“Não é altura para pessimismo, mas sim para o otimismo”, afirma Trump em Davos

Michael Reynolds / EPA

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, apelou esta terça-feira em Davos, na Suíça, ao otimismo contra os profetas do apocalipse e exultou os outros países a seguirem o “modelo americano” que a sua Presidência inaugurou, rejeitando as propostas dos “radicais socialistas” .

“Não é altura para pessimismo, mas sim para o otimismo”, referiu Trump, convidado de Klaus Schwab, o fundador do Fórum Económico Mundial, para abrir a 50.ª reunião anual do evento. O Presidente norte-americano chegou a Davos no Marine One, o helicóptero presidencial, depois de ter faltado ao evento do ano passado, revelou o Expresso.

Schwab a apoiou essa “injeção de otimismo”, num encontro cujos temas focam-se nas soluções para “evitar o apocalipse climático”, no impacto da economia digital no futuro do trabalho e do emprego, nos sistemas de saúde e no consumo, todos na perspetiva da sustentabilidade ambiental.

Contudo, como referiu a TSF, o fundador defendeu que o mundo enfrenta uma situação de emergência, considerando que o tempo esta a esgotar-se. “Não queremos ter de enfrentar a continua desintegração da politica e economia. Não queremos chegar ao ponto de não retorno quanto as alterações climáticas”, sublinhou.

Para a Presidente da Suíça, Simonetta Summaruga, estamos a correr contra o tempo. “O mundo está a arder. Vemos a floresta ser destruída na Amazónia e os incêndios na Austrália, as consequências para os humanos e para a natureza são desastrosas”.

A intervenção do chefe de Estado norte-americano, continuou o Expresso, ocorreu horas depois da ativista Greta Thunberg ter afirmado que “basicamente não se fez nada” quanto à emergência climática desde que esta pisou o palco do evento no ano passado.

Trump elogiou a economia norte-americana dos últimos três anos e incitou os outros países a seguirem o “modelo de comércio internacional para o século XXI, baseado na reciprocidade”, que o próprio potenciou ao rever os acordos anteriores com o Canadá, o México e o Japão e conseguindo uma primeira fase de um acordo comercial com a China.

Ainda segundo o Presidente dos EUA, um acordo comercial com a Coreia do Sul está em fase final. O governante espera conseguir ainda “um grande acordo com o Reino Unido, dirigido pelo maravilhoso primeiro-ministro” depois do Brexit, já este final de mês.

O governante apelidar de profetas da desgraça todos os que falam de emergência climática, dando exemplos de alertas anteriores: “Nos anos 60 previram um problema de população a mais. Nos anos 70 falaram de fome e na década de 90 íamos assistir ao fim do petróleo. Estes alarmistas querem sempre o mesmo poder absoluto para dominarem, transformar e controlar cada aspeto da nossa vida”.

O Presidente norte-americano afirmou igualmente que com as políticas que segue, os EUA têm o ar e a água potável mais puros do mundo, prometendo não deixar que os “socialistas radicais” destruam o país ou erradiquem a liberdade por causa do ambiente.

O discurso de Trump acontece no mesmo dia em que o Senado em Washington inicia formalmente o julgamento do seu ‘impeachment’, com os democratas a procurarem novas testemunhas para acusá-lo e os republicanos a tentarem um processo rápido, sem sequelas políticas, noticiou a agência Lusa.

O julgamento teve uma fase inicial na semana passada, com o juramento do presidente do Supremo Tribunal de Justiça, John Roberts, que conduzirá os trabalhos, mas inicia-se esta terça-feira a sua fase formal, onde os senadores atuarão como juízes.

Trump é acusado de ter pressionado o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, a investigar a atividade do filho do seu adversário político Joe Biden junto de uma empresa ucraniana envolvida num caso de corrupção, num gesto que a Câmara de Representantes diz constituir um ato de abuso de poder, bem como de ter tentado obstruir a averiguação destes factos por parte do Congresso.

Os republicanos, com maioria no Senado, já anunciaram que tudo farão para rejeitar os argumentos que a oposição a Trump inscreveu em dois artigos para a destituição.

O Presidente tem repetido que o processo é uma “caça às bruxas” com o objetivo de fragilizar politicamente a sua campanha de reeleição nas eleições presidenciais de novembro, pelo que pediu aos republicanos para procurarem que o julgamento decorra o mais depressa possível, para não causar danos na sua estratégia de campanha.

usembassykyiv / Flickr

Volodymyr Zelensky, o Presidente da Ucrânia

O primeiro artigo acusa Trump de abuso de poder, considerando que, “usando os seus poderes, o Presidente solicitou a interferência de um governo estrangeiro, a Ucrânia, nas eleições presidenciais de 2020”, referindo-se ao pedido para que o Presidente Volodymyr Zelensky investigasse a atividade da família Biden junto da empresa ucraniana.

O segundo artigo acusa-o de obstrução ao Congresso, considerando que “sem motivo ou desculpa legal, o Presidente ordenou que agências, departamentos e funcionários do braço executivo não cumprissem as requisições do Congresso”, referindo-se ao impedimento de depoimentos de testemunhas e entrega de documentos relevantes para o processo.

“Dessa forma, ele interpôs os poderes da Presidência contra intimações legais da Câmara dos Deputados e assumiu para si funções e julgamentos necessários para o exercício do ‘poder exclusivo de acusação’ concedido pela Constituição à Câmara de Representantes”, diz o texto da acusação.

Estes artigos foram aprovados pela Câmara de Representantes, em 18 de dezembro, mas Trump e os republicanos consideram que não têm sustentação legal para o destituir.

Para representarem a acusação no julgamento político, os Democratas escolheram Adam Schiff, presidente do Comité de Inteligência, e Jerry Nadler, presidente do Comité Judiciário, os dois organismos da Câmara de Representantes que conduziram o inquérito para destituição na sua fase inicial.

Acompanham-nos outros cinco deputados: Zoe Lofgren, da Califórnia, Hakeem Jeffries, de Nova Iorque, Val Demings, da Florida, Jason Crow, do Colorado, e Sylvia Garcia, do Texas.

O líder da bancada republicana no Senado, Mitch McConnell, tem tentado evitar que sejam ouvidas novas testemunhas, mas os democratas estão a reunir apoios para conseguir que figuras como o ex-conselheiro de segurança nacional John Bolton ou o chefe de gabinete da Casa Branca, Mick Mulvaney, prestem depoimento.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. “…o fundador defendeu que o mundo enfrenta uma situação de emergência, considerando que o tempo esta a esgotar-se. “Não queremos ter de enfrentar a continua desintegração da politica e economia. Não queremos chegar ao ponto de não retorno quanto as alterações climáticas”, sublinhou.”
    Penso que quereriam escrever que não apoiou em “…Schwab a apoiou essa “injeção de otimismo”

RESPONDER

Equipa de campanha de Trump processa The New York Times por difamação

A equipa de campanha de Donald Trump processou o The New York Times. Em causa está um artigo publicado em março do ano passado. A equipa de campanha de Donald Trump alega que o jornal publicou, …

Enfermeiros que deixem de ser chefes regressam ao início da carreira

Há enfermeiros que regressaram ao início de carreira depois de terem abandonado as suas funções de chefia, revela o jornal Público. Tal como escreve o matutino, que avança a notícia esta quinta-feira, para que estes …

"Ronaldo foi abandonado pela equipa". Imprensa italiana arrasa Juve e elogia CR7

O Lyon tirou partido do fator casa e surpreendeu a octocampeã italiana, Juventus, em França, e ganhou esta quarta-feira uma vantagem importante - embora ténue - na eliminatória com os bianconeri para a Liga dos …

Costa desaconselha viagens de finalistas. Associação de pais diz que "não vale o risco"

O primeiro-ministro, António Costa, admitiu esta quinta-feira que Portugal acabará por ter casos de coronavírus "mais cedo ou mais tarde". No entender líder do Executivo, que falava aos jornalistas em Bragança à margem da primeira …

Esquerda está contra, PSD não dá a mão. Montijo está em risco (mas "não há drama")

O ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, vai respeitar a decisão da maioria do Parlamento. "Acataremos, não há drama". Esta quarta-feira, Pedro Nuno Santos respondeu às críticas da esquerda acerca da vontade do Governo …

Reino Unido admite abandonar negociações com a União Europeia

O Governo britânico admite abandonar as negociações com a União Europeia (UE) para um acordo pós-Brexit se não houver progressos até junho, refere um documento publicado esta quinta-feira com a posição do Reino Unido. Num documento …

Bancos avisam: Proibir comissões vai levar a fecho de balcões e despedimentos

A Associação Portuguesa de Bancos (APB) é contra a proibição de comissões bancárias ou a sua limitação em valor e em número, no MB Way e nos contratos de crédito. As propostas vão ser discutidas …

Juiz Vaz das Neves usou Relação de Lisboa para ganhar 280 mil euros com julgamento privado

O juiz Luís Vaz das Neves, ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, usou o salão nobre do tribunal para um julgamento privado com o qual ganhou 280 mil euros. De acordo com o jornal Público, …

Sergio Ramos é rei e senhor dos cartões vermelhos. Domina em todas as provas

O central Sergio Ramos foi esta quarta-feira expulso pela 26.ª vez na derrota do Real Madrid no Bernabéu frente ao Manchester City (2-1), na primeira-mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões. O futebolista espanhol …

Covid-19. Há oito novos casos suspeitos em Portugal (e vieram todos de Itália)

A Direção-Geral da Saúde confirmou 25 casos suspeitos, 18 dos quais tiveram resultados negativos depois de realizados testes laboratoriais. Nas últimas 24 horas, foram registados oito novos casos suspeitos. Dos novos casos suspeitos, cinco no Hospital …