“Não temos um presidente”. Moedas arrasa Medina após divulgação da auditoria à CML

Mário Cruz / Lusa

A auditoria interna da Câmara Municipal de Lisboa, apresentada ontem por Fernando Medina, está longe de pôr fim à polémica em torno do envio de dados pessoais de manifestantes a embaixadas estrangeiras.

O presidente da Câmara de Lisboa revelou que a autarquia enviou dados pessoais de manifestantes a embaixadas 52 vezes, desde que entrou em vigor o Regime Geral de Proteção de Dados (RGPD), em 2018.

Medina assumiu os erros e as responsabilidades e acabou por afastar um dos responsáveis pela RGPD da instituição. Contudo, há quem ainda não esteja satisfeito com as explicações dadas, ou neste caso, com a falta delas.

É o caso de Carlos Moedas. O candidato do PSD à autarquia, e principal oponente de Fernando Medina, considera que a situação vem mostrar que “não temos um presidente da Câmara de Lisboa”, já que as responsabilidades políticas ficaram por assumir.

O ex-eurodeputado disse aos jornalistas, numa conferência de imprensa realizada na sede distrital do PSD de Lisboa, que a situação o deixa mais preocupado “do que a primeira intervenção de Fernando Medina”.

Segundo o candidato social-democrata, o que Medina apresentou na manhã de ontem foi uma “autoavaliação”, o que o leva a questionar a credibilidade de “uma auditoria interna apresentada pelo visado”.

Anteriormente, quando o caso veio a público, Carlos Moedas pediu a demissão de Fernando Medina, algo que o atual presidente da CML recusou. “A quatro meses de autárquicas, aceitar um pedido de demissão e apresentar um processo de recandidatura é um número impróprio da confiança que os cidadão precisam”, referiu.

“Bode expiatório”

Depois da apresentação de Medina esta sexta-feira, a oposição à direita responde em bloco.

Um dos vereadores do PSD na Câmara, João Pedro Costa, afirma ao Expresso que a exoneração de um membro da CML é um sinal de que Medina encontrou “o bode expiatório atrás do balcão”.

O vereador afirma que a apresentação desta manhã dava a entender que se tratava de “uma entidade terceira a fazer uma auditoria à CML”, o que não é verdade.

Entre as pontas soltas, está para o PSD a mais grave politicamente: como é que Fernando Medina não sabia da transferência de dados?

“Até acredito que Medina pessoalmente não soubesse. Mas algum responsável político validou a alteração de procedimentos em abril”, afiança João Pedro Costa.

À direita do PSD em Lisboa, as críticas vão no mesmo sentido. Assunção Cristas remeteu reações para a próxima semana, quando será discutida a proposta do partido de fazer uma auditoria externa a todos os serviços da câmara. Contudo, a centrista também frisa o problema da falta de respostas claras.

Por sua vez, Francisco Rodrigues dos Santos, voltou a pedir a demissão de Medina, que “tentou ensaiar umas trocas e baldrocas para, no fundo, termos mais do mesmo com os mesmos, e a culpa morrer solteira do ponto de vista das responsabilidades políticas”.

Também João Ferreira, vereador e candidato a Lisboa pelo PCP, havido considerado este procedimento “inaceitável e injustificável”.

Por enquanto, à esquerda, os principais líderes ainda não se pronunciaram. Beatriz Gomes Dias, candidata do Bloco de Esquerda a Lisboa, falou apenas numa “inadmissível violação da lei” no momento em que a notícia foi tornada pública.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Sonae vende 24,99% da empresa que detém o Continente por 528 milhões de euros

O grupo Sonae acordou vender uma participação de 24,99% na Sonae MC, a proprietária dos supermercados Continente, por 528 milhões de euros, informou em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). A alienação de …

Supertaça. Sporting e Sp. Braga defrontam-se 39 anos depois (e adeptos regressam aos estádios)

Sporting e Sp. Braga lutam este sábado pelo primeiro título da época (e os adeptos já vão estar na bancada). O encontro da 43.ª edição da supertaça Cândido de Oliveira está marcado para este sábado, …

Vacinação de crianças divide peritos. Mas sem a inoculação dos mais novos a imunidade pode não chegar

Na sexta-feira, a Direção-Geral de Saúde anunciou que recomenda que a vacinação contra a covid-19 de jovens dos 12 aos 15 anos com comorbilidades. No entanto, o tema está a gerar controvérsia e divide opiniões …

Governo com margem política para abdicar de 15% do Novo Banco

Em 2022, o Governo tem margem política para abdicar do direito de entrar como acionista no Novo Banco (NB), inicial­mente com uma participação de mais de 2%, mas que pode subir a 15%. Para já, nem …

Tóquio2020. Biles renuncia também às finais de salto e barras assimétricas

A ginasta norte-americana Simone Biles, que renunciou à final do concurso geral individual dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, também não vai participar das finais de domingo de salto e barras assimétricas, informou esta sexta-feira a Federação …

Governo não pediu parecer à CNPD sobre as "bodycams" em polícias. Método vai "aumentar a transparência"

A proposta da nova lei da videovigilância, que vai permitir que os polícias passem a usar câmaras nos uniformes, já foi aprovada em Conselho de Ministros, mas ainda não chegou ao Parlamento. Também não foi …

Marcelo reuniu com Lula, mas não revela o teor da conversa. Presidente diz que visita é apenas de cariz cultural

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse sexta-feira à chegada a São Paulo que a cultura tem um "papel fundamental" na convergência entre Portugal e o Brasil, rejeitando que a agenda alargada de …

PSP abre processos disciplinares por uso indevido de farda em manifestação

A PSP abriu processos disciplinares, por uso indevido e incorreto do uniforme, a agentes que participaram em 21 de junho, em Lisboa, numa manifestação organizada pelo Movimento Zero, confirmou esta sexta-feira à Lusa o porta-voz, …

Por onde passou o caminho bíblico da Judeia a Edom? Cientistas encontram respostas

Por onde passava o caminho bíblico que ligava o reino de Judeia à nação vizinha de Edom? Um novo estudo dá novas pistas sobre o possível percurso da estrada. Os investigadores israelitas sugerem que havia, pelo …

PCP diz que acusação a grupos hospitalares privados por acordo anticoncorrencial evidencia "cartelização"

O PCP considerou esta sexta-feira que a acusação da Autoridade da Concorrência a cinco grupos hospitalares privados por acordo anticoncorrencial, confirma a “prática parasitária e de cartelização” destes grupos, que fazem “da doença um negócio”. O …