“Não tenho o apoio de Assunção Cristas”, diz João Almeida

O candidato à liderança do CDS-PP defende que o partido deve, no imediato, fortalecer-se e depois participar numa “plataforma à direita” de alternativa ao PS, com o PSD, mas sem o Chega.

“A alternativa à governação socialista deve ser promovida através de uma plataforma à direita que reúna várias forças, designadamente as tradicionais que governaram a última vez antes do PS governar, que é o PSD e o CDS”, disse, numa entrevista à agência Lusa, João Almeida, um dos cinco candidatos à liderança do partido.

No caso de a direita ter maioria parlamentar em eleições legislativas, o PSD é o parceiro natural do CDS, defende, e pensar em incluir novos partidos, como o Chega, é “questão que não se coloca”.

“Temos um parceiro tradicional com o qual já governámos, com o qual tivemos maiorias absolutas para governar, que é o PSD. E, portanto, é aí que nós temos de estabelecer as nossas pontes, estabelecer o nosso diálogo e só mais tarde é que se poderá ver se eventualmente faz sentido alargar essa plataforma ou não”, afirmou ainda.

E João Almeida recusa ser ele a “antecipar qualquer alargamento de uma plataforma eleitoral até porque, antes disso”, é preciso “fortalecer a posição do CDS”, seria errado taticamente “fragilizar a posição” e “admitir acordos com quem representa [no Parlamento] muito menos que o CDS”.

“O caminho normal é o CDS fortalecer-se, fazer o seu trabalho interno e externo para recuperar a representatividade que tinha”, acrescentou. Mas o Chega não é, para o ex-secretário de Estado, uma “pedra no sapato” para os centristas.

“Mal era. Não faz sentido focar nos novos partidos aquilo que foi o resultado eleitoral do CDS, porque o CDS perdeu muito mais votos para a abstenção e para outros partidos do que propriamente para os dois que apareceram à direita”, disse João Almeida, notando que o partido “perdeu 13 deputados”, quando “o Chega e a Iniciativa Liberal juntos têm dois”.

Assumindo o papel do CDS como partido da oposição, o candidato a líder do CDS delimita um eventual diálogo com o PS a algumas áreas, mas restritas. “Não vejo espaço para grandes convergências em matérias estruturais, mas não tenho nenhuma objeção a conversar com o PS em questões [pontuais] em que as posições do CDS possam fazer o seu caminho” e a opção do PS seja “mais próxima do CDS”, admitiu.

Numa entrevista ao Observador, o candidato à liderança centrista afirmou ainda que não conta com o apoio da atual líder, Assunção Cristas, e que também não aceita o rótulo de ser o “candidato da continuidade”.

“Para [os outros candidatos] terem tanto esforço a apontar isso é porque não sou e querem muito que seja”, argumentou numa mini-entrevista ao jornal digital. “Do ponto de vista do estilo, sou da continuidade de mim mesmo, que já demonstrei em muitas propostas. O meu estilo sempre foi o meu estilo, não é o de mais ninguém”.

Sobre as questões ligadas ao aborto ou ao casamento homossexual, João Almeida não vê razões para mexer nessas leis. “Havendo produção de efeitos jurídicos da solução que foi consagrada, não podemos andar a mudar a lei e a brincar com a vida das pessoas a toda hora”.

Os candidatos à liderança do CDS são Abel Matos Santos, João Almeida, Filipe Lobo d’Ávila, Francisco Rodrigues dos Santos e Carlos Meira.

O 28.º Congresso nacional, marcado para 25 e 26 de janeiro em Aveiro, vai eleger o sucessor de Assunção Cristas na liderança dos centristas, que decidiu deixar o cargo na sequência dos maus resultados nas Legislativas de outubro de 2019 (4,2% e cinco deputados).

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Apareceu um terceiro monólito metálico. Agora, foi numa montanha da Califórnia

Um monólito metálico, semelhante aos encontrados há pouco tempo no deserto de Utah, nos Estados Unidos, e na cidade romena de Piatra Neamt, surgiu agora no estado norte-americano da Califórnia. A estrutura foi encontra na …

AEK 2 - 4 Braga | “Guerreiros” saqueiam Atenas e apuram-se

O SC de Braga garantiu esta quinta-feira o apuramento para os 16 avos-de-final da Liga Europa. Os minhotos foram à Grécia bater o AEK por 4-2, graças a uma exibição personalizada, num jogo em que …

Ciclone mortal deixou uma praia da Índia coberta de ouro

Centenas de pescadores, mulheres e crianças no distrito de East Godavari, no estado de Andhra Pradesh, no sul da Índia, passaram o fim de semana a vasculhar a praia local em busca de ouro. Após o …

O Flamengo de Jorge Jesus foi "um mero acidente de percurso"

2019 foi uma exceção para a equipa brasileira que, depois de ter vencido (quase) tudo, neste ano já foi afastado da Taça do Brasil e da Libertadores: "O português foi embora e com ele toda …

Concorrência condena MEO a pagar 84 milhões por combinar preços com a NOWO

A Autoridade da Concorrência (AdC) aplicou uma coima de 84 milhões de euros à MEO por combinar preços e repartir mercados com a operadora NOWO nos serviços de comunicações móveis e fixas. “A Autoridade da Concorrência …

PEV quer reverter privatização dos CTT. PS admite todos os cenários

O Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) defendeu hoje, no parlamento, a “reversão da nacionalização” dos CTT, e ouviu o PS admitir “todos os cenários”. Numa declaração política no parlamento, o deputado José Luís Ferreira afirmou que, …

Voltar à normalidade "não está longe, mas não é já", avisa Pfizer

O administrador executivo da Pfizer, Albert Bourla, apelou na quarta-feira para que os governos de todo o mundo não reabram as suas economias demasiado depressa devido ao otimismo gerado pelas vacinas de covid-19. Bourla, de 59 …

Biden quer retomar acordo nuclear com o Irão, embora reconheça que será "difícil"

O vencedor das eleições presidenciais norte-americanas, Joe Biden, pretende retomar o acordo nuclear com Irão antes mesmo de novas negociações, assumiu o democrata numa entrevista ao New York Times. Joe Biden afirmou, durante a campanha eleitoral, …

Processo de reprivaticação da Efacec atrasado devido à discussão do OE2021

Apesar de as avaliações no âmbito do processo de nacionalização e futura reprivatização da Efacec já estarem concluídas, o processo esteve condicionado pela discussão do Orçamento de Estado para 2021 (OE2021). De acordo com o Jornal …

Costa sobre vacinação: “Há uma luz ao fundo do túnel, mas o túnel é muito comprido e penoso”

O primeiro-ministro, António Costa, advertiu esta quinta-feira que o processo de vacinação terá imponderabilidades externas a Portugal, sendo também complexo ao nível interno, com as dificuldades a aumentarem quanto maior for o universo de cidadãos …