Greve dos motoristas. Ministro da Economia quer rever a Lei da Greve

António Cotrim / Lusa

O ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira

Pedro Siza Vieira considera que se deve avaliar se a Lei da Greve deve ser mantida ou não. O ministro da Economia sublinhou ainda a necessidade de “moderar consumos” na fase que se avizinha, a greve dos motoristas.

Esta terça-feira, o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, questionou se a Lei da Greve, dos anos 1970, deve ser mantida ou não.

Em entrevista à RTP, o governante disse que a lei deveria ser revista: “tem de ser equacionada do ponto de vista político”, disse, citado pelo Observador.

“Os protagonistas políticos têm que verificar e ponderar a conveniência, a necessidade de rever a lei da greve nessa matéria”, disse, acrescentando que “faz sentido” pensar se se deve manter a lei ou não. A questão está relacionada com a greve dos transportadores de matérias perigosas e, segundo o ministro, com a “regulação das situações de trabalho”.

De acordo com a Renascença, Arménio Carlos, líder da CGTP, disse que “a declaração do ministro da Economia é um atentado aos direitos, liberdades e garantias, nomeadamente ao direito à greve”.

Sérgio Monte, secretário-geral adjunto é da mesma opinião e considera que não é necessário mudar a lei. “Nestas alturas – e não é a primeira vez – quando aparece uma classe profissional com mais poder reivindicativo, ou uma greve que se prolonga por mais tempo, há sempre esta vontade de mudar a lei da greve, mas não devemos fazer qualquer mudança a qualquer lei em cima do acontecimento.”

Já Luís Gonçalves da Silva, professor de Direito do Trabalho na Faculdade de Direito de Lisboa, concorda com o ministro e defende que o “diploma de 1974, precisa de ser revisitado e de ser objeto de uma reflexão profunda”.

Ainda sobre a greve, que irá iniciar no dia 12 de agosto, o ministro da Economia disse que “o sindicato tem dito que vai cumprir os serviços mínimos que forem determinados” e garantiu que “haverá meios alternativos de natureza pública”.

Além disso, Pedro Siza Vieira frisou a necessidade de se “moderar os consumos” durante a greve e que “se evitem deslocações desnecessárias” durante esses dias. Em declarações à RTP; afirmou: “é preciso encarar com alguma calma e tranquilidade esta situação”.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Rever a lei da greve, pois aquando do famoso 25 Abril de 1974 tudo e todos tinham direito á greve, passados quase 5 décadas os da esquerda querem esquecer (limpar) esse mesmo direito. Que pela ótica só será para alguns ou talvez para ninguém !! Os politicos são mesmo assim mudam conforme as conveniências para eles não é para o povo. Já dizia o Mario Soares Só um burro é que não muda ou o que hoje é verdade amanhã é mentira – isto só é aplicado por pessoas SEM PALAVRA e Sem qualquer RESPEITO pela dita Democracia, que não sabemos onde anda… Se os trabalhadores não se podem manifestar c/ greves vão-se manifestar como? Enfim Politicos…

  2. Obviamente que a lei da greve tem de ser revista!! E por várias razões:
    1 – Passaram 45 anos desde 1974!!! O mundo mudou muito neste período! Tudo está diferente: a distribuição das classes sociais, as empresas e as relações empregador-empregado, a estrutura produtiva do país (mais setor terciário), etc. Tudo boas razões para rever a Lei da Greve á luz da realidade actual! Houve mudanças para melhor, e outras para pior, mas o importante neste contexto é que tudo está diferente!!!
    2 – Quando existe alguma greve, de maior ou menor impacto, o que se mede não são os resultados alcançados!! O que se mede, e o que é alardeado, é a percentagem de adesão, e principalmente os incómodos causados a terceiros, e os prejuízos que foram causados a alguém!
    3 – Não sei quantos trabalhadores existem que possam fazer greve: alguns setores do funcionalismo público, transportadores (pessoas e mercadorias perigosas ou não), saúde, e pouco mais! Não sei se estes setores representam, ou não, uma maioria da população, mas suspeito que provavelmente não! O que significa que a maioria da população (ou pelo menos uma percentagem significativa), não tem força política, nem material, para fazer greve! E portanto existe aqui claramente uma forte injustiça.
    4 – Em muitos casos a greve acaba por ser quase vantajosa para os empregadores, porque “poupam” nos salários! E digam-me, de todas as greves existentes nos últimos tempos, quais os benefícios reais e efectivos que foram obtidos??? Os sindicatos dirão que foram imensos, mas a realidade nua e crua qual é??

    Deve existir o direito à greve? Seguramente que sim!!! O que não deve existir é o direito de prejudicar milhões de pessoas para uns poucos benefícios de algumas centenas ou poucos milhares!
    E é por tudo isto… que a Lei da Greve, tal como muitas outras leis desajustadas, deve ser revista!
    E os trabalhadores terão de ser criativos a encontrar outras formas de luta, mais eficazes e menos injustas!!

    • Não vou comentar este tema !!!………………… Sr. Nuno, opinou e argumentou, da mesma forma que eu iria comentar. Há pessoas de bom senso, e Você e Eu somos duas .

Responder a Nuno Cancelar resposta

Criada para prevenir a guerra, a ONU enfrenta um mundo profundamente polarizado

Criada após a Segunda Guerra Mundial para evitar novos conflitos, a Organização das Nações Unidas (ONU) comemora esta segunda-feira o 75.º aniversário, num mundo polarizado que enfrenta uma pandemia, conflitos regionais, uma economia em declínio …

Mulher cai de carro em movimento enquanto grava vídeo para o Snapchat

Uma mulher, que ocupava o lugar do passageiro de um carro em movimento, caiu numa auto-estrada enquanto filmava um vídeo para a rede social Snapchat, no Reino Unido. Segundo a CNN, a mulher estava pendurada na …

Nos Estados Unidos, a venda de discos em vinil ultrapassou a de CD pela primeira vez desde 1986

Pela primeira vez desde 1986, as vendas de discos de vinil ultrapassaram as vendas de CD nos Estados Unidos em 2020. Os números foram apresentados na semana passada pela Associação Americana da Indústria de Gravação, …

Mourinho espera ganhar sem jogar

Tottenham iria defrontar o Leyton Orient mas também no Reino Unido há jogos de futebol em causa por causa do coronavírus. O encontro entre Leyton Orient e Tottenham, relativo à terceira eliminatória da Taça da Liga …

A máfia italiana tem uma nova arma de recrutamento: o TikTok

Os jovens membros da Camorra, organização criminosa aliada à máfia siciliana, estão a recorrer ao TikTok para divulgar o seu estilo de vida e recrutar novos membros. Em maio, um vídeo foi publicado no TikTok que …

Os três segredos para ter um bom sistema imunológico são gratuitos, avisa Fauci

Manter o sistema imunológico saudável é um dos fatores-chave para lidar com a covid-19, o que não implica necessariamente a toma de suplementos vitamínicos. Há uns tempos, quando confrontado com o facto de a atriz Jennifer …

Pinguim encontrado morto no Brasil com uma máscara inteira no estômago

Um espécime de pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) foi encontrado morto numa popular praia brasileira e a autópsia ao corpo revelou que o animal tinha no seu estômago uma máscara de proteção facial N95. O animal foi …

Trump quer restabelecer sanções ao Irão. ONU rejeita apoiar posição norte-americana

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, disse que somente apoiará a restituição de sanções ao Irão, exigidas pelos Estados Unidos (EUA), se receber luz verde do Conselho de Segurança. Numa carta dirigida …

Designer holandês desenvolve "caixão vivo" feito com fibras de fungos

Um corpo humano pode demorar cerca de uma década a decompor-se dentro de um caixão. Com o Living Cocoon, o tempo é reduzido para dois ou três anos. Bob Hendrikx, biodesigner fundador da Loop, desenvolveu e …

Relógio em Nova Iorque mostra o tempo restante para reverter efeitos do aquecimento global

O Metronome, icónico relógio digital de Nova Iorque, deixou de mostrar o tempo do dia-a-dia e mostra agora o tempo restante que o nosso planeta tem para reverter os efeitos do aquecimento global. O relógio digital …