Ministra volta atrás, descarta congelamento das carreiras e admite aumentos na Função Pública

António Pedro Santos / Lusa

Alexandra Leitão, ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública

Esta segunda-feira, a ministra da Administação Pública disse, em entrevista à Antena 1, que não poda excluir o congelamento das carreiras. Já na quarta-feira, em declarações à TSF, Alexandra Leitão mudou o discurso.

Em entrevista à TSF, a ministra da Administração Pública, Alexandra Leitão, alinhou-se ao discurso do primeiro-ministro de que a recuperação económica não será feita através de uma linha de austeridade. “O Estado tem de pilotar a retoma, com investimento público e com a recusa de políticas de austeridade, que retirem rendimentos às pessoas”, disse a ministra.

Para Alexandra Leitão, cabe ao Estado “um papel pro-activo e de contra-ciclo”. Nesse sentido, a ministra afirmou que “não é retirando rendimentos à economia – seja a particulares ou a empresas – que vamos conseguir ter esta intervenção contra-cíclica”.

Na entrevista, a ministra foi confrontada com a contradição entra a defesa desta estratégia e a possibilidade de congelar os rendimentos e as carreiras dos milhares de funcionários públicos. “O que digo é que não é o caminho que vamos seguir“, respondeu Alexandra Leitão, admitindo que “os próximos meses serão cruciais” para a definição das medidas a tomar para o relançamento da economia.

“Sempre numa lógica de responsabilidade, temos de assumir que podemos ter de fazer ajustes. Mas, neste momento, não vislumbramos que esses ajustes passem por cortes ou congelamentos”, explicou.

Alexandra Leitão admitiu mesmo que o aumento salarial para os funcionários públicos em 2021 é uma hipótese em cima da mesa. “A questão de um aumento, qualquer que ele seja, naturalmente depende da evolução da trajetória do país”, disse. “Neste momento não excluo esse cenário”.

A ministra deixou ainda claro que “um dos factores importantes nesta equação” será o montante que a União Europeia decidir atribuir a Portugal como forma de compensar a perda de receitas provocada pela pandemia de covid-19.

Estas declarações surgem dias depois de a ministra da Administração Pública ter admitido que num cenário de austeridade, fazer cortes salariais “não será a primeira opção” do Governo, mas o congelamento de carreiras depende do evoluir da situação económica e não pode ser excluída “liminarmente”.

Os sindicatos que representam a Função Pública reagiram de imediato, recusando “liminarmente” a hipótese de congelamento de carreiras e a travagem nos aumentos salariais prometidos para o próximo ano.

No início de maio, a ministra também disse no Parlamento que, apesar de ser um compromisso “que gostaria de conseguir honrar”, não garantia aumentos salariais de 1% na Função Pública em 2021.

ZAP ZAP //

 

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Como pessoa, a figura já não ajuda; como ministra, a imprecisão nas declarações, muito menos. Que tal fazer um bom TPC, antes de abrir a boca?

  2. Ok.
    Portanto se Portugal ficar mais pobre, onde vamos buscar e a quem vamos tirar dinheiro para dar à função pública?
    Sempre achei que a função pública, como pública que é, devia caminhar ao lado da saúde financeira do país, mas em Portugal parece que a função pública tem uma velocidade própria!

  3. É como a maioria do funcionalismo público. Como têm o emprego garantido, vamos lá a… roçar o dito pelas paredes.

    • Claro…!!! enquanto uns funcionários públicos andaram a roçar os ditos no meio do suor das túnicas e batas a tentar salvar pessoas outros, privados roçavam os ditos no sofá em pseudo tele-trabalho. Generalizar é fácil, difícil é ser objectivo.

      • Grande objectividade, mas só falou da saúde.
        Esqueceu aqueles que ficaram sem trabalho porque as empresas fecharam, e não eram funcionários públicos.
        Esqueceu-se das empresas que tiveram que contrair créditos para suportar, como diz, “os que roçavam os ditos no sofá”, não são empresas públicas e esses créditos terão de ser pagos.
        Que tal falarmos daqueles que já passam fome porque viram os seus rendimentos desaparecerem, não encontra aí nenhum funcionário público.
        Mas pode falar dos funcionários judiciais, dos funcionários do ensino, dos funcionários das repartições públicas, dos funcionários dos postos médicos locais, etc, esses são mesmo funcionários públicos e foram apoiados pelo estado, que somos todos nós, e não contraíram créditos, não terão que devolver o que receberam.
        Grande objectividade a sua.
        Não retiro o mérito aos profissionais de saúde que tanto esforço fizeram e continuam a fazer, apenas gostaria que tomasse em atenção que os técnicos fora da área da saúde e distribuição de bens de primeira necessidade foram obrigados pelo governo a ficarem confinados em casa, “a roçar os ditos no sofá”, como diz.

      • Os FPs que metem nojo, não são médicos, enfermeiros, bombeiros, etc.. , são a cambada de incompetentes , burocratas, “paus mandados”, e afins que ocupam espaço (quando estão lá) em repartições, escritórios e departamentos com funções que não servem absolutamente para nada de útil ,e apenas para nos complicar e nos humilhar a vida, e que tem sempre mais direitos que os que supostamente deviam “servir”. Não confunda o útil e necessário com o inútil e desprezível. Se os trabalhadores das empresas estão lay-off, se há menos produção, comércio, etc, porque não estão os FP que encrencam a vida dessas pessoas e dessas empresas tb em lay-off? Servem o quê? Se a ministra errou ao voltar atrás, não sei , mas o bafo do sindicato passou a máscara dela de certeza. E Joe, suponho que você nem é medico, nem enfermeiro, nem bombeiro, nem etc.

RESPONDER

Nova Iorque quer oferecer vacina aos turistas. Miami vai começar a vacinar no aeroporto

Em Nova Iorque os turistas irão receber a vacina da Johnson & Johnson e em Miami a vacina da Pfizer. Com o objetivo de reativar o turismo na cidade, as autoridades de Nova Iorque querem oferecer …

Carta misteriosa escrita por passageira do Titanic está a intrigar os peritos

Uma equipa de investigadores está a tentar desvendar um mistério que envolve uma carta que terá sido escrita por uma jovem a bordo do Titanic na véspera do naufrágio. Uma família encontrou a carta numa garrafa …

Violência na Colômbia preocupa comunidade internacional

Várias cidades colombianas continuam a ser palco de violentas manifestações contra o Governo do país, mas são reprimidas com força pela polícia e por militares. As manifestações começaram em forma de protesto contra uma reforma tributária …

Veterana de Bletchley Park tem um novo código da 2.ª Guerra para decifrar (mas precisa de ajuda)

Um casal que encontrou mensagens codificadas da II Guerra Mundial sob o assoalho está tentar decifrá-las com a ajuda do seu vizinho, um decifrador de códigos de Bletchley Park. John e Val Campbell encontraram um esconderijo …

"Caixas mistério" com animais de estimação geram indignação na China

Uma nova moda conhecida como "caixa mistério" ganhou popularidade na China. O método consiste em fazer uma encomenda através da internet e é enviada, pelo correio, uma caixa com um animal de estimação. Estas encomendas estão …

Arquivos da polícia do Estado Islâmico revelam como era a vida sob o califado

Arquivos da polícia do Estado Islâmico, conhecida como shurta, revelam como era a vida sob o califado. Os polícias eram tão bem pagos que não podiam ser subornados. Não é sempre que os regimes mirram …

Barco português detido por ancorar ilegalmente em águas da Malásia

Um navio mercante registado em Portugal está retido na Malásia por ter alegadamente ancorado em águas territoriais do país sem autorização, avançou esta sexta-feira a Guarda Costeira malaia. Num comunicado, Nurul Hizam Zakaria, diretor da agência …

”Eficácia e qualidade”. OMS aprova vacina chinesa da Sinopharm

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou, esta sexta-feira, o uso de emergência da vacina chinesa contra a covid-19 da Sinopharm. Trata-se da primeira vacina desenvolvida pela China a ser aprovada pela organização, lembra a agência …

Sem estado de emergência não pode haver confinamento de pessoas saudáveis

O constitucionalista Jorge Reis Novais defendeu hoje que sem estado de emergência que suspenda a garantia do artigo 27.º da Constituição não pode haver confinamento de pessoas saudáveis, até uma eventual revisão constitucional. Por outro lado, …

"Neuro-direitos". O Chile quer proteger os seus cidadãos do controlo da mente

O Chile quer tornar-se o primeiro país a proteger as pessoas do controlo da mente, à medida que a capacidade de mexer com cérebros se aproxima cada vez mais da realidade. O senador Guido Girardi está …