Morte de funcionária por trabalho excessivo dá multa de 3000 euros à empresa

jasewong / Flickr

Vista do topo do edifício da gigante publicitária japonesa Dentsu, em Tóquio

Um tribunal local condenou esta sexta-feira a gigante japonesa de publicidade Dentsu a pagar uma multa pela sua responsabilidade no suicídio de uma funcionária que trabalhou muitas mais horas extras do que as permitidas pela legislação trabalhista.

O Tribunal de Distrito de Tóquio multou a empresa em 500.000 ienes, cerca de 3.780 euros, por ter obrigado Matsuri Takahashi, funcionária que se suicidou em 2015, e pelo menos outros três trabalhadores, a trabalhar mais horas do que as permitidas, informou a agência NHK.

A esta multa soma-se a compensação que a companhia pagou à família da falecida, por um número não divulgado, e as desculpas públicas pedidas pelo presidente da empresa, Toshihiro Yamamoto.

Matsuri Takahashi, de 24 anos, chegou a trabalhar até 105 horas extraordinárias por mês, apesar de os registos da companhia terem mostrado total dentro do limite legal. A família tinha denunciado que a companhia forçou a funcionária a registar menos horas do que as que trabalhou na realidade.

A legislação trabalhista japonesa estabelece que os dias de trabalho não devem superar as 40 horas semanais, mas permite que se trabalhem horas extraordinárias sempre que haja um acordo prévio entre empregador e trabalhador.

No entanto, a legislação afirma que os empregados não devem trabalhar mais de 80h suplementares por mês (anteriormente o limite situava-se em 100 horas), e contempla medidas de controlo e sanções para as empresas que superem este teto.

A sentença fez-se pública um dia depois de a cadeia estatal japonesa NHK ter admitido que a morte de uma jornalista em 2013 se deveu também a excesso de trabalho e à falta de descanso, no que representa um novo caso de karoshi, como é designada no Japão a morte por excesso de trabalho.

A autoridade do trabalho de Tóquio estabeleceu em maio de 2014 que Miwa Sado, que trabalhava nos escritórios da NHK na cidade, tinha feito 159 horas extras e apenas teve duas folgas no mês prévio à sua morte, que se deveu a uma “insuficiência cardíaca congestiva”, relatou um comunicado da cadeia pública.

O Governo japonês aprovou em 2015 uma lei para conter a epidemia do excesso de trabalho, mas a falta de rigor ao registar as horas extra por parte das empresas, e a disponibilidade dos empregados a alargar as suas jornadas para receber bonificações, dificulta o controlo sobre esta prática.

EFE // EFE

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Ninguém quer saber da tua vida e, quando falas de ti, não deves extrapolar o teu lema de vida para Portugal ou para os portugueses!!

RESPONDER

Calamidade até 30 de maio. Champions com lugares marcados, teletrabalho até ao final do mês

Após a reunião do Conselho de Ministros desta quinta-feira, a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, anunciou que o país continuará em situação de calamidade até 30 de maio. Acompanhada pelo secretário de Estado das …

Greve da Função Pública "não interfere" com negociações, diz Governo

A Frente Comum marcou para o dia 20 uma greve dos trabalhadores da Administração Pública para exigir um aumento dos salários, a valorização das carreiras e a revogação do sistema de avaliação de desempenho dos …

Estado recebeu 671 milhões do Banco de Portugal em 2020

Em ano de pandemia, o Banco de Portugal (BdP) deu 671 milhões de euros em dividendos ao Estado, segundo os dados divulgados, esta quinta-feira, pelo supervisor da banca. No Relatório do Conselho de Administração de 2020, …

Pedrógão Grande. Testemunha afirma que Câmara a aconselhou a mudar a morada fiscal

A proprietária de uma segunda habitação reconstruída após o incêndio de 2017, em Pedrógão Grande, disse esta quinta-feira que alterou a sua morada fiscal a conselho de um "senhor Bruno", da Câmara Municipal. O julgamento das …

Corrida aos combustíveis. Ciberataque a oleoduto provoca pânico nos EUA

Quase dois terços dos postos de gasolina do sudeste dos Estados Unidos registam escassez de combustível, depois de um ciberataque à maior rede de oleodutos do país ter obrigado a suspender as operações desde sexta-feira. A …

Cecília Meireles sente "enorme tristeza" por ver CDS com 1% nas sondagens

A deputada centrista abordou vários temas numa entrevista, publicada esta quinta-feira, desde a queda do CDS nas sondagens ao seu lugar de deputada na Assembleia da República. Numa entrevista à rádio Renascença e ao jornal Público, …

"Chernobyl do século XXI." Pandemia de covid-19 poderia ter sido evitada, dizem especialistas

A pandemia de covid-19 podia ter sido evitada e o mundo deve aprender com os erros que não permitiram travar a disseminação do vírus, conclui um novo relatório, divulgado esta quarta-feira. A pandemia de covid-19 poderia …

"Estamos a ver a patologia da banca. Uma patologia triste", diz CEO do Novo Banco

O presidente executivo do Novo Banco, António Ramalho, tem visto, nos últimos tempos, grandes devedores da instituição financeira a explicarem-se na comissão de inquérito, classificando o que assiste como "triste". "Estamos a ver a patologia da …

Maduro aceita conversar com Guaidó sobre "acordo de salvação" da Venezuela

O Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, anunciou estar disposto a reunir-se quando a oposição quiser, um dia depois de o líder opositor Juan Guaidó propor um "acordo de salvação" da Venezuela, entre as "forças democráticas" e …

No Brasil, os "velhos" goleadores estão em destaque (e na Europa, ainda dão cartas)

Os goleadores de quase metade das equipas brasileiras que disputam a Copa Libertadores e a Sul-Americana têm mais de 30 anos. Aos olhos do futebol podem ser "velhos", mas preenchem o vazio dos jovens que …