O namorado agrediu-a, mas o Estado francês considerou-a parcialmente culpada

JSM / APAV

Uma jovem francesa foi agredida pelo namorado e ficou paraplégica. Anos depois, ele foi condenado a 15 anos de prisão, mas o Estado francês diz que a jovem também teve culpa, e reduziu a pena ao agressor.

Aida (nome fictício) foi agredida pelo namorado no verão de 2013, tendo sido atirada pela janela do segundo andar. A jovem ficou paraplégica e, depois de julgado, o namorado foi condenado a 15 anos de prisão, em junho de 2016. A jovem teria direito a uma indemnização de 90 mil euros para fazer face às despesas médicas inerentes à sua condição física.

No entanto, apesar da decisão do tribunal, o organismo estatal francês que gere as indemnizações às vítimas, considerou que “há uma responsabilidade partilhada” e, como tal, Aida não tem direito à indemnização na íntegra.

Segundo a justificação do Fundo de Garantia para Vítimas, citada pelo Observador, a jovem foi “negligente e imprudente” ao ter regressado a casa na noite do crime, depois de a polícia já ter sido chamada na sequência de uma discussão acesa e ter sido aconselhada a sair dali.

Assim, como a jovem não respeitou o conselho da polícia, o fundo de indemnizações considera que é “em parte” culpada. Desta forma, em vez dos 90 mil, terá direito a apenas 65 mil euros de indemnização.

À France2, a jovem afirmou não entender por que lhe imputam responsabilidade. “É como seu eu tivesse contribuído, como se tivesse procurado ficar paraplégica para o resto da vida.”

O jornal Le Maine foi o primeiro a revelar a história, adiantando que o casal já tinha tido alguns episódios de violência doméstica mas nunca nenhum tinha terminado no hospital.

Naquele dia, a 24 de agosto de 2013, a jovem, com 25 anos na altura, foi aconselhada a sair de casa pela polícia. Apesra de ter dito que sim, os pais viviam a 50 quilómetros de distância, pelo que, sendo de noite e não havendo transportes públicos, teve de regressar a casa onde estava o namorado.

Aida tentou ligar para o 115 (urgências sociais) para arranjar um alojamento alternativo, mas não conseguiu.

Regressar a casa foi o erro de Aida, segundo o organismo estatal francês. À France2, a presidente do Fundo, Nathalie Faussat, defendeu a decisão. “Neste caso, ficou provado que a vítima não respeitou as regras de prudência que a polícia lhe tinha recomendado, não só para abandonar a casa como a cidade. A justiça considerou, por isso, que era motivo para reduzir a indemnização.”

Marlène Schiappa, atual secretária de Estado para a Igualdade, não tem a mesma opinião. No Twitter, a governante escrever que a situação era “profundamente chocante e incompreensível”.

“Considerar que uma mulher é responsável, mesmo que parcialmente, ou mesmo que apenas administrativamente, da violência que sofreu vai contra todo o trabalho que fazemos aqui para explicar que uma mulher nunca é responsável pela violência que lhe é imposta”, escreveu.

ZAP //

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

    • O Estado Francês, através da Polícia, avisou-a, recomendando-lhe prudência e que saísse da casa e da cidade. Mas…
      – Assegurou-lhe efectiva protecção?!
      – Proporcionou-lhe, perante o seu estado de fragilidade e a sua situação concreta de risco, um abrigo, um sítio aonde passar a noite em segurança?! ou sequer…
      – Providenciou-lhe um transporte para ser levada para casa da mãe, à noite, a 50 kms de distância?!…

      Enfim… que bem prega Frei Tomás!…

      • Não deram ajuda À vitima, e ainda acusam de ser parcialmente acusada do abuso?
        Enquanto continuarmos num ciclo de culpar vítimas de abuso/violência nunca vai parar.

      • Não haverá táxis na França?
        Não estou a dizer que ela é culpada, mas que foi negligente e imprudente ninguém pode negar!!

  1. É sempre assim… a vítima é que é sempre a culpada e o autor do crime o inocente. Com um jeito sai com bom comportamento para fazer novamente o mesmo…..

  2. O fim, ao culpabilizar a vítima, é sempre o dinheiro, o “coça para dentro”, por cá passa-se o mesmo.
    E é em todas as áreas, se puderem fugir a pagar não olham a meios.
    É o mundo que temos, e fomos nós que permitimos que assim fosse criado.

  3. Não haveria um abrigo disponibilizado pelas autoridades, não haveria um transporte, uma casa social?! Aposto que se fosse um refugiado tinha logo direito a um apartamento social e a um jantar num abrigo. Como se trata de um cidadão europeu que se safe…

  4. As vitimas sao frequentemente imprudentes e estão normalmente psicologicamente fragilizadas ou não eram vitimas .
    Talvez tenhas que passar por isso para desenvolver empatia .
    Posso ajudar se precisares Daniel .

  5. Alguém ainda está por me explicar a razão de ser de tanta dúvida. Uma pessoa que atira outra do segundo andar é 100% culpada do que lhe acontecer, até às últimas consequências. Se me disserem “não vás por aquela rua” e eu for, estou no meu pleno direito. ainda sou livre de escolher por onde ando. Já se um gajo me assaltar nessa rua, a justiça não vai dizer que eu tenho “parte” da culpa de eu ser assaltado. Eu tenho TODO o direito de andar naquela rua! As pessoas que me assaltam naquela rua é que de certeza não têm direito nenhum de o fazer.

    Ninguém, lá por estar em sua casa, tem o direito de atirar pessoas pela janela. Ora o que o Estado Francês e algumas pessoas aqui defendem, é que por ela ir para aquela casa contra osconselhos da polícia, é como se ela tivesse quebrado alguma lei, ou tivesse obrigado o gajo a atirá-la da janela. Este tipo de raciocínios cretinos só são possíveis na actual “Era da Estupidez”.

    Quem não percebe uma coisa tão simples, não tem cérebro. Conselhos, são conselhos… Uma pessoa está no seu direito e é 100% livre de os seguir ou não. O gajo é que de certeza que LEGALMENTE não passa a ter “um bocadinho mais de direito” de atirar pessoas pela janela, quando elas não seguem o conselho da polícia de se afastarem dele. Como tal, ele é tão 100% culpado pelo que fez, com ou sem conselhos da polícia ou da avó dela.

  6. Concordo plenamente com o Miguel Queiroz, devo ainda acrescentar que me surpreendeu ser a vítima original a em primeiro lugar ter de sair de uma casa que por via da relação que tinha com o agressor, também era sua ou de seu usufruto!por que razão não aconselhou a polícia o rapazinho a ir ter com quem lhe fez as orelhas?

RESPONDER

Texto recentemente traduzido revela segredos sobre "poderes sobrenaturais" dos samurais

Um texto samurai recentemente traduzido - designado "Doze Regras da Espada" - revela os segredos de uma escola onde ensinavam a combater espadas, que desenvolveu e dominou determinada técnica que parecia fornecer aos seus praticantes …

Jesus orientou primeiro treino no Flamengo, pediu compromisso e deu lição

O treinador português Jorge Jesus iniciou hoje a ‘aventura’ na equipa de futebol do Flamengo, pedindo aos jogadores “compromisso” em prol do conjunto do Rio de Janeiro, antes de orientar o primeiro treino dos ‘rubro-negros’. “O …

Maher e Safa deixaram sonhos para trás. Mas reencontraram a paz em Portugal

Os sonhos de Maher e de Safa ficaram adiados com a guerra na Síria, mas reencontraram a paz em Portugal, onde residem há dois anos ao abrigo de um programa de acolhimento de refugiados. É no …

São Francisco poderá ser a primeira cidade a proibir venda de cigarros eletrónicos

Se esta decisão for aprovada pela FDA, São Francisco vai tornar-se a primeira cidade a banir a venda de cigarros eletrónicos. De acordo com o Observador, a Câmara de Supervisores de São Francisco, nos EUA, aprovou uma …

Nunca houve tantos deslocados no mundo. São mais de 70 milhões

Um novo recorde foi quebrado no mundo em 2018, com 70,8 milhões de pessoas deslocadas das suas casas ou dos seus países, devido às guerras ou perseguições, anunciou esta quarta-feira as Nações Unidas. O relatório anual …

A monogamia foi inventada pelas mulheres (e o casamento, pelos homens)

A poligamia é natural no ser humano e a monogamia foi criada por imposição para a mulher, diz o investigador português Rui Diogo, que usa a ciência e a história para explicar a relação entre …

Morreu o DJ Zdar do duo electrónico Cassius. Caiu da janela de um prédio em Paris

O músico, produtor e DJ francês Philippe Cerboneschi, mais conhecido por Zdar, morreu aos 50 anos após ter caído da janela de um apartamento em Paris. O seu agente confirmou a "queda acidental" sem revelar …

PS quer o Estado a pagar licença sabática aos portugueses para voltarem a estudar

A criação de uma licença sabática para qualificar trabalhadores e um sistema de prémios e penalizações para combater a desigualdade salarial são medidas que o PS inclui no seu projecto de programa eleitoral. O director do …

Putin reconhece: as condições de vida dos russos pioraram nos últimos anos

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, admitiu esta quinta-feira que as condições de vida no país pioraram nos últimos anos, mas assegurou que as autoridades russas trabalham para reverter essa tendência, e enumerou os primeiros …

Marcelo, o "verdadeiro professor", é estrela em promo de La Casa de Papel

O novo vídeo promocional de La Casa de Papel tem um protagonista improvável. Marcelo Rebelo de Sousa, ou, na verdade, uma imitação do Presidente da República, faz uma chamada para a inspetora Raquel. Na chamada telefónica, …