Marinheiros russos que morreram em incêndio de submarino nuclear “evitaram catástrofe mundial”

(cv) Pravda

Submarinoi russo K-329 Belgorod

Na semana passada, 14 marinheiros morreram na sequência de um incêndio num submarino nuclear russo. Agora, uma alta patente das Forças Armadas diz que “morreram para evitar uma catástrofe mundial”.

Os 14 marinheiros morreram quando o submarino realizava testes militares em águas territoriais do norte da Rússia, mas o acidente continua envolto em mistério. Moscovo não revela a missão nem o nome do submarino em causa. No entanto, acredita-se que se trata de um Locharik, um submarino AS-12, de propulsão nuclear.

No funeral das vítimas em São Petersburgo, uma alta patente das Forças Armadas russas disse às famílias dos marinheiros que os tripulantes tinham morrido para evitar “uma catástrofe mundial”.

“Hoje estamos a ver a tripulação de um aparelho de investigação em águas profundas, que morreu durante uma missão de combate nas águas frias do Mar de Barents. Catorze mortos, catorze vidas. Com o custa das suas vidas, eles salvaram as dos seus companheiros, salvaram o navio e não permitiram uma catástrofe planetária“, disse o militar russo, do qual se desconhece a identidade.

Segundo o jornal britânico The Independent, o acidente foi provocado por um incêndio no compartimento da bateria do submarino. O ministro da Defesa Sergei Shoigu diz que o reator nuclear do submarino estava operacional e que os tripulantes tomaram “as atitudes necessárias” para protegê-lo.

O presidente russo, Vladimir Putin, disse que era uma equipa “bastante profissional” e que esta foi “uma grande perda” para a frota e para todo o exército russo. “Dou as minhas sinceras condolências às famílias das vítimas”, disse Putin.

O acidente reavivou as memórias da tragédia do submarino Kursk, que se afundou durante manobras militares no mar de Barrents, matando 118 marinheiros, em 12 de agosto de 2000.

Nesse acidente, um dos torpedos explodiu, despoletando todas as munições da embarcação, afundando-a até 110 metros de profundidade. Os 23 marinheiros que sobreviveram ao impacto inicial morreram alguns dias depois, por não terem sido resgatados em tempo útil.

ZAP //

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Os submarinos russos parecem não ser muito fiáveis e pouco aconselháveis, tal como os Kamov parecem também sofrer de algum mal de fabrico.

  2. Meus caros Zap: desconheço por que capricho cinco se escreve com ‘c’ e quinze com ‘q’, assim como quatro se escreve com ‘q’ e catorze com ‘c’.

    O certo é que o português tem sido uma língua feita por idiotas, escudados em não menos inúteis academias cujos fins obscuros (embora sejam bem conhecidos os critérios de escolha dos membros – e conhecedor que sou dos meandros de uma ou outra sei bem quais são esses predicados) desconheço.

    Em todo o caso, o pedido de correcção é: catorze onde se lê quatorze.

    Cumprimentos

    • As duas formas citadas para se referir ao numeral “14” estão corretas. “Quatorze” se assemelha mais de sua origem latina “quattuordecim” e, “Catorze” foi uma alteração fonética, comum de ocorrer em várias línguas. Tais alterações são uma das causas de existirem diferentes idiomas, do contrário não existiriam os idiomas (latinos) italiano, francês, espanhol, inclusive o português e, tantos outros. Sendo igualmente comum nos outros idiomas termos mais de uma palavra para nos referirmos a mesma coisa.

  3. Lamento meus caros. Bem sei qual é o étimo. E até concordo que seria mais correcto quatorze. Mas, em Português, é catorze, ponto!
    Ao gajoviejo (que escreve em brasileiro) apenas tenho a dizer que em Portugal é catorze. O AEIOU é uma empresa portuguesa e, portanto, será de bom tom que escrevam em português.
    Não é uma questão de preconceito. O brasileiro é uma forma do português, mas tem uma identidade ortográfica e gramatical distinta. O erro é quererem misturar o que não é misturável, com acordos ortográficos e outras idiotices.
    O inglês dos Estados Unidos, o inglês da Austrália, o inglês da Nova Zelândia são distintos do inglês padrão (o de Inglaterra) e todos se entendem sem necessidade de qualquer uniformização ou acordos.
    O mesmo sucede com o castelhano e as suas variantes. Só aqui neste país de idiotas é que meia dúzia de iluminados (à pala da qual meteram uns trocos valentes na algibeira) é que houve essa necessidade.
    E, claro, há sempre um rebanho de seguidores para cada idiotice….
    Moral da história e ainda para o gajoviejo: se está tão preocupado com o étimo e com a origem das palavras, sugiro que passe a usar a forma correcta de omnibus para se referir ao ônibus…

    • Sempre se usaram as duas formas. Sou portuguesa e tenho 32 anos. Deixa de ser ignorante tens todas as ferramentas a disposição para pesquisar se tens dúvidas.

  4. Estimada Energumena,
    Pagam-me para educar energumenos e burgessos de Setembro a Julho. Em Agosto estou de férias!
    Em todo o caso, só posso educar quem o quer ser. Claramente não é o seu caso! Se é demasiado ignorante, ou não tem a capacidade para ir um pouco mais além do que vomitar algumas referências erradas da Internet de outros ignorantes como V. Ex.a, ou de brasileiros, lamento. Em português (o genuíno e não as variantes que querem fazer passar como tal, é quatro e catorze. Por muito incongruente que possa ser é mesmo assim.

Fundação Champalimaud anuncia prémio de um milhão de euros para erradicar o cancro

A Fundação Champalimaud anunciou, esta segunda-feira, um prémio de um milhão de euros a atribuir anualmente, e sem limite temporal, vocacionado para a "erradicação do cancro". O prémio é atribuído em parceria com o casal de …

A maior lixeira da China ficou cheia 25 anos antes do previsto

O maior depósito de lixo da China, Jiangcungou, na cidade de Xi'an, já está cheio, 25 anos antes da altura prevista. O aterro tinha sido preparado para receber 2500 toneladas de resíduos por dia. Porém, de …

Cigarros eletrónicos podem prejudicar o coração mais do que os cigarros comuns

Há muito que está provado que fumar é uma das principais causas de mortes por doenças cardíacas. Agora, há evidências crescentes de que os cigarros eletrónicos podem causar danos ao coração. Em dois estudos que serão …

Sindicato dos Magistrados acusa Conselho Superior de fazer escolhas pessoais

O Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) acusou, esta segunda-feira, o Conselho Superior do Ministério Público de escolher os procuradores para os departamentos mais importantes da investigação criminal por preferências pessoais. Em comunicado, o Sindicato …

Esta empresa está a produzir "carne" feita de ar

Enquanto várias startups estão a vender "carne" feita de plantas, a Air Protein, uma empresa sediada na Califórnia, nos Estados Unidos, está a criar carne feita de ar. A ideia não é nova, uma vez que …

Autoridade da Concorrência faz buscas em cinco empresas de vigilância privada

A Autoridade da Concorrência (AdC) anunciou, esta segunda-feira, que realizou diligências de busca e apreensão em cinco empresas do setor da vigilância privada, no distrito de Lisboa, "por suspeitas de práticas anticoncorrenciais lesivas do normal …

"Breaking Bad" da vida real. Dois professores de Química acusados de produzir metanfetamina

Dois professores universitários de Química do estado do Arkansas, nos Estados Unidos, foram detidos no domingo por suspeitas de produzirem metanfetaminas. O caso tem atraído atenção mediática por se parecer inspirar no enredo da série …

TAP regista prejuízos de 111 milhões de euros até setembro

A TAP registou, nos primeiros nove meses deste ano, prejuízos acumulados de 111 milhões de euros que atribui a "variações cambiais sem impacto na tesouraria". "A TAP S.A. apurou um prejuízo acumulado, nos primeiros nove meses …

Coreia do Norte não está interessada em mais cimeiras com os EUA

A Coreia do Norte advertiu, esta segunda-feira, que "não está interessada" em mais cimeiras com os Estados Unidos, se Washington persistir na recusa em fazer concessões. A Coreia do Norte deu a Washington até ao final …

Refugiado detido que escreveu um livro pelo Whatsapp conquista a liberdade

O jornalista e escritor curdo-iraniano Behrouz Boochani, que estava detido há seis anos num centro de imigrantes na Austrália, conquistou a liberdade. Boochani escreveu, através de mensagens da rede social Whatsapp, o livro “No Friend But …