Medidas do Governo para editoras e livrarias mostram “desconhecimento da realidade”

friendssfpl / Flickr

A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) afirmou discordar das medidas de apoio ao setor anunciadas pela ministra da Cultura, considerando que só se justificam por “um grande desconhecimento do que é a realidade”.

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, anunciou esta quinta-feira que foram destinados 600 mil euros para aquisição de livros, a distribuir por bibliotecas e pelas redes de ensino de português no estrangeiro e de centros culturais, assim como um reforço de 45 mil euros, para apoiar o setor, no contexto da pandemia de covid-19.

Não se aproxima de nada daquilo que nós propusemos, não resolve os problemas dos editores e nem dos livreiros”, disse à agência Lusa João Alvim, presidente da APEL, associação que tinha apresentado à tutela um conjunto de propostas de medidas, para ajudar o mercado livreiro a fazer face à crise decorrente das medidas restritivas impostas para travar a propagação do novo coronavírus.

Para João Alvim, o pacote de medidas anunciadas pela tutela “só se podem entender à luz de um grande desconhecimento da situação que se vive no mundo do livro”. “Não vejo em que é que estas verbas e a forma como estão direcionadas vão resolver o que quer que seja”, disse o presidente da APEL, notando que “os critérios não são muito claros ainda”.

Para João Alvim, que sublinha não concordar com esta situação, “o problema deve ser encarado de outra forma e resolvido de outras formas”.

As medidas propostas ao ministério pela APEL foram o alargamento da Lei do Preço Fixo, à semelhança de outros países como França e Espanha, um subsídio a fundo perdido para as rendas das livrarias, durante o período de inatividade, e revisão da lei do arrendamento para livrarias, redução do IVA a 0% no livro, por um período de um ano, que permita criar uma margem adicional a todo o setor livreiro e editorial, e uma linha de crédito especial para as livrarias poderem satisfazer os compromissos com os editores seus fornecedores.

Foi ainda proposta a flexibilidade laboral, sempre salvaguardada pelo respeito profissional e pela proteção social, a criação de uma linha a fundo perdido para apoio às editoras no desenvolvimento de novos projetos, aquisição de livros pelas bibliotecas aos livreiros e oferta de cheque-livro às famílias para relançar a atividade.

Programa com mais de meio milhão

O ministério da Cultura anunciou o lançamento de um programa, coordenado pela Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB), no valor global de 400 mil euros, para aquisição de livros, a preço de venda ao público, dos catálogos das editoras e livrarias, até um máximo de 5 mil euros por editora e livraria, a serem distribuídos pela Rede de Ensino de Português no Estrangeiro (Cátedras, Centros de Língua Portuguesa, Leitorados) e Rede de Centros Culturais.

As editoras e livrarias apresentam à DGLAB uma proposta para aquisição, com uma lista de livros dos seus catálogos, e essas propostas são avaliadas em função de critérios definidos em regulamento e das necessidades das redes.

Segundo o Ministério da Cultura, este programa “destina-se às pequenas editoras e livrarias” que sejam pessoas coletivas dotadas de personalidade jurídica, sediadas em Portugal e com atividade editorial ou livreira regular há pelo menos dois anos.

Estão abrangidas por este programa obras de poesia, de ficção, de teatro, de banda desenhada, de literatura infantojuvenil e de ensaio nas áreas das artes e do património cultural, escritas em português e por autores portugueses.

“Esta medida tem como objetivo fundamental apoiar as editoras e livrarias portuguesas no sentido de atenuar os efeitos provocados pela pandemia”, permitindo estimular e fomentar as atividades ligadas à cadeia do livro e, ao mesmo tempo, reforçar o acervo bibliográfico daquelas redes e promover o conhecimento e a divulgação internacional dos autores portugueses.  A estes 400 mil euros acrescem 200 mil já inscritos em orçamento para compra de livros para bibliotecas da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas, privilegiando as livrarias de proximidade.

A ministra anunciou ainda a antecipação para maio da abertura das bolsas de criação literária, com um reforço no imediato de 45 mil euros, para um total de 180 mil, destinados a 6 bolsas anuais e 12 bolsas semestrais, apoiando 18 projetos originais de criação literária.

ZAP //

 

 

PARTILHAR

RESPONDER

"Quanto mais cedo, melhor". A dona da Marlboro apoia a proibição dos cigarros até 2030

O CEO da Philip Morris Internacional, dona da Marlboro, apoia a proibição da venda de cigarros, mas os activistas anti-tabaco já acusaram a empresa de hipocrisia por tentar comprar uma farmacêutica enquanto lucra com o …

Bezos e Branson não são astronautas, clarifica Administração da Aviação norte-americana

Dúvida instalou-se depois dos voos que levaram os dois bilionários ao espaço. Novas diretrizes da Administração Federal de Aviação vêm esclarecer.  Após os voos que os tornaram nos primeiros turistas espaciais, Jeff Bezos e Richard Branson …

Soldados afegãos buscam refúgio no Paquistão após perderem postos na fronteira

Quase meia centena de soldados afegãos buscaram asilo no Paquistão após perderem para os Talibãs o controle das posições militares na fronteira, informou o exército paquistanês esta segunda-feira. Centenas de soldados do exército afegão e oficiais …

Portugal ultrapassa Estados Unidos em população com vacinação completa

EUA vivem atualmente um planalto no seu processo de vacinação, com pouco mais de meio milhão de cidadãos a serem vacinados diariamente. Desaceleração no ritmo de inoculações é atribuída a motivações pessoais da população e …

Mulher que vestia camisola com capa do Charlie Hebdo ferida em Londres

Uma mulher que vestia uma camisola estampada com uma capa da revista satírica francesa Charlie Hebdo foi ferida levemente com arma branca no domingo em Hyde Park, em Londres, informou a polícia, que pediu colaboração …

Novo Banco. Comissão de inquérito aprova que resolução do BES foi "fraude política"

A comissão de inquérito ao Novo Banco aprovou uma proposta do PCP de alteração ao relatório referindo que a resolução do BES e a sua capitalização inicial, de 4.900 milhões de euros, foi "uma fraude …

BCP prevê saída de mais de 800 trabalhadores e admite despedimento coletivo

O presidente do BCP disse esta segunda-feira que deverão sair do banco mais de 800 trabalhadores, abaixo da meta inicial de 1.000, mas que depende dos funcionários que aceitarem rescindir e mantém a possibilidade de …

Jogos Olímpicos. Ouro e prata para atletas de...13 anos

Pódio muito jovem na estreia do skate feminino. A espreitar o pódio ficou uma norte-americana com quase o triplo da idade. O skate está a "viver" os seus primeiros dias na história dos Jogos Olímpicos. Inserido …

SEF e PSP reforçam fiscalização às regras aplicáveis nas viagens de avião

O SEF e a PSP reforçaram a fiscalização nos aeroportos às regras do tráfego aéreo devido às variantes de covid-19 e ao aumento do número de voos previsto para as próximas semanas, segundo um despacho …

Ramalho Eanes defende que Otelo "tem direito a lugar de proeminência" na História

O ex-presidente da República Ramalho Eanes defendeu esta segunda-feira que Otelo Saraiva de Carvalho, falecido no domingo, tem direito a um "lugar de proeminência histórica", apesar "da autoria" do que considerou "desvios políticos perversos, de …