Apesar de estar a ser monitorizado, Carlos Ghosn terá conseguido fugir dentro de caixa de instrumentos musicais

WEF / Flickr

Carlos Ghosn, Chairman e CEO da Renault-Nissan Alliance

Carlos Ghosn, ex-CEO da Renault-Nissan, conseguiu fugir do Japão, onde aguardava julgamento por alegadamente ter desviado milhões de euros da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, sem que as autoridades nipónicas se tivessem apercebido.

De acordo com o canal noticioso libanês MTV, Carlos Ghosn fugiu escondido dentro de uma caixa de instrumentos de uma banda convidada para dar um concerto privado num jantar em casa do ex-presidente da Renault-Nissan.

Apesar da apertada vigilância policial, a banda teve autorização para entrar e para sair com o gestor escondido numa das maiores caixas dos instrumentos musicais. Ghosn terá seguido para um aeroporto secundário, onde o esperava um avião particular com destino a Istambul, na Turquia.

A partir daí, explica o jornal britânico The Guardian, terá apanhado outro avião privado para o Líbano, onde chegou antes do amanhecer de segunda-feira. De acordo com o site Flight Scanner, o sinal do voo privado onde seguia perdeu-se antes de aterrar.

Segundo a agência Reuters, Ghosn encontrou-se com o chefe de Estado libanês, Michel Aoun, depois de fugir do Japão. O fugitivo terá agradecido a Aoun o apoio que lhe foi prestado e à sua mulher enquanto esteve detido. No entanto, o encontro, que ainda não tinha sido tornado público, foi desmentido por um assessor da presidência libanesa.

A mesma agência avança que o embaixador do Líbano no Japão visitou o antigo empresário todos os dias durante a sua detenção.

Neste momento, Carlos Ghosn está em Beirute, numa casa de família, na companhia da sua mulher, Carole, de origem libanesa. O plano terá sido orquestrado pela mulher e levado a cabo apesar da proibição de ver ou contactar o marido sem autorização do Tribunal, com a ajuda de uma equipa de ex-militares das forças especiais. Segundo a Reuters, o plano foi delineado durante três meses e executado por uma empresa de segurança privada. O casal terá cortado o contacto durante pelo menos sete meses.

A notícia da fuga de Carlos Ghosn apanhou de surpresa as autoridades nipónicas. Os serviços de estrangeiros e fronteiras não tinham qualquer informação sobre a saída de Ghosn e não estava afastada a hipótese de o gestor se ter evadido usado uma identidade falsa, uma vez que os três passaportes do gestor — que tem nacionalidade francesa e libanesa e nasceu no Brasil — estão apreendidos

A apreensão dos passaportes e a impossibilidade de sair do Japão eram apenas duas das fortes medidas de coação a que Carlos Ghosn estava sujeito em Tóquio desde 2018​.

Ghosn, de 65 anos, esclareceu não ter fugido à Justiça, mas que se libertou “da injustiça e da perseguição política” no Japão. “Finalmente, posso comunicar livremente com a imprensa, o que farei a partir da próxima semana”, acrescentou.

Autoridades fazem rusga a casa de Goshn em Tóquio

Procuradores japoneses efetuaram esta quinta-feira uma rusga em casa de Carlos Goshn. De acordo com imagens divulgadas pela imprensa local, meia dúzia de procuradores, envergando fatos escuros e máscaras brancas, entraram esta manhã em casa do empresário, em Minato, na zona central da área metropolitana de Tóquio.

Segundo a televisão pública NHK, a investigação tem como pano de fundo a alegada violação das leis de migração pelo ex-presidente da Nissan, que conseguiu deixar o país ilegalmente sem passar por procedimentos habituais. As autoridades japonesas confirmaram não existirem registos de quando ou como Carlos Ghosn foi capaz de deixar o arquipélago nipónico.

Fontes ouvidas pela NHK afirmaram que o empresário tinha dois passaportes franceses, um dos quais terá usado para entrar legalmente no Líbano, a bordo de um avião privado e depois de uma escala na Turquia.

Carlos Ghosn, ex-presidente do conselho de administração e ex-presidente executivo do grupo Nissan e da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, foi detido em Tóquio em 19 de novembro de 2018 por suspeita de abuso de confiança e evasão fiscal.

Detido vários meses no Japão, o empresário foi libertado em março de 2019, após o pagamento de uma caução. No início de abril passado, foi novamente detido e outra vez libertado sob caução. O Ministério Público (MP) de Tóquio informou que a última detenção do ex-presidente da Nissan justifica-se pela suspeita de que Carlos Ghosn desviou cinco milhões de dólares, cerca de 4,4 milhões de euros.

No final desse mesmo mês, Ghosn ficou sob detenção domiciliária, a aguardar julgamento por evasão fiscal, entre outros crimes.

Os advogados e a família de Carlos Ghosn têm criticado fortemente as condições da detenção do empresário, bem como a forma como a justiça nipónica tem gerido os procedimentos deste caso.

Ghosn chegou à Nissan em 1999 como presidente executivo para liderar a recuperação do fabricante, com sede em Yokohama, nos arredores de Tóquio, depois de ter oficializado uma aliança com a francesa Renault.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Em pânico, os norte-americanos estão a comprar pintainhos para lidar com a pandemia

Todo o mundo está a ser afetado pela pandemia de covid-19, tendo os norte-americanos, inicialmente, corrido aos supermercados para comprar o máximo de papel higiénico possível. Porém, agora, o produto é outro. De acordo com o …

20 anos depois, aldeias no Peru ainda sofrem com derrame de mercúrio

Em junho de 2000, um camião derramou mercúrio, da mina de ouro Yanacocha, a maior da América Latina, em três aldeias do Peru. 20 anos depois, os moradores ainda sofrem as consequências deste acidente. Quando Francisca …

Caso BPP. Ex-banqueiro João Rendeiro acusado de nova burla

O Ministério Público (MP) acusou o ex-presidente e fundador do BPP, João Rendeiro, de mais um crime de burla qualificada no caso BPP, segundo avança o Correio da Manhã. A acusação relaciona-se, de acordo com o …

EUA "confiscam" na Tailândia 200 mil máscaras que iam para a Alemanha

A polícia de Berlim, na Alemanha, encomendou 200 mil máscaras cirúrgicas a uma empresa americana. Porém, foram "confiscadas" em Banguecoque, na Tailândia, e desviadas para os Estados Unidos. O ministro do Interior de Berlim considerou o …

Valência chega a acordo com Diogo Leite. Saída do FC Porto estará quase consumada

O Valência tem 20 milhões de euros para oferecer ao FC Porto em troca do defesa-central Diogo Leite, com quem já terá chegado a acordo. De acordo com o jornal desportivo A Bola, Diogo Leite já …

Jornais espanhóis fazem boicote às "conferências-farsas" do Governo

Os jornais espanhóis, como o Libertad Digital, o El Mundo, o ABC e o Vozpópuli, estão a boicotar as conferências de imprensa do governo de Espanha, acusando-o de filtrar as perguntas dos meios de comunicação. Tudo começou …

Número diário de óbitos desce em Espanha. Mais um campo de refugiados grego em quarentena

Em Espanha, o número diário de óbitos por infeção de covid-19 tem mantido uma tendência de subida. Já na Alemanha, há menos casos, mas mais mortes. Espanha continua a manter a tendência de descida do número …

Trump diz que o pior está para vir (mas admite aliviar restrições para ir à missa na Páscoa)

Este sábado, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, admitiu que o pior ainda está para vir e que ainda “vai haver muitas mortes". Depois, disse que está a pensar aliviar as restrições para permitir …

Covid-19. Mais 754 casos de infeção e 29 mortes em Portugal

De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Deral da Saúde (DGS) este domingo, há 11.278 infetados por covid-19 em Portugal e 295 óbitos. O número de infetados por covid-19 subiu, este domingo, para um total …

Inspetores do SEF suspeitos de assassinar ucraniano foram identificados em carta anónima

Os três inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) suspeitos de assassinar um ucraniano no aeroporto de Lisboa foram identificados numa carta anónima enviada à Polícia Judiciária (PJ). De acordo com o semanário Expresso, a …