Medidas do Governo para editoras e livrarias mostram “desconhecimento da realidade”

friendssfpl / Flickr

A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) afirmou discordar das medidas de apoio ao setor anunciadas pela ministra da Cultura, considerando que só se justificam por “um grande desconhecimento do que é a realidade”.

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, anunciou esta quinta-feira que foram destinados 600 mil euros para aquisição de livros, a distribuir por bibliotecas e pelas redes de ensino de português no estrangeiro e de centros culturais, assim como um reforço de 45 mil euros, para apoiar o setor, no contexto da pandemia de covid-19.

Não se aproxima de nada daquilo que nós propusemos, não resolve os problemas dos editores e nem dos livreiros”, disse à agência Lusa João Alvim, presidente da APEL, associação que tinha apresentado à tutela um conjunto de propostas de medidas, para ajudar o mercado livreiro a fazer face à crise decorrente das medidas restritivas impostas para travar a propagação do novo coronavírus.

Para João Alvim, o pacote de medidas anunciadas pela tutela “só se podem entender à luz de um grande desconhecimento da situação que se vive no mundo do livro”. “Não vejo em que é que estas verbas e a forma como estão direcionadas vão resolver o que quer que seja”, disse o presidente da APEL, notando que “os critérios não são muito claros ainda”.

Para João Alvim, que sublinha não concordar com esta situação, “o problema deve ser encarado de outra forma e resolvido de outras formas”.

As medidas propostas ao ministério pela APEL foram o alargamento da Lei do Preço Fixo, à semelhança de outros países como França e Espanha, um subsídio a fundo perdido para as rendas das livrarias, durante o período de inatividade, e revisão da lei do arrendamento para livrarias, redução do IVA a 0% no livro, por um período de um ano, que permita criar uma margem adicional a todo o setor livreiro e editorial, e uma linha de crédito especial para as livrarias poderem satisfazer os compromissos com os editores seus fornecedores.

Foi ainda proposta a flexibilidade laboral, sempre salvaguardada pelo respeito profissional e pela proteção social, a criação de uma linha a fundo perdido para apoio às editoras no desenvolvimento de novos projetos, aquisição de livros pelas bibliotecas aos livreiros e oferta de cheque-livro às famílias para relançar a atividade.

Programa com mais de meio milhão

O ministério da Cultura anunciou o lançamento de um programa, coordenado pela Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB), no valor global de 400 mil euros, para aquisição de livros, a preço de venda ao público, dos catálogos das editoras e livrarias, até um máximo de 5 mil euros por editora e livraria, a serem distribuídos pela Rede de Ensino de Português no Estrangeiro (Cátedras, Centros de Língua Portuguesa, Leitorados) e Rede de Centros Culturais.

As editoras e livrarias apresentam à DGLAB uma proposta para aquisição, com uma lista de livros dos seus catálogos, e essas propostas são avaliadas em função de critérios definidos em regulamento e das necessidades das redes.

Segundo o Ministério da Cultura, este programa “destina-se às pequenas editoras e livrarias” que sejam pessoas coletivas dotadas de personalidade jurídica, sediadas em Portugal e com atividade editorial ou livreira regular há pelo menos dois anos.

Estão abrangidas por este programa obras de poesia, de ficção, de teatro, de banda desenhada, de literatura infantojuvenil e de ensaio nas áreas das artes e do património cultural, escritas em português e por autores portugueses.

“Esta medida tem como objetivo fundamental apoiar as editoras e livrarias portuguesas no sentido de atenuar os efeitos provocados pela pandemia”, permitindo estimular e fomentar as atividades ligadas à cadeia do livro e, ao mesmo tempo, reforçar o acervo bibliográfico daquelas redes e promover o conhecimento e a divulgação internacional dos autores portugueses.  A estes 400 mil euros acrescem 200 mil já inscritos em orçamento para compra de livros para bibliotecas da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas, privilegiando as livrarias de proximidade.

A ministra anunciou ainda a antecipação para maio da abertura das bolsas de criação literária, com um reforço no imediato de 45 mil euros, para um total de 180 mil, destinados a 6 bolsas anuais e 12 bolsas semestrais, apoiando 18 projetos originais de criação literária.

ZAP //

 

 

PARTILHAR

RESPONDER

Diário de oficial nazi revela localização de tesouro escondido na Polónia durante a 2.ª Guerra Mundial

Um diário que esteve na posse de uma sociedade secreta durante décadas contém um mapa que descreve a localização de mais de 30 toneladas de ouro escondidas pelos nazis durante a Segunda Guerra Mundial. Escrito há …

"Pés de café" ajudam robôs a andar mais rápido (e sem tropeçar)

Uma das principais aplicações para robôs com pernas é a exploração de locais de desastre. No entanto, para atravessar os escombros, estas máquinas precisam de ter "pés" firmes. Uma equipa de investigadores da Universidade da Califórnia, …

Famalicão 2-1 FC Porto | Dragões falham reentrada

O FC Porto ficou hoje com a liderança da I Liga portuguesa de futebol em risco, ao perder em casa do Famalicão, por 2-1, na 25.ª jornada, que marca o regresso após a paragem devido …

Empresas chinesas compram soja dos EUA apesar de suspensão imposta pelo Governo

Empresas estatais chinesas terão comprado pelo menos três carregamentos de soja aos Estados Unidos (EUA), mesmo após o Governo ter levantado uma suspensão. Esta surgiu depois de Washington afirmar que terminaria com o acordo comercial …

Musk quer bombardear Marte. Pode ser só um "pretexto" para enviar armas nucleares para o Espaço

O plano de Elon Musk de bombardear Marte é apenas um pretexto para o lançamento de armas nucleares para o Espaço, disse o diretor da agência espacial russa Roscosmos, Dmitry Rogozin. Bombardear Marte para tornar o …

Quase 20 mil toneladas de combustível derramadas em rio na Rússia

https://cache-igi.cdnvideo.ru/igi/video/2020/6/2/%D0%BD%D0%BE%D1%80%D0%B8%D0%BB%D1%8C%D1%81%D0%BA.mp4 Quase 20 mil toneladas de combustível foram acidentalmente derramadas num rio no extremo norte da Rússia, levando as autoridades a declarar uma situação de "emergência" e levantando preocupações entre ambientalistas e residentes. Em comunicado, a associação …

Mais verde e mais barato. Suécia segue a Alemanha e instala a primeira turbina eólica de madeira

A Suécia instalou uma nova e interessante turbina eólica: uma torre construída em madeira. A Alemanha também já tem esta nova tecnologia. Construída a partir de materiais de fontes sustentáveis e que oferecem desempenho comparável às …

Já não mostra só as filas do supermercado. App "Posso ir?" também diz se pode ir à praia

A aplicação móvel que permite aos utilizadores consultar as filas e as afluências aos supermercados também mostra como está a praia. Agora, a aplicação "Posso ir?" vai também dizer-lhe se é ou não prudente ir dar …

Discurso xenófobo. Na Áustria, "a islamofobia tornou-se uma forma dominante de racismo"

A Áustria regista um aumento preocupante do discurso xenofóbico, em particular em relação aos muçulmanos e refugiados, alerta um relatório do Conselho da Europa. A Comissão do Conselho da Europa contra o Racismo e a Intolerância …

Um em cada quatro russos acredita que a pandemia é uma invenção

Um em cada quatro russos acredita que a pandemia de coronavírus é uma invenção, de acordo com uma pesquisa realizada pela Escola Superior de Economia de Moscou (HSE). Segundo avançou o site de notícias RBC, citado …