Marcelo levou Portugal a Paris para comemorar o 10 de Junho

Etienne Laurent / EPA

Francois Hollande e Marcelo Rebelo de Sousa nas comemorações do 10 de Junho em Paris

Francois Hollande e Marcelo Rebelo de Sousa nas comemorações do 10 de Junho em Paris

Numa iniciativa inédita, o Dia de Portugal comemorou-se em Paris. As comemorações do 10 de junho foram transferidas para a capital francesa, onde o presidente da República condecorou quatro portugueses.

Marcelo Rebelo de Sousa condecorou neste 10 de Junho quatro portugueses pela sua ação na noite dos atentados em Paris, ao abrirem os portões de casa para ajudar os que fugiam dos tiros da sala de espectáculos do Bataclan.

Margarida, José, Manuela e Natália receberam das mãos do Presidente da República a distinção da Ordem da Liberdade.

Marcelo Rebelo de Sousa elogiou hoje a coragem dos portugueses que emigraram para França e, dirigindo-se aos compatriotas que residem em Paris, disse-lhes que são “dos melhores de todos”.

O chefe de Estado fez hoje o seu segundo discurso do 10 de Junho perante centenas de portugueses e lusodescendentes, no Salão de Festas da Câmara Municipal de Paris, centrando-se na ligação entre Portugal e França e no papel da comunidade portuguesa neste país.

Marcelo Rebelo de Sousa falou a maior parte do tempo em francês, mas no final pediu ao Presidente francês, François Hollande, para se dirigir em português aos cerca de 800 convidados: “Queridos portugueses, queridos compatriotas, é com grande emoção que aqui estou, com o senhor primeiro-ministro António Costa“.

Aqueles que aqui estão são dos melhores de todos nós“, disse-lhes, recordando os inúmeros portugueses que “saíram, faz agora 50 anos, numa situação de pobreza, de dificuldade, de penosidade, para partir para longe, para recomeçar a vida, sozinhos”.

Etienne Laurent / EPA

Francois Hollande e Marcelo Rebelo de Sousa nas comemorações do 10 de Junho em Paris

Francois Hollande e Marcelo Rebelo de Sousa nas comemorações do 10 de Junho em Paris

O presidente acrescentou que “as famílias chegaram depois, e pouco a pouco foram refazendo a sua vida, com trabalhos duros, muito duros, no começo daqueles anos 60, e durante os anos 60, e nos anos 70”.

A França não esquece, mas Portugal ainda esquece menos. A vossa coragem, a coragem dos vossos avós, dos vossos pais, que se transmita para os vossos filhos e os vossos netos. Vós sois dos melhores de todos nós. O Presidente da República Portuguesa, em nome de todas as portuguesas e de todos os portugueses, vos agradece o vosso exemplo. Bem hajam”, concluiu.

No final do seu discurso, Marcelo Rebelo de Sousa combinou o francês e o português, exclamando “vive Paris, vive la France, viva Portugal“.

A França sente-se honrada

O presidente francês, François Hollande, disse por seu turno que “Portugal honra a França” ao comemorar o Dia de Portugal, Camões e das Comunidades Portuguesas em Paris e ao distinguir “quatro portugueses que deram provas de grande coragem na noite de 13 de novembro”.

“Portugal honra a França. Neste dia de abertura do Euro e de festa nacional portuguesa, sabemos o que representa este protocolo excecional. Em França, será que seria possível ao presidente da República e ao primeiro-ministro ir festejar o 14 de julho noutra capital a não ser Paris?”, declarou o Presidente francês durante as comemorações do 10 de junho no salão de festas da Câmara Municipal de Paris.

François Hollande quis ser breve no discurso e disse, perante palmas da sala: “No futebol, não quero que a França encontre Portugal a não ser na final! Mas se isto acontecer, o presidente da república e o primeiro-ministro vão ser obrigados a voltar. Desde já os convido e seremos felizes nessa noite.”

Antes de ser convidado, no final dos discursos, a partilhar com Marcelo Rebelo de Sousa a imposição das insígnias aos quatro portugueses distinguidos pela ajuda prestada a dezenas de pessoas na noite do atentado ao Bataclan, François Hollande louvou a coragem destas pessoas e a ajuda de Portugal a seguir aos atentados de 13 de novembro.

Vocês honram a França e Paris ao distinguir quatro portugueses que deram provas de grande coragem na noite de 13 de novembro. A Anne Hidalgo e eu estivemos, nessa noite, neste bairro martirizado perto do Bataclan onde estes homens e mulheres mostraram sangue frio e fraternidade”, sublinhou.

Etienne Laurent / EPA

O presidente francês, Francois Hollande, nas comemorações do 10 de Junho em Paris

O presidente francês, Francois Hollande, nas comemorações do 10 de Junho em Paris

François Hollande acrescentou que “Portugal respondeu logo positivamente mais uma vez” quando pediu “soldados para a RCA e para o Mali para aliviar as forças francesas de modo a que estas viessem para Paris para proteger a população”.

O chefe de Estado francês lembrou também que Paris tem uma “Avenida dos Portugueses” em memória dos “sacrifícios dos soldados lusos que vieram ajudar a França” na Primeira Guerra Mundial e recordou o papel de Aristides de Sousa Mendes, o cônsul português que “salvou a vida de judeus” durante a Segunda Guerra Mundial.

François Hollande disse, por isso, que a França “é um amigo no Conselho Europeu e não apenas um parceiro”, destacando que “França e Portugal devem mostrar que a Europa não é apenas regras económicas, mas também um projeto de civilização e cultura”.

“Partilhamos o mesmo projeto europeu. Quando um país se interroga sobre o futuro da União, mesmo que pensemos que o Reino Unido deva ficar na Europa, nós temos uma responsabilidade suplementar. (…) Numa altura em que muitos se interrogam o que é a Europa, a vossa presença aqui, mostra que somos em primeiro lugar europeus”, afirmou.

Hollande sublinhou que em Paris vivem “100 mil pessoas da comunidade portuguesa”, recordando que “a emigração foi considerável de 1960 a 70″ quando “a França era uma terra de exílio, o que justificou a presença de Mário Soares e de Zeca Afonso que gravou em Paris a Grândola Vila Morena, o hino da Revolução dos Cravos”.

“Vocês estão na base da construção em França, primeiro porque os portugueses têm muitos empregos na construção civil e muitos criaram as próprias empresas. Mas também porque contribuíram para construir a França e é bem legítimo que hoje o presidente da República Francesa exprima o seu reconhecimento”, declarou Hollande perante cerca de 800 convidados.

Perante uma salva de palmas, Hollande comprometeu-se a “desenvolver o ensino do português em França”, não apenas pela “relação excecional entre França e Portugal” mas também porque “a comunidade lusófona são 250 milhões de falantes”.

No final do discurso, François Hollande anunciou que vai a Portugal em julho com uma comitiva de muitos portugueses e franco-portugueses.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Na realidade os emigrantes PORTUGUESES nos quais me incluo são trabalhadores esforçados.
    Esqueceram de convidar o pior dos portugueses (com letra pequena, pois é indigno de ser mencionado com letra grande e menos o seu abjeto nome) para mais uma vez espezinhar a BANDEIRA que desonrou e que depois viveu à sombra dela comendo do orçamento ….o tal que chamava num francês horrível o seu amigo miterrandetê….

RESPONDER

Navios em Portugal poluem tanto quanto as oito cidades com mais carros

O transporte marítimo deve integrar o regime de comércio de licenças de emissão da União Europeia (UE), defendeu, esta segunda-feira, a associação ambientalista ZERO, exigindo limites de emissão de dióxido de carbono (CO2) para navios …

Já são conhecidos os nomeados aos Globos de Ouro. Netflix lidera com "O Irlandês" e "Marriage Story"

A cerimónia de entrega de prémios realiza-se a 5 de janeiro de 2020 no hotel Beverly Hilton, em Los Angeles, e será apresentada por Ricky Gervais. Já são conhecidos os nomeados à 77ª edição dos Globos …

Falhas na formação de médicos levam ministra a criar grupo de trabalho

A ministra da Saúde determinou a constituição de um grupo de trabalho para criar um manual de regras e procedimentos para a avaliação das capacidades de formação de médicos no SNS, depois de falhas apontadas …

Surto de sarampo leva Samoa a fechar escolas e serviços. Ativista anti-vacinação detido

Com o objetivo de conter o surto de sarampo que já matou 60 pessoas, o governo de Samoa está a pedir à população que coloque uma bandeira vermelha em frente às casas nais as pessoas …

Poluição do ar leva Sarajevo a cancelar todos os eventos públicos

As autoridades bósnias consideram que a poluição na capital do país, Sarajevo, atingiu níveis perigosos nos últimos dias. Perante a densa nuvem de nevoeiro que paira na cidade, o governo regional decidiu cancelar todos os …

A banana colada à parede que custou 108 mil euros foi comida

A banana mais cara do mundo, presa a uma parede com fita adesiva, foi descascada e comida por um artista que visitava o stand da galeria Perrotin, na feira de arte contemporânea Art Basel, nos …

Empresas norte-americanas reforçam domínio na venda global de armas

O Instituto Internacional de Estudos de Paz de Estocolmo (SIPRI) revelou esta segunda-feira que as empresas norte-americanas aumentaram o domínio no comércio global de armas em 2018, para 59% do volume total entre as 100 …

Faltam medicamentos para doenças crónicas nas Farmácias (e ninguém sabe porquê)

Há medicamentos para doenças crónicas que estão, constantemente, em falta nas Farmácias Portuguesas. Uma situação preocupante, sobretudo para os pacientes que deles precisam, e que não tem uma explicação. A Associação Nacional de Farmácias está …

Mais de dois mil coalas mortos devido aos incêndios na Austrália

O presidente da Aliança das Florestas do Nordeste da Austrália disse que os incêndios florestais que deflagram no leste do país, desde o início de novembro, provocaram a morte a mais de dois mil coalas. O …

Regionalização sem referendo é “golpe de estado palaciano”

Luís Marques Mendes falou este domingo, no habitual espaço de comentário político na SIC, sobre a regionalização, os "tempos difíceis para a direita", Greta Thunberg e Joe Berardo. Houve ainda tempo para falar sobre o …