/

Mais de mil operacionais combatem cinco grandes fogos em Portugal

Paulo Cunha / Lusa

Mais de 1100 operacionais e 16 meios aéreos estão a combater, esta quinta-feira, os cinco maiores incêndios rurais em território continental, concentrados sobretudo na região Centro, de acordo com dados da Proteção Civil.

Segundo o site da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, pelas 19h00 estavam no terreno 1115 operacionais das forças de socorro e segurança, 334 meios terrestres e um total de 16 meios aéreos a combater os cinco maiores incêndios.

Às 19h25, o incêndio com mais meios registava-se numa zona de mato em Sernancelhe, no distrito de Viseu, com 295 operacionais, 88 veículos e três meios aéreos e estava ativo desde as 12h02.

Em declarações à agência Lusa, o responsável do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viseu, Miguel Ângelo David, disse que já foram retiradas pessoas idosas de algumas aldeias para lugares mais seguros.

No Fundão, Castelo Branco, lavra um incêndio numa zona de povoamento florestal, desde cerca das 14h00, mobilizando 268 operacionais, 77 veículos e oito meios aéreos.

No distrito da Guarda, no concelho de Sabugal, um incêndio em mato lavra desde as 13h46, contando com 206 operacionais, 63 veículos e dois meios aéreos.

Em Porto de Mós, no distrito de Leiria, lavra um incêndio numa zona de mato, desde as 02:45, que mobiliza 193 operacionais, 60 veículos e um meio aéreo.

O distrito de Vila Real registava dois grandes incêndios pelas 19h00, em Alijó e Sabrosa, que mobilizavam quase 300 operacionais e oito meios aéreos, segundo a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

No total, há 15 incêndios em todo o país. Segundo o jornal Público, a ANEPC falou de “um dos dias mais complicados do ano“, em que cerca de 4600 operacionais combateram 113 ocorrências.

Portugal continental entrou em situação de alerta, às 00h00 desta quinta-feira, até às 23h59 de sexta-feira, face à previsão de “um significativo agravamento do risco de incêndio rural”.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.