“Não existem ruturas”. Joacine nega divergências e é escoltada por GNR no Parlamento

“Estou no partido de livre e espontânea vontade. Se estou neste partido é porque me identifico com as ideias e princípios fundadores”, garantiu a deputada ao Público, negando que haja qualquer divergência programática entre si e outros membros da direção do Livre.

E afirmou: “O caráter europeísta e ecologista são algo no qual me espelho e reconheço. Embora considere que a União Europeia (UE) precisa de uma reviravolta e de recuperar valores, enquadro as minhas críticas à UE estando na UE e não afastando-nos”.

Em entrevista ao Público, divulgada esta quarta-feira, a deputada indicou que a recusa de ser partidária de uma ação política de inspiração identitária não a impede de defender que, “em algumas matérias, era necessário o Livre dar mais ênfase e ter um maior envolvimento com movimentos sociais feministas e anti-racistas”. “É esse o meu contributo”, sublinhando que não existem ruturas.

“Identifico-me com o partido e o partido identifica-se comigo, se não não teria sido eleita pelo partido para ser segunda candidata nas europeias e cabeça de lista nas legislativas”, referiu igualmente.

A deputada afirmou que o Livre “tem uma nova forma de fazer política” que passa por “uma organização totalmente democrática e colegial”, negando qualquer possibilidade de a discussão pública sobre o voto à proposta do PCP – Joacine absteve-se no voto contra as agressões israelitas na Faixa de Gaza – ser uma forma de projetar a sua candidatura em lista própria à direção do Livre.

Manuel de Almeida / Lusa

António Costa reunido com Joacine Katar Moreira e Rui Tavares

“Nunca manifestei essa intenção. Esse não é, de maneira nenhuma, o meu objetivo”, disse, assumindo que pretende “estar completamente dedicada ao trabalho parlamentar”, desvalorizando o que se passou e reconhecendo que “as polémicas existiam antes” da sua eleição e “vão continuar a legislatura inteira”.

Estas declarações surgem depois de um momento inicial em que Joacine acusou a direção do partido de falta de apoio. “Fui eu que ganhei as eleições, sozinha, e a direção quer ensinar-me a ser política”, afirmou.

O líder-fundador do Livre, Rui Tavares declarou no domingo, à entrada da reunião do órgão de direção, que “o que as pessoas querem ver é o Livre voltar a essa trilha”.

Carlos Teixeira, o membro do Grupo de Contacto e número dois na lista de Lisboa às legislativas, garantiu ao Público que “o Livre não mudou”. “O Livre não é nem pode ser visto através do reflexo único das palavras de um ou dois dos seus membros”, lembrando que assim como “quando Rui Tavares falava, dava destaque a algumas propostas do partido, mas não a todas, com a deputada Joacine acontece o mesmo”. “As suas declarações não resumem um programa que é muito abrangente”.

Já o ex-dirigente do Livre Ricardo Caio Alves assumiu ao Público que “esta polémica era previsível”, já que “o processo pelo qual Joacine chegou a cabeça de lista mostrou alinhamentos internos e facilidade em mudar e rumo”. “No início do Livre não havia um discurso tão centrado nas questões de género e nas questões raciais”, agora, o partido “deixou de falar de ecologia e das questões europeias”, frisou ainda.

Joacine escoltada por GNR

Ao longo de terça-feira, Joacine manteve-se incontactável. Segundo noticiou o Observador, a deputada não fez qualquer comentário sobre não ter cumprido o prazo de entrega do projeto de alteração à Lei da Nacionalidade, uma das bandeiras do partido durante a campanha. Também não comentou o facto de ter tentado submeter o mesmo à discussão junto da mesa da Assembleia da República (AR), algo que foi negado pelos outros partidos.

No fim do dia, confrontada por jornalistas da SIC e da RTP, nos corredores do Parlamento, também não respondeu a perguntas. Seguia acompanhada pelo seu assessor, Rafael Esteves Martins, e escoltada por um segurança, que tentou afastar os jornalistas.

https://twitter.com/Salsaparrilha4/status/1199474083026616321?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1199474083026616321&ref_url=https%3A%2F%2Fobservador.pt%2F2019%2F11%2F27%2Fjoacine-escoltada-por-seguranca-no-interior-do-parlamento%2F

De acordo com o Observador, tanto os jornalistas da SIC como da RTP referiram que o gabinete de Joacine chamou a segurança para afastar os jornalistas da deputada e para a escoltar até ao exterior da AR.

Rafael Esteves Martins garantiu, através do Twitter, que não se trata de um “segurança” mas do guarda da GNR que à altura estaria “a olhar” pelo Salão Nobre da AR. Questionado na publicação sobre por que motivos necessitaria Joacine de tal companhia no interior do Parlamento, o assessor não respondeu.

Esta quarta-feira, pediu que se “largue o osso” na polémica, justificando o pedido de segurança pelo facto de “ontem um jornalista entrou-nos pelo gabinete. Foi isso”.

Criticou ainda o trabalho jornalístico feito sobre o tema, sublinhando que o problema não está nos jornalistas mas em “quem lhes paga (bem como sobre os que pagam a quem àqueles paga). O trabalho jornalístico é precário, mal pago, sujeito a desordens mentais”, disse, numa publicação sobre a “mercantilização da informação”.

Deputada quebrou ‘blackout’ decretado pelo Livre

As declarações prestadas na terça-feira pela deputada ao Notícias ao Minuto constituem uma quebra do ‘backout’ decidido por unanimidade na última Assembleia Geral do Livre e aumentaram o clima de tensão no partido, escreveu o Expresso.

A Assembleia Geral decidiu, no domingo, embargar totalmente as notícias sobre a polémica em torno da deputada até que seja tomada uma decisão pelo Conselho de Jurisdição do partido. “Não prestamos quaisquer declarações”, disseram ao Expresso o Gabinete de Joacine e uma fonte da direção do Livre.

Na manhã de terça-feira, porém, a deputada acusou os responsáveis do seu partido de “absoluta falta de camaradagem” e de promoverem “um autêntico golpe” contra ela, violando o embargo decidido pela direção. No final da reunião de domingo foi acordado por todos “não falar à comunicação social”.

Em causa está a abstenção da deputada do Livre num voto contra as agressões israelitas na Faixa de Gaza. A direção partidária pediu explicações a Jociane e, apesar de manter confiança na sua política, admitiu “preocupação” quanto a um eventual desvio da linha política traçada.

“Isto trata-se de um autêntico golpe e a minha resposta é esta: não sou descartável e exijo respeito”, disse a deputada ao Notícias ao Minuto.

ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Já agora arranjem-lhe um pó-pó blindado e com direito a escolta, mais outra guarda à porta de casa; partilho da opinião do atento, ignorar por completo tal senhora e partido por parte da C.S., eu sempre tenho dito que esta senhora irá tornar-se no bombo da festa.

RESPONDER

Dezenas de mulheres abusadas por funcionários da OMS na República Democrática do Congo

Dezenas de mulheres e meninas foram abusadas sexualmente por voluntários da Organização Mundial de Saúde (OMS) destacados para enfrentar o Ébola na República Democrática do Congo (RDC), entre 2018 e 2020, concluiu um inquérito independente …

Evolução de parasita está a tornar mais difícil detetar e tratar a malária

Uma mutação do parasita que causa a malária está a "camuflar" as proteínas que são identificadas nos testes rápidos, tornando mais difícil detetar e tratar a doença. De forma semelhante aos testes à covid-19, baratos e …

Banguecoque em alerta. Mais de 70.000 casas inundadas na Tailândia

As autoridades tailandesas têm feito esforços para proteger partes de Banguecoque das cheias, que já inundaram 70.000 casas e mataram seis pessoas nas províncias no norte e centro do país. A tempestade tropical Dianmu causou cheias …

Exilados sírios obrigados a pagar taxas para evitar o alistamento obrigatório

No início deste ano, Yousef, um sírio de 32 anos que vive na Suécia, teve que pagar as taxas que lhe isentavam da obrigatoriedade de se alistar no exército da Síria, caso contrário a família …

Portugal tem cerca de 8.200 pessoas em situação de sem-abrigo, mais de metade em Lisboa

Estima-se que, em 2020, cerca de 485 pessoas tenham abandonado esta condição, o que representa uma descida de 39% face a 2019. Portugal terá cerca de 8.200 pessoas em situação de sem-abrigo, segundo os resultados de …

Simone Biles: "Deveria ter desistido muito antes dos Jogos Olímpicos"

"Uma mulher preta tem que ser a melhor, as pessoas tentam menosprezar", lamentou a multi-campeã olímpica de ginástica. Simone Biles não conquistou qualquer medalha de ouro nos Jogos Olímpicos deste ano mas foi a atleta mais …

Mãe e filho de 2 anos morrem à porta do estádio. Jogo decorreu normalmente

Queda aconteceu pouco antes de começar um jogo da Major League Baseball, em San Diego. O desporto passou para segundo plano na tarde deste domingo, pouco antes de um jogo de beisebol, nos Estados Unidos da …

"Blá blá blá". Greta Thunberg acusa líderes mundiais de não cumprirem com as promessas climáticas

Ativista considera que os anúncios feitos pelos líderes mundiais não passam de bonitas intenções que, na prática, não se traduzem em ações com verdadeiro impacto na luta contra as alterações climáticas. Greta Thunberg acusou os líderes …

Mulher com síndrome de Down perde ação judicial contra a lei do aborto no Reino Unido

Na semana passada, uma mulher com síndrome de Down perdeu uma ação judicial contra o governo britânico por causa de uma lei que permite o aborto até ao fim da gestação de fetos que poderão …

Tribunal condena corticeira da Feira por despedir trabalhadora que denunciou assédio

A corticeira Fernando Couto foi condenada pelo Tribunal da Feira a pagar uma coima de cerca de 11 mil euros por ter despedido a operária Cristina Tavares, após esta ter denunciado ser vítima de assédio …