Reunião no Infarmed marcada por críticas ao Governo. Medidas deviam ter sido tomadas mais cedo

José Coelho / Lusa

Esta quinta-feira, a reunião no Infarmed ficou marcada por críticas ao Governo, nomeadamente quanto à falta de capacidade de antecipação para conter segunda onda de covid-19.

Para os especialistas que participaram na reunião no Infarmed, o Governo devia ter adotado medidas mais duras e mais cedo. A crítica foi feita à porta fechada, mas confirmada por duas fontes ao Observador.

O retrato que ficou da reunião é tudo menos animador: a vacina ainda é uma miragem, os hospitais estão perto da rutura, o pico da segunda onda surgirá no final de novembro e nada garante que não venham a existir terceira e quarta ondas. Apesar das medidas adotadas pelo Governo, os especialistas não têm dúvidas de que o pior ainda está para vir.

João Gouveia, presidente da Sociedade Portuguesa de Cuidados Intensivos, disse estar convencido de que “vai haver uma terceira e uma quarta onda e que teremos um período de tempo em que vamos ter de conviver com este vírus”. “Não estamos em situação de catástrofe, ainda, mas estamos em rutura em muitos sítios.”

O especialista disse que o risco de não conseguir tratar todos os doentes covid-19 é real e que a taxa de ocupação dos cuidados intensivos é muito preocupante, sobretudo a Norte do país.

Henrique de Barros, presidente do Conselho Nacional de Saúde, apresentou um estudo que concluiu que “o uso de transportes coletivos, a frequência de espaços de restauração e a frequência de espaços comerciais e de hotelaria não parecem aumentar a probabilidade de infeção”. Segundo o especialista, os maiores focos de contágio acontecem em contexto laboral e em casa.

Em relação às universidades, Henrique de Barros sustentou que “não há sobre-exposição ao vírus relacionada com esta atividade”, em linha com o que defendeu o ministro Manuel Heitor.

Na reunião, o epidemiologista Manuel Carmo Gomes referiu que, com a atual tendência do índice de transmissão, o país vai atingir o pico da segunda vaga entre 25 e 30 de novembro, com 7 mil casos por dia. Além disso, o especialista apontou o pico de óbitos para a segunda semana de dezembro, altura em que se devem registar 95 a 100 óbitos diários.

O dado mais positivo da reunião foi a chegada da vacina em janeiro. Rui Ivo, presidente do Infarmed, admitiu que as primeiras vacinações aconteçam no início do próximo ano. As entregas devem acontecer por tranches ao longo de 2021: cinco milhões de doses no primeiro trimestre, cerca de oito milhões no segundo trimestre e mais dois milhões no último trimestre de 2021, escreve o Observador.

Mas há ainda muitas dúvidas, entre elas o calendário para autorização da agência europeia que tutela o setor e o facto de não haver qualquer contratualização com Moderna para a aquisição da vacina que se apresenta como a mais eficaz contra o vírus.

Quanto à estratégia do Governo, os especialistas defenderam a necessidade de a afinar. Manuel Carmo Gomes sublinhou que o critério para definir os concelhos de maior risco – o número de novos casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias – pode, isoladamente, não ser o mais acertado.

O especialista defende que é preciso também ter em conta o ritmo de novos contágios, a realidade dos concelhos envolventes e a origem dos surtos em cada concelho.

“Há que fazer um refinamento das medidas de acordo com as realidades locais. E para isso é necessário contar com as autoridades de saúde locais que são quem conhece melhor a realidade”, alertou, citado pelo diário.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Alguem com Coragem para dizer as coisas tais como elas estão e não com paninhos quentes a fazer de conta que está tudo controlado. E depois queixam-se que as pessoas não tem cuidado poderá os politicos/governantes deste país é que deram a entender isso. Agora não venham dizer que a desculpa é da população. Não é, a culpa é vossa.

RESPONDER

Viatura onde seguia Eduardo Cabrita atropela uma pessoa na A6

Esta sexta-feira, um homem morreu após ter sido atropelado pelo automóvel em que seguia o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, num acidente na autoestrada A6. Numa nota enviada às redações, o Ministério da Administração Interna …

Portugal com mais 1.298 casos e quatro mortes

Esta sexta-feira, Portugal registou 1.298 novos casos e quatro mortes na sequência da infeção por covid-19. Segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), foram registados, nas últimas 24 horas, mais 1.298 casos e …

Parlamento aprova prorrogação das moratórias bancárias até final do ano

O alargamento aplica-se aos "particulares e para as empresas que desenvolvem a sua atividade em setores especialmente afetados pela pandemia de covid-19". O Parlamento aprovou, esta sexta-feira ,a prorrogação e alargamento das moratórias bancárias, que terminavam …

Tribunal belga obriga AstraZeneca a entregar 50 mihões de doses de vacina à UE

A AstraZeneca vai ter que entregar 50 milhões de doses da vacina para a covid-19 à União Europeia. A entrega deve ser efetuada até 27 de setembro. A justiça belga ordenou, esta sexta-feira, à farmacêutica …

"Dois terços dos problemas estão na Área Metropolitana de Lisboa", justifica Costa

O primeiro-ministro, António Costa, justificou esta sexta-feira a necessidade de tomar medidas localizadas em Lisboa para evitar que o agravamento da situação epidemiológica se alastre.  Em Bruges, na Bélgica, à margem da sessão de encerramento do …

CDS critica “enorme infelicidade” do Presidente e "comunicação desastrosa" do Governo

O CDS-PP criticou hoje as declarações do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, quando disse que no que depender dele não haverá "volta atrás" no desconfinamento, considerando-as de “uma enorme infelicidade”, lamentando também a …

Astronautas entraram pela primeira vez na nova estação espacial chinesa

Três astronautas chineses começaram, esta sexta-feira, a fazer da nova estação espacial da China o seu lar, um dia depois de ali terem chegado, num lançamento bem-sucedido, que marcou um novo avanço no ambicioso programa …

Homicida de Bruno Candé tinha plena consciência dos seus atos. MP quer 22 anos de prisão

Evaristo Marinho, o homicida de Bruno Candé, tinha plena consciência dos seus atos quando cometeu o crime, lê-se no relatório do Instituto Nacional de Medicina Legal. O Ministério Público quer 22 anos de prisão. O Ministério …

Pandemia deixa dezenas de bebés por registar, o que pode "potenciar o tráfico humano"

O encerramento do balcão "Nascer Cidadão", durante a fase mais crítica da pandemia, impediu o registo de bebés nascidos nessa altura. Citando fontes do Hospital de Faro, a rádio TSF avança que as campainhas de alarme …

Auditoria revela 52 casos de envio de dados na CML. Medina lamenta "prática inadequada" (e faz uma demissão)

A auditoria interna pedida por Fernando Medina conclui que a Câmara Municipal de Lisboa enviou dados pessoais de manifestantes a embaixadas 52 vezes, desde que entrou em vigor o Regime Geral de Proteção de Dados …