Sergio Moro diz que sai do Governo caso se provem irregularidades

Marcelo Camargo / Abr

O ministro da Justiça brasileiro reiterou a sua inocência no Senado, esta quarta-feira, mas afirmou que deixa o cargo caso se provem irregularidades nas mensagens trocadas com procuradores da Operação Lava Jato.

“Estou absolutamente convicto das minhas ações como juiz. Que o site The Intercept apresente tudo, para que a sociedade veja se houve alguma incorreção. Não tenho nenhum apego pelo cargo em si. Se houve irregularidade de minha parte, eu saio. Mas não houve. Eu sempre agi na lei, de maneira imparcial”, declarou Sérgio Moro, numa audiência pública no Senado, em Brasília.

Por várias vezes, ao longo da audiência, o atual ministro da Justiça acusou o portal de investigação jornalística de ser “sensacionalista”, apelando ainda a que o site divulgue integralmente o conteúdo das mensagens a que teve acesso.

Em resposta às acusações de sensasionalismo, o senador do Partido dos trabalhadores (PT) Jaques Wagner relembrou que Glenn Greenwald, um dos fundadores do The Intercept, já foi distinguido com um prémio Pulitzer pelas suas reportagens que revelaram os programas de espionagem da Agência de Segurança Nacional norte-americana (NSA).

“O ministro insiste em desqualificar o ‘site’ e chamá-lo de sensacionalista. O site já ganhou o ‘Óscar do jornalismo’ com a revelação dos Wikileaks’. O combate à corrupção é um pré-requisito para qualquer pessoa na vida pública. A melhor forma é responder ao que está sendo revelado”, defendeu o senador do PT.

Wagner aproveitou ainda para questionar o atual ministro se também considerava sensacionalismo a divulgação das conversas entre os ex-Presidentes Lula da Silva e Dilma Rousseff, quando Moro ainda era magistrado na Operação Lava Jato.

“Foi uma medida sensacionalista divulgar conversas sob escuta de Dilma? Colocar no pelourinho a dignidade de pessoas que deveria ser mantida em sigilo?”, reforçou o deputado, numa alusão à decisão de Moro, enquanto juiz, que retirou em 2016 o sigilo e divulgou conversas telefónicas entre os dois antigos chefes de Estado.

Por outro lado, a ex-juíza e senadora Selma Arruda, do Partido Social Liberal (PSL), composição política do Presidente Jair Bolsonaro, defendeu a atuação de Moro na Lava Jato, acrescentando que magistrados que trabalham com pessoas envolvidas na política são frequentemente acusados de parcialidade.

“Solidarizo-me com o senhor e com as acusações contra magistrados que trabalharam com pessoas que têm envolvimento com política. Essas acusações acontecem. Se você está a trabalhar e decreta prisão sobre um réu ou investigado que tem fama, a imprensa vem em cima de você”, argumentou a senadora.

Lava Jato queria “romper ciclo de impunidade”

Na mesma audiência pública no Senado, em Brasília, Moro referiu ainda que a divulgação feita pelo portal é “um movimento claro para anular condenações pretéritas de pessoas que cometeram crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, impedir novas investigações e atacar as instituições brasileiras”.

“A indagação que se faz, normalmente, é de quem se beneficia. Este é um grupo dedicado ao interesse público, que resolveu expor malvados procuradores ou juízes e polícias envolvidos numa conspiração contra a corrupção”, disse ainda.

O ministro também apresentou informações sobre a Lava Jato, que descobriu uma enorme rede de corrupção na estatal petrolífera Petrobras e envolveu dezenas de empresários, políticos e funcionários públicos, e também se espalhou por dezenas de países da América Latina e África.

“Mais de 90 denúncias, 45 sentenças, 291 acusados, 211 condenações, 298 pedidos de prisões cautelares das quais 207 foram aceites. Em todos os casos havia evidências muito fortes que se se descobriu contas milionárias em bancos do exterior”, declarou.

O ministro também acrescentou que a operação resultou em dezenas de acordos de cooperação judiciária com os réus e permitiu a recuperação de milhões de reais desviados pela corrupção.

Segundo Moro, o objetivo principal da Lava Jato era “romper o ciclo de impunidade” no Brasil promovido por políticos e empresários influentes, que durante anos se haviam envolvido em várias práticas de corrupção em todos os níveis da administração pública.

Desde 9 de junho, o Intercept tem publicado uma série de reportagens sobre alegadas mensagens secretas obtidas de uma fonte anónima, que terão sido trocadas por Moro com procuradores da Operação Lava Jato, à época quando era o juiz responsável por analisar os processos da investigação em primeira instância.

Segundo o mesmo site, as conversas lançam dúvidas sobre o desempenho de Moro nos processos da Lava Jato, nomeadamente no julgamento que levou Lula à prisão.

Esta quarta-feira, o portal de investigação jornalística revelou novas mensagens entre o ex-juiz e o procurador Deltan Dallagnol, que mostram que poderá ter procurado descredibilizar as investigações ao ex-Presidente Fernando Henrique Cardoso.

Na audiência de hoje, Moro voltou a negar que tenha agido de modo parcial ou que tenha combinado ações com promotores responsáveis pelas investigações, embora tenha admitido que usava a aplicação Telegram para falar com procuradores, alegando que é normal os juízes conversarem com as partes fora dos autos do processo.

Em relação às mensagens, o ministro insistiu que “não se lembra”, e que não reconhece a sua autenticidade, porque não foram alvo de perícias e poderão ter sido “total ou parcialmente editadas”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Benfica confirma saída de Salvio para o Boca. "Chorei como um bebé"

O extremo Eduardo Salvio transferiu-se do Benfica para o Boca Juniors, na Argentina, num negócio esta quinta-feira oficializado pelo clube da Luz, que não revelou os valores envolvidos. O argentino esteve oito temporadas no Benfica, as …

"É preciso reduzir os impostos às pessoas, nomeadamente aos salários, e taxar o carbono"

Para António Guterres, a "vontade política esmoreceu" depois do Acordo de Paris aprovado em 2015. Entre medidas propostas em prol do clima, o Secretário-Geral das Nações Unidas fala em "acabar com subsídios aos combustíveis fósseis". António …

Costa: Marcelo não se recandidatar seria "incompreensível para 80% dos portugueses"

O secretário-geral do PS, António Costa, declarou esta sexta-feira que uma eventual não recandidatura presidencial de Marcelo Rebelo de Sousa seria "incompreensível para 80% dos portugueses" e adiantou que Eduardo Ferro Rodrigues voltará a ser …

Há mais de 600 edifícios condenados à demolição (e trazem custos para o cidadão)

Nos últimos dez anos, centenas de construções de todo o país foram listadas para demolir. Destas, faltam destruir atualmente mais de 600, segundo um levantamento citado esta sexta-feira pelo Correio da Manhã. Questões de segurança, ilegalidades …

Nepotismo e "filé mignon". Bolsonaro admite beneficiar filho para cargo diplomático

O presidente brasileiro admitiu, na quinta-feira, que "pretende beneficiar" o terceiro filho, o deputado Eduardo Bolsonaro, indicado para embaixador nos Estados Unidos, mas garantiu tratar-se apenas de uma estratégia de política externa. "Pretendo beneficiar um filho …

Ministério Público investiga ajustes diretos da Câmara do Porto a sociedade de advogados

A Câmara Municipal do Porto (CMP) diz que o valor dos contratos com a sociedade de advogados é de apenas 218 mil euros, e não meio milhão de euros como foi noticiado esta semana. O Ministério …

Lista de grande devedores. Deputados de mãos atadas pelo sigilo bancário

Depois de um esforço hercúleo para conseguir acesso à lista dos grandes devedores da banca, os deputados veem-se agora incapacitados devido ao sigilo bancário e ao fim da legislatura. A lista dos grandes devedores em incumprimento …

Costa promete baixar impostos à classe média (e prefere que Centeno não vá para o FMI)

Mais deduções e mais escalões de IRS para baixar os impostos para as famílias com os filhos e a classe média. Eis o que António Costa promete na antecâmara das eleições legislativas, numa entrevista onde …

Contadores de luz inteligentes acabam com leitura por estimativa

A EDP quer generalizar a instalação de contadores de eletricidade inteligentes. Esta tecnologia vai pôr fim à leitura por estimativa, que era razão de queixa de vários clientes. Os contadores inteligentes vão permitir pôr um fim …

Contas do Metro de Lisboa podem ter “buraco” de três mil milhões, alerta auditoria

As contas do Metropolitano de Lisboa (ML) referentes a 2018, enviadas esta quinta-feira pela empresa pública à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), podem evidenciar um eventual "buraco" de quase três mil milhões de …