as questões de nacionalidade “são muito complexas” e suscetíveis de gerarem “um ambiente de alguma dificuldade e compreensão”, não só no público em geral como também nos próprios serviços que tratam destas matérias.

Por isso – revelou – vai ser feita “uma informação tabelar”, que será um “instrumento de boas práticas para os serviços” e que estará disponível de modo a que todas as pessoas tenham o mesmo “nível de informação”, por forma a perceber o que é necessário e exigido.

Comprovar “laços de efectiva ligação” a Portugal

Por outro lado, ao definir os termos em que existe o requisito de “laços de efetiva ligação à comunidade nacional” para efeitos de aquisição de nacionalidade portuguesa, o governo diz pretender tornar este processo “mais célere e previsível para o requerente”.

Para comprovar a efetiva ligação à comunidade nacional, o requerente deve, entre outra documentação, comprovar a residência legal em território nacional, ter propriedade em seu nome há mais de três anos ou contratos de arrendamento celebrado há mais de três anos, relativos a imóveis sitos em Portugal, e comprovar a participação regular ao longo dos últimos cinco anos, à data do pedido, na vida cultural da comunidade portuguesa do país onde resida.

Servem para o efeito atividades que tenha desenvolvido em associações culturais e recreativas portuguesas dessas comunidades.

Poderá ainda, em certos casos, ter que fazer prova de residência ou ligação a uma comunidade histórica portuguesa no estrangeiro.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Sporting 3-1 Gil Vicente | “Pote” de ouro na recta final

Sofrimento e alívio. O Sporting esteve a perder em casa por 1-0 com o Gil Vicente até aos 82 minutos, mas deu a volta ao marcador num curto espaço de tempo, acabando por fixar o …

Descoberto na Austrália recife de coral mais alto do que o Empire State Building

Um novo recife "maciço" de 500 metros foi descoberto na Grande Barreira de Corais da Austrália, tornando-o mais alto do que alguns dos arranha-céus mais altos do mundo. Os cientistas encontraram o recife separado - o …

Encontrados restos de ossos e madeira em pregos que terão sido usados na crucificação de Jesus

Um geólogo israelita analisou pregos supostamente associados à crucificação de Jesus Cristo e descobriu que os objetos contêm traços de osso e madeira. Em 1990, durante a escavação em Jerusalém do túmulo de Caifás, o sumo …

Oreo construiu um "Cofre do Apocalipse" para proteger as suas famosas bolachas

Depois do Svalbard Global Seed Vault, que guarda mais de um milhão de amostras de sementes num bunker, e o Arctic World Archive, que preserva os dados do mundo de hoje, a Oreo criou um "Cofre do …

"O Palmeiras sabe quem é o Abel?" - as dúvidas no Brasil, parte II

Abel Ferreira deverá ser confirmado como novo treinador do Palmeiras nesta sexta-feira. No Brasil voltam a surgir questões sobre as contratações de técnicos estrangeiros. Lembra-se de Marco de Vargas, o jornalista da FOX Brasil que não …

Guru de seita de escravas sexuais condenado a 120 anos de prisão

O guru de uma seita de escravas sexuais, conhecida como NXIVM, foi condenado a 120 anos de prisão. Foi considerado culpado de obrigar mulheres a fazer sexo com ele. Keith Raniere, guru da seita de escravas …

Jogadores do Atlético de Madrid "apanhados" a falar sobre João Félix

Saúl e Oblak elogiaram o jovem português, durante o intervalo da receção ao Salzburgo. Tom diferente teve uma conversa entre jogadores do Real Madrid. João Félix voltou às grandes noites nas competições europeias. Depois de já …

Creches "verdes" na Finlândia mudaram o sistema imunitário das crianças

Um pequeno experimento mostra que brincar numa "pequena floresta" durante apenas um mês pode ser o suficiente para mudar o sistema imunitário de uma criança. De acordo com o site Science Alert, várias creches na Finlândia …

Museus holandeses apertam a segurança após assaltos a objetos nazis

Uniformes da SS, armas de fogo e paraquedas estão entre os objetos nazis que estão a ser roubados de museus de guerra holandeses. De acordo com o jornal The Guardian, museus de guerra por todos os …

Beber chá e falar sobre o fim da vida. Nem a pandemia acabou com os Cafés da Morte

Os Cafés da Morte são locais especialmente criados para beber chá, comer bolos e falar sobre o fim da vida. Porém, com a pandemia e a morte a ocupar os pensamentos de todos, será que …