“Não existem ruturas”. Joacine nega divergências e é escoltada por GNR no Parlamento

“Estou no partido de livre e espontânea vontade. Se estou neste partido é porque me identifico com as ideias e princípios fundadores”, garantiu a deputada ao Público, negando que haja qualquer divergência programática entre si e outros membros da direção do Livre.

E afirmou: “O caráter europeísta e ecologista são algo no qual me espelho e reconheço. Embora considere que a União Europeia (UE) precisa de uma reviravolta e de recuperar valores, enquadro as minhas críticas à UE estando na UE e não afastando-nos”.

Em entrevista ao Público, divulgada esta quarta-feira, a deputada indicou que a recusa de ser partidária de uma ação política de inspiração identitária não a impede de defender que, “em algumas matérias, era necessário o Livre dar mais ênfase e ter um maior envolvimento com movimentos sociais feministas e anti-racistas”. “É esse o meu contributo”, sublinhando que não existem ruturas.

“Identifico-me com o partido e o partido identifica-se comigo, se não não teria sido eleita pelo partido para ser segunda candidata nas europeias e cabeça de lista nas legislativas”, referiu igualmente.

A deputada afirmou que o Livre “tem uma nova forma de fazer política” que passa por “uma organização totalmente democrática e colegial”, negando qualquer possibilidade de a discussão pública sobre o voto à proposta do PCP – Joacine absteve-se no voto contra as agressões israelitas na Faixa de Gaza – ser uma forma de projetar a sua candidatura em lista própria à direção do Livre.

Manuel de Almeida / Lusa

António Costa reunido com Joacine Katar Moreira e Rui Tavares

“Nunca manifestei essa intenção. Esse não é, de maneira nenhuma, o meu objetivo”, disse, assumindo que pretende “estar completamente dedicada ao trabalho parlamentar”, desvalorizando o que se passou e reconhecendo que “as polémicas existiam antes” da sua eleição e “vão continuar a legislatura inteira”.

Estas declarações surgem depois de um momento inicial em que Joacine acusou a direção do partido de falta de apoio. “Fui eu que ganhei as eleições, sozinha, e a direção quer ensinar-me a ser política”, afirmou.

O líder-fundador do Livre, Rui Tavares declarou no domingo, à entrada da reunião do órgão de direção, que “o que as pessoas querem ver é o Livre voltar a essa trilha”.

Carlos Teixeira, o membro do Grupo de Contacto e número dois na lista de Lisboa às legislativas, garantiu ao Público que “o Livre não mudou”. “O Livre não é nem pode ser visto através do reflexo único das palavras de um ou dois dos seus membros”, lembrando que assim como “quando Rui Tavares falava, dava destaque a algumas propostas do partido, mas não a todas, com a deputada Joacine acontece o mesmo”. “As suas declarações não resumem um programa que é muito abrangente”.

Já o ex-dirigente do Livre Ricardo Caio Alves assumiu ao Público que “esta polémica era previsível”, já que “o processo pelo qual Joacine chegou a cabeça de lista mostrou alinhamentos internos e facilidade em mudar e rumo”. “No início do Livre não havia um discurso tão centrado nas questões de género e nas questões raciais”, agora, o partido “deixou de falar de ecologia e das questões europeias”, frisou ainda.

Joacine escoltada por GNR

Ao longo de terça-feira, Joacine manteve-se incontactável. Segundo noticiou o Observador, a deputada não fez qualquer comentário sobre não ter cumprido o prazo de entrega do projeto de alteração à Lei da Nacionalidade, uma das bandeiras do partido durante a campanha. Também não comentou o facto de ter tentado submeter o mesmo à discussão junto da mesa da Assembleia da República (AR), algo que foi negado pelos outros partidos.

No fim do dia, confrontada por jornalistas da SIC e da RTP, nos corredores do Parlamento, também não respondeu a perguntas. Seguia acompanhada pelo seu assessor, Rafael Esteves Martins, e escoltada por um segurança, que tentou afastar os jornalistas.

https://twitter.com/Salsaparrilha4/status/1199474083026616321?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1199474083026616321&ref_url=https%3A%2F%2Fobservador.pt%2F2019%2F11%2F27%2Fjoacine-escoltada-por-seguranca-no-interior-do-parlamento%2F

De acordo com o Observador, tanto os jornalistas da SIC como da RTP referiram que o gabinete de Joacine chamou a segurança para afastar os jornalistas da deputada e para a escoltar até ao exterior da AR.

Rafael Esteves Martins garantiu, através do Twitter, que não se trata de um “segurança” mas do guarda da GNR que à altura estaria “a olhar” pelo Salão Nobre da AR. Questionado na publicação sobre por que motivos necessitaria Joacine de tal companhia no interior do Parlamento, o assessor não respondeu.

Esta quarta-feira, pediu que se “largue o osso” na polémica, justificando o pedido de segurança pelo facto de “ontem um jornalista entrou-nos pelo gabinete. Foi isso”.

Criticou ainda o trabalho jornalístico feito sobre o tema, sublinhando que o problema não está nos jornalistas mas em “quem lhes paga (bem como sobre os que pagam a quem àqueles paga). O trabalho jornalístico é precário, mal pago, sujeito a desordens mentais”, disse, numa publicação sobre a “mercantilização da informação”.

Deputada quebrou ‘blackout’ decretado pelo Livre

As declarações prestadas na terça-feira pela deputada ao Notícias ao Minuto constituem uma quebra do ‘backout’ decidido por unanimidade na última Assembleia Geral do Livre e aumentaram o clima de tensão no partido, escreveu o Expresso.

A Assembleia Geral decidiu, no domingo, embargar totalmente as notícias sobre a polémica em torno da deputada até que seja tomada uma decisão pelo Conselho de Jurisdição do partido. “Não prestamos quaisquer declarações”, disseram ao Expresso o Gabinete de Joacine e uma fonte da direção do Livre.

Na manhã de terça-feira, porém, a deputada acusou os responsáveis do seu partido de “absoluta falta de camaradagem” e de promoverem “um autêntico golpe” contra ela, violando o embargo decidido pela direção. No final da reunião de domingo foi acordado por todos “não falar à comunicação social”.

Em causa está a abstenção da deputada do Livre num voto contra as agressões israelitas na Faixa de Gaza. A direção partidária pediu explicações a Jociane e, apesar de manter confiança na sua política, admitiu “preocupação” quanto a um eventual desvio da linha política traçada.

“Isto trata-se de um autêntico golpe e a minha resposta é esta: não sou descartável e exijo respeito”, disse a deputada ao Notícias ao Minuto.

  ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Já agora arranjem-lhe um pó-pó blindado e com direito a escolta, mais outra guarda à porta de casa; partilho da opinião do atento, ignorar por completo tal senhora e partido por parte da C.S., eu sempre tenho dito que esta senhora irá tornar-se no bombo da festa.

RESPONDER

Cientistas estão a plantar mesas de xadrez de corais para restaurar recifes - e contam com a ajuda de garrafas de Coca-Cola

Nas últimas três décadas, os recifes de coral têm sofrido uma grande tensão e consequente destruição, devido ao impacto das alterações climáticas. Agora, os cientistas querem minimizar os danos e já encontraram uma solução. O objetivo …

Belenenses 0-4 Sporting | Melhor o resultado que a lesão

O Sporting, da I Liga, venceu hoje o Belenenses, do Campeonato de Portugal, por 4-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, garantindo o apuramento para a próxima fase da competição. No …

Sintrense 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto, da I Liga, venceu hoje o Sintrense, do Campeonato de Portugal, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, e segue em frente na competição. A jogar em …

Nova tecnologia usa calor dos estacionamentos subterrâneos para aquecer apartamentos

A startup Enerdrape, que funciona dentro da Escola Politécnica de Lausanne (EPFL), na Suíça, desenvolveu uma tecnologia que aproveita o calor emanado pelo solo no aquecimento de apartamentos. Quase 60% do aquecimento utilizado nos edifícios residenciais …

Pela primeira vez, um drone transportou os pulmões de um dador em segurança. Voo demorou seis minutos

Pela primeira vez na história da medicina, um drone aéreo transportou os pulmões de um dador com rapidez e segurança entre dois hospitais. O voo, que durou apenas seis minutos, ocorreu no passado dia 25 de …

Grupo de hackers clonou a voz de empresário para roubar 35 milhões de dólares do banco

Um grupo de hackers clonou a voz do diretor de uma empresa, conseguindo assim roubar mais de 35 milhões de dólares de um banco nos Emirados Árabes Unidos. No início do ano passado, o gerente de …

Portugueses comem duas vezes mais do que o recomendando

Os portugueses consumiram, em média, duas vezes mais calorias do que o recomendando para um adulto entre 2016 e 2020, ano em que a pandemia provocou uma redução do consumo de alimentos diário, mas ainda …

Aos 95 anos, a rainha Isabel II terá de abdicar da sua bebida favorita

A monarca foi aconselhada pelos médicos a abdicar do seu habitual martini de fim de dia, em antecipação a uma fase de agenda especialmente preenchida. Com 95 anos, a rainha Isabel II tem tido uma semana …

Médicos vão avaliar estado mental do atacante da Noruega

A investigação ao ataque com arco e flecha que na quarta-feira fez cinco mortos na Noruega reforçou, até agora, a tese de um ato devido a doença, anunciou hoje a polícia norueguesa. “A hipótese que foi …

Há mais de 100 anos, o Hawai teve uma monarquia - mas a força da princesa Ka'iulani não chegou para a preservar

Antes de morrer, com apenas 23 anos, a princesa Victoria Ka'iulani foi a última herdeira da coroa havaiana. A jovem era uma das últimas esperanças em manter a monarquia viva, mas nem a sua determinação …