Mercado de compras online pode não ser tão lucrativo quanto se pensa (e pode estar perto do fim)

Muitas pessoas provavelmente presumem que as lojas online estão a fazer uma fortuna, mas a realidade é bem diferente. Muitas atividades de comércio eletrónico são, na verdade, não lucrativas.

Se as pessoas tivessem que pagar o custo real do que compravam online, provavelmente comprariam menos. Na verdade, investigadores acham que há um ponto de inflexão a aproximar-se, quando os consumidores terão que pagar mais por compras online ou ter menos produtos e serviços para escolher.

Comecemos pelo sucesso da Amazon, que registou lucros e receitas recordes em 2018. Esta é uma ótima notícia para os acionistas da Amazon, mas uma observação mais profundo revela um panorama diferente. Para começar, a maior parte do lucro não veio das atividades de retalho.

A Amazon Web Services, um serviço de hospedagem na cloud, gerou mais receitas operacionais do que toda a operação de vendas online da empresa norte-americana — e com margens cinco vezes mais altas.

Mesmo assim, este foi um desempenho muito melhor da divisão de vendas online em comparação com 2017, quando a receita operacional da empresa foi completamente contrabalançada pelas perdas nas vendas online. Nesse ano, a receita operacional positiva da Amazon foi inteiramente graças ao negócio da cloud.

Impulso no lucro

A melhoria das vendas online da Amazon em 2018 surgiu graças ao aumento do custo do comércio eletrónico para o consumidor. Por exemplo, a Amazon aumentou o custo anual de membro do serviço de atendimento ao cliente prioritário Prime em 20%, fixando-se atualmente nos 119 dólares.

De acordo com uma estimativa, este aumento nos EUA representou quase um terço da margem operacional da Amazon North America em 2018. No entanto, nem toda esta lucratividade extra parece sustentável: a Amazon está a registar um crescimento menor na América do Norte e um declínio em alguns países.

A Amazon também tem visado os produtos CRaP (Cannot Return a Profit), que são aqueles que o lucro não é suficiente para cobrir os custos, como água engarrafada, refrigerantes e snacks.

A Amazon tem pressionado os fabricantes destes produtos a reduzir os custos de vendas. É improvável que isso aconteça, visto que em muitos casos há pouco espaço para melhorias. Isto forçará a Amazon a escolher entre cobrar mais por esses produtos ou simplesmente deixar de os vender, o que se traduzirá em preços mais altos para os consumidores ou numa seleção mais restrita no site.

O principal rival, o Walmart, tem as suas próprias técnicas para tentar tornar as vendas online mais lucrativas. A nova abordagem aos produtos CRaP é escondê-los dos resultados de pesquisa do consumidor, mostrando-os como estando fora de stock.

Visto como um todo, o ponto de inflexão nas compras online mencionado anteriormente pode estar a aproximar-se. Podemos ter atingido o pico de conveniência e preços baixos, e agora estaremos a entrar num mundo de ofertas mais direcionadas, com menos cobertura geográfica e talvez preços ainda mais altos — tudo isto vai desacelerar a curva de crescimento deste negócio.

PARTILHAR

RESPONDER

Bill Gates é o homem mais admirado do mundo. Ronaldo também está na lista

O cofundador da Microsoft já não é o homem mais rico do mundo, mas continua a ser o mais admirado. Cristiano Ronaldo é o 7.º. Na semana passada, Bill Gates perdeu o lugar que ocupava há …

Volvo vai chamar à oficina mais de 500 mil carros até ao fim do ano

O problema detetado no motor dos carros poderá afetar os automóveis a diesel de quatro cilindros, construídos entre 2014 e 2019, nas marcas V40, o V60, V70, S80 e XC60. A Volvo retirou cerca de 70 …

A baunilha é mais cara do que a prata (e há já quem mate pelo "ouro verde")

A baunilha, que era vendida em 2015 por cerca de 90 euros o quilograma, disparou no ano passado para 535 euros, ultrapassando assim o valor da prata. Esta subida que quase sextuplicou o valor da …

"Nova Expo". 300 milhões para requalificar zona ribeirinha entre Pedrouços e Cruz Quebrada

O projeto que vai requalificar a zona ribeirinha entre Pedrouços e Cruz Quebrada conta com um investimento de 300 milhões de euros. À zona ocidental de Lisboa já lhe chamam de "nova Expo". A zona ribeirinha …

Descoberta imensidão de tesouros arqueológicos ao largo da Galiza. São mais de 1.600 objetos

Trabalhos de arqueologia subaquática ao largo das costas galegas permitiram descobrir nas últimas três décadas um total de 1600 objetos arqueológicos. As peças afundaram-se ao longo dos séculos durante inúmeros naufrágios e ali se foram acumulando. …

27 anos depois, Clã anunciam saída de dois elementos

Mais de um quarto do século após a sua formação, a banda do Porto vê dois dos seus elementos fundadores partirem. Os Clã anunciaram a saída de dois dos seus elementos através de um comunicado publicado …

Reduzir o uso de ar condicionado pode ajudar a salvar vidas

Há muitas pessoas a precisar da ajuda preciosa do ar condicionado para sobreviver a temperaturas cada vez mais altas. Contudo, aquele que pensamos ser o nosso maior aliado pode ser, na verdade, o nosso pior …

Porto vai ter policiamento gratificado em "zonas particularmente sensíveis"

Rui Moreira diz que nos últimos 20 anos não houve investimento na polícia e afirma que o espaço público "não pode ser apropriado por gangues". O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, anunciou esta segunda-feira …

Altos níveis de ferro associados a um menor risco de doença cardíaca

Diferentes níveis de ferro podem ter efeitos dispares na nossa saúde. Uma equipa de cientistas descobriu uma associação entre altos níveis de ferro e um menor risco de doença cardíaca. A tarefa não foi propriamente fácil …

Quénia. Ministro das Finanças preso por suborno e fraude

O Ministro das Finanças do Quénia, Henry Rotich, e vários funcionários do seu ministério foram presos esta segunda-feira por suborno e fraude num projeto de construção de duas barragens que envolve milhões de dólares. Em declarações …