Mulheres sauditas não podem conduzir para proteger sociedade do mal

oct26driving / youtube

foto: oct26driving / youtube

foto: oct26driving / youtube

Um responsável religioso da Arábia Saudita afirmou que a proibição de conduzir para as mulheres destinava-se a “proteger a sociedade do mal”, noticiou hoje a imprensa saudita.

O xeque Abdel Aziz al-Cheikh pediu, durante uma conferência realizada na quarta-feira em Medina – cidade santa do oeste da Arábia Saudita – que “não se fizesse desta questão (autorizar as sauditas a conduzir) uma das principais preocupações da sociedade”.

O “mufti”, um académico a quem é reconhecida a capacidade de interpretar a lei islâmica (sharia), defendeu que “esta questão devia ser vista como uma necessidade para proteger a sociedade do mal”, o que seria impossível caso as sauditas fossem autorizadas a conduzir.

Esta posição de um dos principais responsáveis religiosos sauditas reflete a hostilidade dos meios religiosos ao direito das sauditas de conduzir.

Militantes sauditas disseram, na quarta-feira, ter recebido garantias do ministro do Interior, príncipe Mohammed ben Nayet, que a questão do direito das mulheres a conduzir estava a ser estudada.

Aziza al-Youssef, que participou na campanha, a 26 de outubro, pelo direito das mulheres a conduzir, declarou à agência noticiosa francesa AFP ter estado na terça-feira com o ministro, juntamente com outra militante, Hala al-Dosari.

“O ministro disse que a questão do direito das mulheres a conduzir estava sobre a mesa e disse para esperarmos um resultado positivo“, acrescentou, sobre o encontro que decorreu por videoconferência.

“A questão será resolvida pelas instâncias legislativas e nós somos uma instância executiva, disse-nos o príncipe Nayef”, indicou Aziza al-Youssef.

As duas militantes afirmaram esperar “um decreto real que conceda o direito de conduzir“, já que o rei Abdallah é o principal legislador e o Conselho da Choura tem uma função meramente consultiva.

Em outubro, três mulheres membros do Conselho da Choura depuseram uma recomendação para o fim da proibição de conduzir, sem êxito.

Militantes sauditas marcaram para 26 de outubro um movimento de desobediência, apelando às sauditas para conduzirem nesse dia. O apelo foi retirado, na sequência de várias advertências das autoridades, para evitar a possibilidade de confrontos.

Pelo menos 16 mulheres foram detidas ao volante a 26 de outubro e tiveram que pagar multas. Cada mulher e o respetivo tutor (pai, irmão, marido ou qualquer outro homem da família) foram obrigados a assinar um documento em que se comprometeram a respeitar as regras em vigor no reino.

A Arábia Saudita é regida por uma rigorosa aplicação da lei islâmica, e as mulheres precisam de autorização de um responsável masculino para viajar, trabalhar e casar.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

MP bombardeou secretário de Estado com 46 perguntas sobre a EDP

O Ministério Público enviou 46 perguntas ao secretário de Estado da Economia, João Correia Neves, para tentar perceber a natureza da relação deste com os fatos que estão a ser investigados no caso EDP. Correia Neves …

Fernando Santos anuncia convocados para a Liga das Nações

O selecionador Fernando Santos anunciou hoje a lista de convocados de Portugal para a fase final da Liga das Nações. João Félix é o destaque nos convocados. As escolhas de Fernando Santos foram reveladas na Cidade …

Notre Dame. Vento pode fazer desabar paredes

Notre Dame está altamente instável. Um perito da Universidade de Versalhes defende que o restauro tem de atender à estrutura geral da catedral gótica.  Notre Dame, na capital francesa, está altamente instável e ventos superiores a …

Boicote dos EUA à Huawei causa prejuízo às empresas americanas

Depois de os Estados Unidos terem proibido negociações com a Huawei, empresas americanas estão agora a sentir na pele as consequências da perda da firma chinesa como cliente. Os Estados Unidos concederam 90 dias às empresas …

Renda acessível pode pôr casas a 650 euros em Lisboa e 500 no Porto

Numa altura em que o mercado imobiliário está ao rubro, com os preços em máximos, as rendas estão em níveis cada vez mais incomportáveis para a maioria das famílias que poderão encontrar neste programa uma …

Governo deverá anunciar medidas para bloquear coleção Berardo após as eleições

Num momento em que se tornou público que a Fundação Berardo corre risco de falência, três ministérios estudam as medidas para preservar a coleção do empresário e mantê-la aberta ao público. "Será em breve", garantiram os …

Europeias: PS com candidatos "escondidos", CDU só observa e Rangel já faz rimas ao primeiro-ministro

A dias do escrutínio para o Parlamento Europeu, PS acusou o BE de ser ambíguo, CDS critica respostas de Costa sobre Tancos e PSD quer ver "candidatos escondidos" do PS. Até já há rimas para …

Na corrida às Europeias, o PS está à frente do PSD (e o BE está perto do terceiro eurodeputado)

O PS e a Esquerda crescem, o PSD e a Direita perdem. Segundo uma sondagem da Pitagórica para o Jornal de Notícias e TSF, os socialistas somam 32,4% da intenção de voto, enquanto o PSD …

CGD ainda é dos bancos que têm mais crédito para investir em ações

Os bancos cortaram nos empréstimos para a compra de ações desde a crise. Mas têm ainda um valor elevado de financiamentos deste tipo. Este crédito é visto com cautela pelos supervisores e levaram a que bancos …

Partido de Modi a caminho de resultado histórico na Índia

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, e o seu partido nacionalista hindu lideram a contagem de votos nas legislativas do país. Às 10h05 (05h35 em Lisboa), o Partido Bharatiya Janata (BJP, ou Partido do Povo Indiano, no …