Marinheiros russos que morreram em incêndio de submarino nuclear “evitaram catástrofe mundial”

(cv) Pravda

Submarinoi russo K-329 Belgorod

Na semana passada, 14 marinheiros morreram na sequência de um incêndio num submarino nuclear russo. Agora, uma alta patente das Forças Armadas diz que “morreram para evitar uma catástrofe mundial”.

Os 14 marinheiros morreram quando o submarino realizava testes militares em águas territoriais do norte da Rússia, mas o acidente continua envolto em mistério. Moscovo não revela a missão nem o nome do submarino em causa. No entanto, acredita-se que se trata de um Locharik, um submarino AS-12, de propulsão nuclear.

No funeral das vítimas em São Petersburgo, uma alta patente das Forças Armadas russas disse às famílias dos marinheiros que os tripulantes tinham morrido para evitar “uma catástrofe mundial”.

“Hoje estamos a ver a tripulação de um aparelho de investigação em águas profundas, que morreu durante uma missão de combate nas águas frias do Mar de Barents. Catorze mortos, catorze vidas. Com o custa das suas vidas, eles salvaram as dos seus companheiros, salvaram o navio e não permitiram uma catástrofe planetária“, disse o militar russo, do qual se desconhece a identidade.

Segundo o jornal britânico The Independent, o acidente foi provocado por um incêndio no compartimento da bateria do submarino. O ministro da Defesa Sergei Shoigu diz que o reator nuclear do submarino estava operacional e que os tripulantes tomaram “as atitudes necessárias” para protegê-lo.

O presidente russo, Vladimir Putin, disse que era uma equipa “bastante profissional” e que esta foi “uma grande perda” para a frota e para todo o exército russo. “Dou as minhas sinceras condolências às famílias das vítimas”, disse Putin.

O acidente reavivou as memórias da tragédia do submarino Kursk, que se afundou durante manobras militares no mar de Barrents, matando 118 marinheiros, em 12 de agosto de 2000.

Nesse acidente, um dos torpedos explodiu, despoletando todas as munições da embarcação, afundando-a até 110 metros de profundidade. Os 23 marinheiros que sobreviveram ao impacto inicial morreram alguns dias depois, por não terem sido resgatados em tempo útil.

ZAP //

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Os submarinos russos parecem não ser muito fiáveis e pouco aconselháveis, tal como os Kamov parecem também sofrer de algum mal de fabrico.

  2. Meus caros Zap: desconheço por que capricho cinco se escreve com ‘c’ e quinze com ‘q’, assim como quatro se escreve com ‘q’ e catorze com ‘c’.

    O certo é que o português tem sido uma língua feita por idiotas, escudados em não menos inúteis academias cujos fins obscuros (embora sejam bem conhecidos os critérios de escolha dos membros – e conhecedor que sou dos meandros de uma ou outra sei bem quais são esses predicados) desconheço.

    Em todo o caso, o pedido de correcção é: catorze onde se lê quatorze.

    Cumprimentos

    • As duas formas citadas para se referir ao numeral “14” estão corretas. “Quatorze” se assemelha mais de sua origem latina “quattuordecim” e, “Catorze” foi uma alteração fonética, comum de ocorrer em várias línguas. Tais alterações são uma das causas de existirem diferentes idiomas, do contrário não existiriam os idiomas (latinos) italiano, francês, espanhol, inclusive o português e, tantos outros. Sendo igualmente comum nos outros idiomas termos mais de uma palavra para nos referirmos a mesma coisa.

  3. Lamento meus caros. Bem sei qual é o étimo. E até concordo que seria mais correcto quatorze. Mas, em Português, é catorze, ponto!
    Ao gajoviejo (que escreve em brasileiro) apenas tenho a dizer que em Portugal é catorze. O AEIOU é uma empresa portuguesa e, portanto, será de bom tom que escrevam em português.
    Não é uma questão de preconceito. O brasileiro é uma forma do português, mas tem uma identidade ortográfica e gramatical distinta. O erro é quererem misturar o que não é misturável, com acordos ortográficos e outras idiotices.
    O inglês dos Estados Unidos, o inglês da Austrália, o inglês da Nova Zelândia são distintos do inglês padrão (o de Inglaterra) e todos se entendem sem necessidade de qualquer uniformização ou acordos.
    O mesmo sucede com o castelhano e as suas variantes. Só aqui neste país de idiotas é que meia dúzia de iluminados (à pala da qual meteram uns trocos valentes na algibeira) é que houve essa necessidade.
    E, claro, há sempre um rebanho de seguidores para cada idiotice….
    Moral da história e ainda para o gajoviejo: se está tão preocupado com o étimo e com a origem das palavras, sugiro que passe a usar a forma correcta de omnibus para se referir ao ônibus…

    • Sempre se usaram as duas formas. Sou portuguesa e tenho 32 anos. Deixa de ser ignorante tens todas as ferramentas a disposição para pesquisar se tens dúvidas.

  4. Estimada Energumena,
    Pagam-me para educar energumenos e burgessos de Setembro a Julho. Em Agosto estou de férias!
    Em todo o caso, só posso educar quem o quer ser. Claramente não é o seu caso! Se é demasiado ignorante, ou não tem a capacidade para ir um pouco mais além do que vomitar algumas referências erradas da Internet de outros ignorantes como V. Ex.a, ou de brasileiros, lamento. Em português (o genuíno e não as variantes que querem fazer passar como tal, é quatro e catorze. Por muito incongruente que possa ser é mesmo assim.

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …