Ministro relembra que objetivo de contribuição sobre sacos é que deixem de ser usados (e não acumulados)

PSD / Flickr

O ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, Jorge Moreira da Silva

O ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, Jorge Moreira da Silva

O ministro do Ambiente reiterou esta quinta-feira que, a partir de 15 de fevereiro, todos os sacos plásticos leves vão ser alvo de contribuição e que o objetivo da medida é que o seu uso seja reduzido.

Fiscalidade Verde

O ministro Jorge Moreira da Silva, que falava aos jornalistas antes de intervir na conferência “Estratégias para o Crescimento Verde”, no Instituto Superior de Engenharia do Porto, explicou que o objetivo da medida é “criar condições para reorientar comportamentos para que, em vez de se utilizarem 466 sacos plásticos por habitante por ano, que é um recorde europeu, se possa diminuir para 50 sacos plásticos por habitante por ano“.

Sobre a situação para a qual as associações setoriais da restauração e hotelaria AHRESP e APHORT alertaram, de que vários empresários terão adquirido grandes quantidades de sacos plásticos que vão ter de repercutir a contribuição a partir de 15 de fevereiro, o ministro disse que será apresentada uma solução ainda esta semana.

“Fazendo confiança no que as associações representativas me dizem, o que terá estado em causa foram práticas comerciais muito agressivas por parte de fabricantes e importadores que, percebendo que do lado da distribuição se tinha uma noção perfeita de que esses sacos seriam pagos, terão aproveitado para, junto da restauração, perante alguma dúvida que existisse, poder escoar esses stocks grandes com grandes descontos que foram considerados como muito interessantes por parte dos comerciantes”, referiu Moreira da Silva.

O ministro realçou que não está em causa “uma dúvida quanto à lei ou uma qualquer insuficiência legislativa”, mas sim um problema de relacionamento comercial que está a ser abordado quer pelo Ministério do Ambiente quer pelo Ministério das Finanças.

“O Governo está a encontrar, entre o Ministério do Ambiente e a área dos Assuntos Fiscais, uma solução prática que permita que estes stocks anómalos que foram gerados através de práticas comerciais agressivas do final do ano possam ser reintroduzidos com imposto na cadeia de distribuição e essa é matéria que será enquadrada com uma solução que será apresentada muito proximamente”, afirmou o governante.

As declarações de Jorge Moreira da Silva dão continuidade ao que o ministério já havia transmitido no dia anterior, na sequência das informações da Associação Portuguesa de Hotelaria, Restauração e Turismo (APHORT) e da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP).

Os sacos de plástico leves vão passar a custar 10 cêntimos a partir de 15 de fevereiro, cerca de um mês e meio depois de ter entrado em vigor a Reforma da Fiscalidade Verde.

O período transitório, de acordo com o Governo, confere uma “maior capacidade de adaptação às novas regras por parte de toda a cadeia de produção, distribuição e comercialização de sacos de plástico, bem como o escoamento dos stocks e matérias-primas, em linha com o que o setor tem defendido”.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Restauração, cinema e alojamento com condições especiais nas moratórias

Restauração, transportes aéreo, ferroviário e marítimo, educação, atividades de saúde e desportivas, alojamento e cinema são alguns dos setores com condições especiais de pagamento nas moratórias bancárias, segundo diploma publicado. O decreto-lei, esta terça-feira publicado em …

Ex-diretor da agência Elite Models europeia investigado por violação e abuso sexual

Gérald Marie, ex-diretor de uma das maiores agências de modelos do mundo, está a ser investigado pelas autoridades francesas, por suspeitas de agressão sexual e violação, inclusivamente a uma menor. Segundo a Procuradoria-Geral da República francesa, …

Parceiros sociais apanhados de surpresa com alterações ao sucessor do lay-off

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) disse que o Governo não apresentou aos parceiros sociais as alterações que anunciou para regime de apoio à retoma progressiva, o sucedâneo do lay-off simplificado. "Compreendemos que o …

Apesar de "isto estar mais para os partidos de extremos", Santana Lopes nega ligações ao Chega

Em entrevista à TVI24, Santana Lopes referiu que a saída do Aliança não é o fim da sua carreira política, ainda assim recusa um regresso ao PSD. O ex- primeiro-ministro assume as ligações à direita, …

Nem senhoras, nem senhores. Japan Airlines vai abolir expressões de género

A habitual saudação "senhoras e senhores" da companhia aérea japonesa vai ser substituída por saudações neutras relativamente ao género como, por exemplo, "bom dia" e "boa noite". Segundo o jornal The Telegraph, a Japan Airlines vai …

Centeno pediu e Marcelo recebeu o governador do Banco de Portugal

Marcelo Rebelo de Sousa recebeu o governador do Banco de Portugal (BdP), Mário Centeno, esta segunda-feira à tarde, a pedido deste. O chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, recebeu esta segunda-feira à tarde, no Palácio …

Vila romena reelege autarca que morreu de covid-19 dez dias antes

Os moradores de Deveselu, na Roménia, decidiram prestar uma última homenagem ao presidente da Câmara, nas eleições locais deste domingo, que morreu devido a complicações provocadas pela covid-19 dez dias antes. De acordo com a agência …

Jogador do Rio Ave recusou jogar

Matheus Reis não quis defrontar o Vitória de Guimarães porque quer sair rapidamente de Vila do Conde. Presidente anunciou suspensão do atleta. O Rio Ave apareceu no duelo com o Vitória de Guimarães (0-0) sem Matheus …

António Joaquim entrega recurso no Supremo no caso do homicídio do triatleta

O advogado de António Joaquim, condenado pelo Tribunal da Relação pelo homicídio do triatleta Luís Grilo, entregou, esta segunda-feira, no Supremo Tribunal de Justiça um recurso sobre essa decisão, defendendo a sua revogação e a …

57% dos portugueses diz que a pandemia dificultou acesso à saúde (e mais de 600 mil perderem consultas)

Mais de metade dos portugueses (cerca de 57%) considera que a pandemia dificultou o seu acesso aos cuidados de saúde, sendo a população mais idosa (69%) e os doentes crónicos (70%) quem mais manifesta esta …