No dia do debate do Estado da Nação, Marcelo pede a privados que vão “à luta” por “protagonistas políticos mais fortes”

António Cotrim / Lusa

No dia em que António Costa anunciou os milhões que Portugal vai receber da Europa, Marcelo Rebelo de Sousa esteve com patrões e pediu-lhes que vão “à luta” por protagonistas políticos “mais fortes” e com “mais eco” nos momentos de decisão eleitoral.

Pouco tempo depois do Governo sair do Parlamento após horas de discussão com as oposições, o Presidente da República chegava ao Centro de Congressos de Lisboa para fazer um discurso a uma plateia de empresários a quem decidiu pedir que vão “à luta” por “protagonistas políticos mais fortes” que deem “mais eco” em momentos eleitorais e que constituam uma solução alternativa.

Marcelo Rebelo de Sousa deixou esta mensagem no encerramento de uma conferência do Fórum para a Competitividade – Associação para o Desenvolvimento Empresarial, no Centro de Congressos de Lisboa.



Na base do seu discurso esteve a dicotomia Estado/setor privado e o deficiente crescimento do país, com o qual Marcelo mostrou estar preocupado e que considera só poder arrancar se os privados assumirem “um papel central” na recuperação económica do país, refere o Expresso.

Numa intervenção de 20 minutos, o chefe de Estado considerou que em Portugal “os protagonistas políticos, económicos e sociais defensores de um percurso diferente não têm logrado alcançar força persuasiva para que o seu discurso constitua um discurso alternativo e, sobretudo, constitua uma solução alternativa”.

“Não é impunemente que fomos das primeiras monarquias absolutas da Europa e das últimas a deixarem de o ser – se é que em quadros mentais o deixámos de ser, no que respeita à supremacia do Estado sobre a sociedade civil”, observou.

No final do seu discurso, o Presidente da República incentivou o setor privado a “prosseguir o seu empenho ou, se quiser, a sua luta, para ter protagonistas institucionais, políticos e outros, mais fortes, para ter discurso político com mais eco nos momentos de decisão popular e eleitoral”, mesmo que esteja descontente com o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

“Nomeadamente distinguindo o que é seu efetivo papel e o peso do investimento privado daquilo que pode ser um desperdício irreversível, para converter o sentimento aqui hoje expresso em acicate para o que são os anos imediatos: travar a batalha cultural, travar a batalha institucional, travar a batalha correspondente ao seu efetivo peso na criação do Produto Interno Bruto (PIB), com trabalho, competência, visão de longo fôlego, qualificação e responsabilidade social”, completou.

O Presidente da República pediu ainda aos privados que atuem “com realismo e com independência, com sentido do bem comum, evitando a perpetuação da inelutável e casuística tendência de os poderes públicos quererem influenciar e determinar o seu sentir”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Enquanto os privados não forem obrigados a ter as condições do setor publico e não forem obrigados a praticar salários justos em todas as categorias profissionais e não apenas nas chefias, será complicado serem competitivos!

  2. Depois dos escândalos todos de empresários a corromperem políticos, é isto que o Marcelo conclui? Que o privado precisa de ser mais influente sobre o processo político?
    Partindo do pressuposto elitista que os empresários têm sequer noção do “bem comum”? (e criticando que Portugal tem mentalidade de absolutismo – poder concentrado todo no topo, lol)
    Está a ficar chéché.

  3. Lamento pela tristeza da direita que não sabe mais duque aquilo que está na cassete dos tais casos e casinhos, se pensam subir ao poder á custa do cabrita, dos excessos de velocidade, é ser muito pouco ambicioso e nenhuma amostra de mais valia para fazer mudar de governação, diria que é muita preguiça e pouca sabedoria, a Bancada do PSD/CDS parece muito cansada, sem ideias, sem motivação, dá a entender que é mais urgente renovar as bancadas da oposição do que o governo, atualizem-se, estamos em 2021, não se pode fazer política como se fazia em 1975, com casos destes, o eleitorado é mais culto, vê o Governo a resolver problemas e a oposição a os criar, não é isso que qualquer cidadão quer, não adianta dizer que nos centros de saúde as consultas estão atrasadas, se quando o cidadão recorre ao Particular é depara com a mesma situação, tendo de esperar meses, semanas para um exame, uma consulta, umas análises, uma especialidade, são argumentos que não dão crédito a quem os usa, resultava em 1975 já passou quase meio século, é preciso mostrar obra, mudar para uma política de amostra de competência mostrando mais valia, o PSD não pode ser um partido de Protesto, tem de mostrar qualidades.

RESPONDER

Soldados afegãos buscam refúgio no Paquistão após perderem postos na fronteira

Quase meia centena de soldados afegãos buscaram asilo no Paquistão após perderem para os Talibãs o controle das posições militares na fronteira, informou o exército paquistanês esta segunda-feira. Centenas de soldados do exército afegão e oficiais …

Portugal ultrapassa Estados Unidos em população com vacinação completa

EUA vivem atualmente um planalto no seu processo de vacinação, com pouco mais de meio milhão de cidadãos a serem vacinados diariamente. Desaceleração no ritmo de inoculações é atribuída a motivações pessoais da população e …

Mulher que vestia camisola com capa do Charlie Hebdo ferida em Londres

Uma mulher que vestia uma camisola estampada com uma capa da revista satírica francesa Charlie Hebdo foi ferida levemente com arma branca no domingo em Hyde Park, em Londres, informou a polícia, que pediu colaboração …

Novo Banco. Comissão de inquérito aprova que resolução do BES foi "fraude política"

A comissão de inquérito ao Novo Banco aprovou uma proposta do PCP de alteração ao relatório referindo que a resolução do BES e a sua capitalização inicial, de 4.900 milhões de euros, foi "uma fraude …

BCP prevê saída de mais de 800 trabalhadores e admite despedimento coletivo

O presidente do BCP disse esta segunda-feira que deverão sair do banco mais de 800 trabalhadores, abaixo da meta inicial de 1.000, mas que depende dos funcionários que aceitarem rescindir e mantém a possibilidade de …

Jogos Olímpicos. Ouro e prata para atletas de...13 anos

Pódio muito jovem na estreia do skate feminino. A espreitar o pódio ficou uma norte-americana com quase o triplo da idade. O skate está a "viver" os seus primeiros dias na história dos Jogos Olímpicos. Inserido …

SEF e PSP reforçam fiscalização às regras aplicáveis nas viagens de avião

O SEF e a PSP reforçaram a fiscalização nos aeroportos às regras do tráfego aéreo devido às variantes de covid-19 e ao aumento do número de voos previsto para as próximas semanas, segundo um despacho …

Ramalho Eanes defende que Otelo "tem direito a lugar de proeminência" na História

O ex-presidente da República Ramalho Eanes defendeu esta segunda-feira que Otelo Saraiva de Carvalho, falecido no domingo, tem direito a um "lugar de proeminência histórica", apesar "da autoria" do que considerou "desvios políticos perversos, de …

Hidilyn Diaz dá primeira medalha de ouro de sempre às Filipinas

A filipina Hidilyn Diaz deu esta segunda-feira a primeira medalha de ouro de sempre ao seu país em Jogos Olímpicos, ao conquistar a categoria de -55 kg de halterofilismo em Tóquio2020. Depois de ter sido segunda …

Londres e Paris assinam acordo de segurança marítima para o Canal da Mancha

Os governos britânico e francês assinaram esta segunda-feira um tratado de cooperação em segurança marítima em caso de ameaças, como ataques a navios que operam no Canal da Mancha. O Governo do Reino Unido explicou, em …