Costa anuncia novas medidas “para salvar empregos e empresas”. Estado de emergência deve ser alargado

Manuel de Almeida / Lusa

Esta sexta-feira, António Costa esteve reunido em Conselho de Ministros para debater as medidas de apoio social e económico para a população, na sequência da pandemia de Covid-19.

Além de ser um momento de emergência sanitária, António Costa frisou que este é um momento de “urgência económica”. Por isso, “é preciso preservar o emprego, os rendimentos e impedir que as empresas encerrem as suas portas”.

Até junho, serão três meses decisivos: “será um trimestre muito duro. O que é essencial é assegurar a travessia dos três meses pela frente para que, em junho, se possa” analisar os danos sofridos.

“As empresas que, neste momento, estão a sofrer um forte condicionamento da sua atividade têm de subsistir, os postos de trabalho que existem não podem desaparecer e os rendimentos das famílias não podem ser mais fragilizados”, declarou o primeiro-ministro, afirmando compreender “a angústia de famílias e empresas”.

“Seria irrealista neste momento estar a apresentar um programa de relançamento da economia. Trata-se de nos concentrarmos em salvar vidas, e, no lado da economia, salvar vidas, empregos, rendimentos e empresas“, sublinhou.

Nesse sentido, a primeira medida anunciada foi a criação de linhas de crédito. Serão alargadas as linhas de crédito já anunciadas para apoiar outros setores, nomeadamente o comércio, agora particularmente atingido pelo fecho de estabelecimentos. No entanto, as linhas de crédito para as empresas serão dadas “sob condições de manutenção de emprego”.

António Costa anunciou ainda o adiamento para o segundo semestre do ano o pagamento de dois terços das contribuições sociais, assim como as entregas de IVA, IRS e IRC destes três meses para preservar a atividade e os postos de trabalho.

Foi ainda decidida a suspensão do prazo de caducidade dos arrendamentos que viessem a caducar nos próximos três meses, de forma a assegurar a habitação neste período.

O primeiro-ministro anunciou a prorrogação automática dos subsídios de desemprego, do complemento social para idosos e do rendimento social de inserção, que serão automaticamente renovados por três meses.

“Temos de atacar o problema na origem: manter o emprego. É aí que temos de concentrar todo o nosso esforço”, resumiu António Costa, acrescentando que estão a ser preparados e discutidos na Assembleia da República mais apoios sociais.

No entanto, no que diz respeito aos apoios às empresas, António Costa sublinhou que estes têm uma contrapartida: não pode haver despedimentos. Este é o objetivo mais importante e a prioridade que levou ao aumento das linhas de crédito. “Destruindo emprego, estamos a destruir a principal fonte de rendimento das famílias.”

A pandemia de Covid-19 tem um “impacto extraordinário”, e essa é uma verdade que o primeiro-ministro não tenta negar. No entanto, sublinhou, “não podemos aceitar que esse impacto se torne irreversível. Temos de conseguir preservar-nos até junho para podermos avaliar danos e perspetivar futuro em conjunto”.

“É nosso dever enfrentar o surto, mas também tranquilizar famílias e empresas de que haverá um novo futuro. Para isso, é preciso chegar a junho em condições de poder encarar com confiança e preparar o relançamento da economia”, disse.

Estado de emergência deve estender-se

“Ninguém sabe se daqui a 15 dias estamos a renovar este estado de emergência. Vamos ser francos, não será daqui a 15 dias que vai haver razões para não renovar o estado de emergência”, admitiu o primeiro-ministro, durante a conferência de imprensa desta sexta-feira.

Em determinado momento, criou-se uma “ilusão” de que, se o país parasse durante 15 dias, seria suficiente para fazer desaparecer o vírus. “Infelizmente não é assim“, reiterou. “Temos de olhar com realismo para o que as autoridade de saúde nos descrevem. Dizem que terá o pico em meados de abril e até ao meio de maio. Vamos viver com muitas limitações na nossa vida coletiva que têm um fortíssimo impacto na economia.”

António Costa sublinhou que o momento que vivemos é “absolutamente extraordinário” e, apesar de assegurar que o objetivo primordial é “preservar o emprego para que as famílias não percam o rendimento”, o governante foi tenaz: “Claro que não podemos assegurar 100% de rendimento e de liquidez”.

“Sabemos que podemos contar com os portugueses que de forma exemplar têm sabido comportar-ser nesta ameaça terrível. Esta não é uma luta só contra o vírus, é uma luta pela nossa sobrevivência com saúde, mas por um país que crie emprego e que essa prosperidade possa ser partilhada”, afirmou.

O Governo reuniu-se esta sexta-feira em Conselho de Ministros para debater as medidas de apoio social e económico, depois de na véspera ter apresentado um primeiro lote de medidas. Nos próximos dias, o Executivo vai monitorizar a execução destas medidas e, se for necessário, tomará outras mais restritivas.

LM, ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Isto é tudo muito lindo mas uma vez mais o estado quer pôr os empregadores a suportar a totalidade do custo desta crise. E o que diz é: endividem-se que assim não nos endividamos nós!
    Só que o nosso PM esquece-se que as empresas em Portugal estão totalmente endividadas. São de resto as mais endividadas de toda a Europa. Já no passado quando se falava em programas de capitalização das empresas consistiam em empréstimos, ou seja, endividamento das empresas.
    Este é um problema nacional e o Estado não se pode desresponsabilizar atirando o custo integral para as empresas. É preciso muito mais do que obrigar as empresas a endividarem-se. Se assim for muitas preferirão despedir ou mesmo declarar insolvência, face à incapacidade de despedir e indeminizar trabalhadores. Os tempos que se seguem serão seguramente muito difíceis.

  2. Diga-se em abono da verdade que a economia se encontra em estado de agonia desde 2015. Não será o corona virús o causador desta degradação. Experimentou alguma melhoria de 2011 a 2015, houve até esperança que escapasse com vida mas teve uma recaída e têm-se degradado de forma expressiva pelo que no último trimestre teve de ser ligada à máquina. Finalmente o virús mais maléfico não é o corona é o Costa.

  3. «…Ninguém sabe se daqui a 15 dias estamos a renovar este estado de emergência. Vamos ser francos, não será daqui a 15 dias que vai haver razões para não renovar o estado de emergência…» – António Costa in ZAP aeiou

    E se milhares de cidadãos saírem ás ruas para demonstrar que não concordam com estes métodos e abordagem para a contenção do Covid-19, impostas pela presidência da República, governo, e partidos que estão na Assembleia da República (AR), exigindo que outra estratégia seja apresentada para enfrentar a crise económica e a pandemia?

    Vão dar ordem ás Forças de Segurança e ás Forças Armadas (FArm) para prender ou agredir os cidadãos?

    Quando afirmam pela voz do sr. Costa:

    «…não será daqui a 15 dias que vai haver razões para não renovar o estado de emergência…»

    Significa o quê? Que estão a tentar provocar o desespero nos cidadãos para que os mesmos reajam com violência, e a partir daí vocês terem o pretexto para tomar medidas mais extremistas com o objectivo de destruir a República, o Estado de Direito, as Liberdades Civis, a economia, e o trabalho, em Portugal.

RESPONDER

TAP quer limitar direito à greve e menos férias. Sindicatos indignados

Vários sindicatos que receberam a proposta da TAP para um acordo de emergência a vigorar até ao final de 2024 estão indignados com várias das medidas previstas no documento. Segundo a rádio TSF, que teve acesso …

Ministro do Ambiente ouvido no parlamento sobre venda de seis barragens da EDP

O ministro do Ambiente é esta terça-feira ouvido no parlamento, a propósito da venda de seis barragens da EDP, situadas na bacia hidrográfica do Douro, a um consórcio liderado pela Engie, por 2,2 mil milhões …

Boris Johnson diz que "não existem respostas fáceis" para elevada mortalidade no país

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse esta quarta-feira que "não existem respostas fáceis" para o facto de o Reino Unido ser o país na Europa com mais mortes atribuídas a covid-19, ao ultrapassar a barreira …

Biden põe termo a contratos com as prisões privadas

A conselheira em política interna do Presidente dos Estados Unidos (EUA), Susan Rice, informou que Joe Biden iria assinar na terça-feira um decreto para pôr termo à utilização das prisões privadas do país no sistema carcerário …

Rodrigues dos Santos quer dar a mão ao PSD para derrotar Medina em Lisboa

Francisco Rodrigues dos Santos considera que uma coligação PSD/CDS-PP nas eleições autárquicas é a “única hipótese” para derrotar o atual presidente da Câmara de Lisboa, o socialista Fernando Medina, mas recusa adiantar quem poderá ser …

Patrões não podem recusar apoio nem faltas justificadas aos pais

Especialistas destacam que as entidades empregadoras não podem opor-se às faltas justificadas de pais que fiquem em casa para tomar conta dos filhos, nem recusar-se a prestar o apoio excecional à família. Com o encerramento das …

Voos e 2 mil libras. Reino Unido oferece incentivos a cidadãos da UE que queiram abandonar o país

O Governo britânico está a oferecer incentivos financeiros para os cidadãos da União Europeia (UE) deixarem o Reino Unido, meses antes do prazo para solicitar o estatuto de residente permanente De acordo com o jornal britânico …

Novo máximo diário de mortes por covid-19. Há mais 15.073 novos casos e 293 óbitos

Portugal registou esta quarta-feira 15.073 novos casos de infeção por covid-19 e mais 293 mortes, o maior número de óbitos em 24 horas desde o início da pandemia, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde …

Três sismos abalaram a cidade de Granada na passada noite. Pedro Sánchez pede "calma"

Mais de meio milhão de pessoas que vivem em Granada, sul de Espanha, despertaram hoje inquietas depois do sobressalto causado durante a noite por três sismos de magnitude superior a quatro graus seguidos de 30 …

Isabel dos Santos vai ter mesmo de pagar 339,4 milhões de dólares à Sonangol

O Tribunal de Recurso de Paris decidiu, esta terça-feira, a favor da PT Ventures (Sonangol), no âmbito do processo de anulação interposto pela Vidatel, da empresária angolana, que terá de pagar 339,4 milhões de dólares. Em …