Consumidores divididos em relação a taxa de sacos de plástico

bicycle thief / Flickr

-

Os sacos de plástico leves passaram este domingo a custar pelo menos 10 cêntimos, uma medida que divide os consumidores: uns já tinham sacos reutilizáveis e concordam com a decisão, mas outros consideram que o preço é demasiado caro.

A decisão de taxar os sacos de plástico dos supermercados a oito cêntimos, a que acrescem dois cêntimos do IVA, totalizando os 10 cêntimos por saco, faz parte da reforma da Fiscalidade Verde e foi anunciada pelo Governo como sendo uma tentativa de reduzir a poluição que resulta deste tipo de produto, sobretudo no mar, seguindo orientações europeias.

A Lusa esteve esta manhã junto às instalações de um hipermercado na Amadora, em Lisboa, e constatou no local que a maioria dos consumidores tinha sacos reutilizáveis, que normalmente são vendidos a 50 cêntimos, mas que hoje estavam a ser oferecidos gratuitamente aos que tivessem cartão de cliente (um saco por compra).

O Continente é um dos supermercados que ainda disponibilizava sacos plásticos gratuitamente – outros hipermercados, como o Pingo Doce e o Minipreço, já cobravam uma pequena taxa pelos sacos plásticos.

Sérgio Pinto fez as compras esta manhã com a mulher e contou à Lusa que “hoje, por acaso, não trazia saco” de casa, mas que “o Continente oferecia um saco” aos clientes que pagassem com cartão da marca.

“É uma questão de hábito”, disse Sérgio Pinto que, apesar de estar de acordo com a medida, discorda do preço: “Com o pagamento não concordo, é péssimo, é uma coisa horrível. No fundo, não queremos poluir o ambiente, mas o saco – ao preço que está – é uma coisa horrorosa, estamos a pagar um saco que efetivamente não tem valor nenhum”.

Um outro cliente, que preferiu não se identificar, esteve esta manhã no Continente da Amadora e pagou 10 cêntimos pelo saco onde transportava as suas compras.

À Lusa disse que, como não tem cartão de cliente do supermercado, não lhe foi dado nenhum saco maior e mais resistente e mostrou-se descontente com a medida.

“Claro que não estou de acordo, acho mal. É uma coisa de que as pessoas necessitam. Que pusessem a um cêntimo ou dois cada saco ainda se podia admitir, mas 10 cêntimos acho que é um bocado caro”, disse.

No entanto, há também consumidores que concordam com a medida e que dizem que não serão afetados por ela, uma vez que já substituíram os sacos de plástico leves por outros de materiais mais resistentes e que são reutilizáveis.

É o caso de José Inácio, que diz “o normal que já fazia sempre” é “utilizar os sacos recicláveis para não estar a poluir o ambiente”, pelo que está “absolutamente” de acordo com a medida, até porque considera que “as pessoas também abusam um bocadinho [do uso] de sacos de plástico”.

Também Francisco Ribeiro afirma que “já evitava há bastante tempo usar sacos de plástico” leves e “tentava reduzir ao mínimo” o seu uso: “Trago um saco de pano e levo as minhas compras num saco de pano. Concordo em absoluto com a eliminação dos sacos de plástico, mas não necessariamente com aproveitamentos políticos dessa medida”, contou.

“Faz-me muita impressão ir a uma praia no inverno e ver sacos a voar, dentro e fora de água. Tento contribuir para que isso não aconteça, não tenho uma esperança desmedida de que a minha contribuição seja significativa, mas acho que não há outra forma de contribuir”, relatou Francisco Ribeiro.

Marcelo Faria, que esteve na mesma superfície comercial de Lisboa esta manhã, diz que “não compensa” pagar 10 cêntimos por um saco que se utiliza uma vez, quando é possível “arranjar sacos a 50 cêntimos que levam as compras todas” e que são reutilizáveis.

Este cliente contou que “ninguém está a pagar sacos de plástico, está tudo a trazer compras sem sacos” e que o supermercado não está a cobrar por todos os sacos que disponibiliza, apontando o exemplo da peixaria.

“Estão a pôr o peixe em sacos de plástico e acho que isso não está a ser debitado aos clientes”, disse, acrescentando que “só em última necessidade mesmo” é que vai pagar os 10 cêntimos exigidos pelos sacos de plástico leves.

Este é igualmente a posição de Carlos Miranda, um reformado que assegura que “daqui em diante” não gasta mais dinheiro nestes sacos.

Para Carlos Faria, “não é com esta restrição nem com os sacos caros que vai começar a haver menos poluição”, antecipando que comece a haver “muito mais lixo fora dos caixotes, ao ar livre”.

Integrada na reforma da Fiscalidade Verde, a contribuição de oito cêntimos, a que acresce dois cêntimos de IVA, entra hoje em vigor e abrange os sacos de plástico leves, distribuídos nas lojas de todas as áreas, dos supermercados às farmácias ou restaurantes.

O Governo pretende reduzir o consumo de sacos de plástico leves, dos atuais 466 por cada português por ano para os 50 este ano e 35 em 2016, e prevê obter 40 milhões de euros com a contribuição, que faz parte de um pacote total de medidas avaliadas em cerca 150 milhões de euros.

Segundo o Ministério do Ambiente, liderado por Jorge Moreira da Silva, 17 milhões de euros obtidos através da Fiscalidade Verde serão direcionados para o fundo de conservação da natureza e para apoiar a mobilidade sustentável.

/Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Coreia do Sul retira oficialmente o Japão da lista preferencial de comércio

A Coreia do Sul retirou esta quarta-feira oficialmente o Japão da sua lista de parceiros comerciais preferenciais, após a mesma medida ter sido aplicada por Tóquio, num agravamento de tensões diplomáticas entre os dois países. A …

Vaticano pede julgamento de dois padres por alegados abusos sexuais

A Santa Sé anunciou na terça-feira que enviou para a justiça os casos de dois padres italianos suspeitos de abuso sexual, que alegadamente ocorreram num seminário no Vaticano. "O procurador de justiça do Vaticano [equivalente ao …

Donald Trump nomeia Robert C. O’Brien como novo conselheiro de Segurança Nacional

Donald Trump nomeou esta quarta-feira Robert C. O’Brien, que servia até agora como negociador de reféns para o governo, como novo conselheiro de Segurança Nacional dos EUA. Assim, O’Brien vai substituir John Bolton, que foi despedido …

Galamba avisa: não vai haver cabo submarino se centrais a carvão de Marrocos não forem penalizadas

O estudo sobre a interligação entre Portugal e Marrocos está atrasado, não havendo nenhuma data prevista para a sua conclusão, de acordo com o Governo. O cabo submarino tem um custo estimado de 700 milhões de …

Presidente do maior sindicato da PSP acusado de ter agredido adepto do Boavista

O presidente da direção da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP), Paulo Rodrigues, está entre os 11 polícias que vão a julgamento esta quarta-feira acusados de agressão a um adepto do Boavista. O julgamento terá …

PAN propôs medidas ambientais que já estão em vigor

No capítulo do programa eleitoral do PAN dedicado ao Ambiente, o partido faz propostas que já estão implementadas, como os sistemas de certificação do pescado e restrição do tráfego aéreo em período noturno. Na área "Crise …

Madeira. Sondagem da RTP indica que PSD perde maioria absoluta

De acordo com uma nova sondagem da Universidade Católica para a RTP, o PSD pode perder a maioria absoluta na Madeira, enquanto que o PS pode aumentar o número de assentos no parlamento regional. Uma nova …

Secretário de Estado da Proteção Civil constituído arguido e demite-se

Artur Neves, secretário de Estado da Proteção Civil, apresentou o pedido de demissão ao Ministro de Administração Interna esta quarta-feira. "Na sequência do pedido de exoneração, por motivos pessoais, do Secretário de Estado da Proteção Civil, …

Câmara de Lisboa volta a dar isenção de taxas ao Rock in Rio

A Assembleia Municipal de Lisboa aprovou, esta terça-feira, que a organização do Rock in Rio fica novamente isenta do pagamento de taxas, no valor de três milhões de euros, pela realização das edições de 2020 …

Pelo menos 23 crianças morreram em incêndio em escola na Libéria

Um incêndio deflagrou nesta quarta-feira num colégio interno nos subúrbios da capital da Libéria, Monróvia. Dezenas de crianças morreram - 23 segundo a BBC, 27 de acordo com a Reuters. “As crianças estavam a aprender o …