Marcelo levou Portugal a Paris para comemorar o 10 de Junho

Etienne Laurent / EPA

Francois Hollande e Marcelo Rebelo de Sousa nas comemorações do 10 de Junho em Paris

Francois Hollande e Marcelo Rebelo de Sousa nas comemorações do 10 de Junho em Paris

Numa iniciativa inédita, o Dia de Portugal comemorou-se em Paris. As comemorações do 10 de junho foram transferidas para a capital francesa, onde o presidente da República condecorou quatro portugueses.

Marcelo Rebelo de Sousa condecorou neste 10 de Junho quatro portugueses pela sua ação na noite dos atentados em Paris, ao abrirem os portões de casa para ajudar os que fugiam dos tiros da sala de espectáculos do Bataclan.

Margarida, José, Manuela e Natália receberam das mãos do Presidente da República a distinção da Ordem da Liberdade.

Marcelo Rebelo de Sousa elogiou hoje a coragem dos portugueses que emigraram para França e, dirigindo-se aos compatriotas que residem em Paris, disse-lhes que são “dos melhores de todos”.

O chefe de Estado fez hoje o seu segundo discurso do 10 de Junho perante centenas de portugueses e lusodescendentes, no Salão de Festas da Câmara Municipal de Paris, centrando-se na ligação entre Portugal e França e no papel da comunidade portuguesa neste país.

Marcelo Rebelo de Sousa falou a maior parte do tempo em francês, mas no final pediu ao Presidente francês, François Hollande, para se dirigir em português aos cerca de 800 convidados: “Queridos portugueses, queridos compatriotas, é com grande emoção que aqui estou, com o senhor primeiro-ministro António Costa“.

Aqueles que aqui estão são dos melhores de todos nós“, disse-lhes, recordando os inúmeros portugueses que “saíram, faz agora 50 anos, numa situação de pobreza, de dificuldade, de penosidade, para partir para longe, para recomeçar a vida, sozinhos”.

Etienne Laurent / EPA

Francois Hollande e Marcelo Rebelo de Sousa nas comemorações do 10 de Junho em Paris

Francois Hollande e Marcelo Rebelo de Sousa nas comemorações do 10 de Junho em Paris

O presidente acrescentou que “as famílias chegaram depois, e pouco a pouco foram refazendo a sua vida, com trabalhos duros, muito duros, no começo daqueles anos 60, e durante os anos 60, e nos anos 70”.

A França não esquece, mas Portugal ainda esquece menos. A vossa coragem, a coragem dos vossos avós, dos vossos pais, que se transmita para os vossos filhos e os vossos netos. Vós sois dos melhores de todos nós. O Presidente da República Portuguesa, em nome de todas as portuguesas e de todos os portugueses, vos agradece o vosso exemplo. Bem hajam”, concluiu.

No final do seu discurso, Marcelo Rebelo de Sousa combinou o francês e o português, exclamando “vive Paris, vive la France, viva Portugal“.

A França sente-se honrada

O presidente francês, François Hollande, disse por seu turno que “Portugal honra a França” ao comemorar o Dia de Portugal, Camões e das Comunidades Portuguesas em Paris e ao distinguir “quatro portugueses que deram provas de grande coragem na noite de 13 de novembro”.

“Portugal honra a França. Neste dia de abertura do Euro e de festa nacional portuguesa, sabemos o que representa este protocolo excecional. Em França, será que seria possível ao presidente da República e ao primeiro-ministro ir festejar o 14 de julho noutra capital a não ser Paris?”, declarou o Presidente francês durante as comemorações do 10 de junho no salão de festas da Câmara Municipal de Paris.

François Hollande quis ser breve no discurso e disse, perante palmas da sala: “No futebol, não quero que a França encontre Portugal a não ser na final! Mas se isto acontecer, o presidente da república e o primeiro-ministro vão ser obrigados a voltar. Desde já os convido e seremos felizes nessa noite.”

Antes de ser convidado, no final dos discursos, a partilhar com Marcelo Rebelo de Sousa a imposição das insígnias aos quatro portugueses distinguidos pela ajuda prestada a dezenas de pessoas na noite do atentado ao Bataclan, François Hollande louvou a coragem destas pessoas e a ajuda de Portugal a seguir aos atentados de 13 de novembro.

Vocês honram a França e Paris ao distinguir quatro portugueses que deram provas de grande coragem na noite de 13 de novembro. A Anne Hidalgo e eu estivemos, nessa noite, neste bairro martirizado perto do Bataclan onde estes homens e mulheres mostraram sangue frio e fraternidade”, sublinhou.

Etienne Laurent / EPA

O presidente francês, Francois Hollande, nas comemorações do 10 de Junho em Paris

O presidente francês, Francois Hollande, nas comemorações do 10 de Junho em Paris

François Hollande acrescentou que “Portugal respondeu logo positivamente mais uma vez” quando pediu “soldados para a RCA e para o Mali para aliviar as forças francesas de modo a que estas viessem para Paris para proteger a população”.

O chefe de Estado francês lembrou também que Paris tem uma “Avenida dos Portugueses” em memória dos “sacrifícios dos soldados lusos que vieram ajudar a França” na Primeira Guerra Mundial e recordou o papel de Aristides de Sousa Mendes, o cônsul português que “salvou a vida de judeus” durante a Segunda Guerra Mundial.

François Hollande disse, por isso, que a França “é um amigo no Conselho Europeu e não apenas um parceiro”, destacando que “França e Portugal devem mostrar que a Europa não é apenas regras económicas, mas também um projeto de civilização e cultura”.

“Partilhamos o mesmo projeto europeu. Quando um país se interroga sobre o futuro da União, mesmo que pensemos que o Reino Unido deva ficar na Europa, nós temos uma responsabilidade suplementar. (…) Numa altura em que muitos se interrogam o que é a Europa, a vossa presença aqui, mostra que somos em primeiro lugar europeus”, afirmou.

Hollande sublinhou que em Paris vivem “100 mil pessoas da comunidade portuguesa”, recordando que “a emigração foi considerável de 1960 a 70″ quando “a França era uma terra de exílio, o que justificou a presença de Mário Soares e de Zeca Afonso que gravou em Paris a Grândola Vila Morena, o hino da Revolução dos Cravos”.

“Vocês estão na base da construção em França, primeiro porque os portugueses têm muitos empregos na construção civil e muitos criaram as próprias empresas. Mas também porque contribuíram para construir a França e é bem legítimo que hoje o presidente da República Francesa exprima o seu reconhecimento”, declarou Hollande perante cerca de 800 convidados.

Perante uma salva de palmas, Hollande comprometeu-se a “desenvolver o ensino do português em França”, não apenas pela “relação excecional entre França e Portugal” mas também porque “a comunidade lusófona são 250 milhões de falantes”.

No final do discurso, François Hollande anunciou que vai a Portugal em julho com uma comitiva de muitos portugueses e franco-portugueses.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Na realidade os emigrantes PORTUGUESES nos quais me incluo são trabalhadores esforçados.
    Esqueceram de convidar o pior dos portugueses (com letra pequena, pois é indigno de ser mencionado com letra grande e menos o seu abjeto nome) para mais uma vez espezinhar a BANDEIRA que desonrou e que depois viveu à sombra dela comendo do orçamento ….o tal que chamava num francês horrível o seu amigo miterrandetê….

RESPONDER

Mário Ferreira torna-se o segundo maior acionista da Cofina

O empresário português vai investir 20 milhões de euros no aumento de capital da Cofina, o suficiente para tornar-se o segundo maior acionista da empresa. De acordo com o semanário Expresso, o empresário Mário Ferreira deverá …

Índia dá às mulheres direitos iguais aos dos homens em cargos militares

O Supremo Tribunal indiano decidiu que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens para assumir funções de liderança no exército da Índia e criticou os argumentos do Governo que considera perpetuarem "estereótipos de …

Identificado 12.º caso suspeito de coronavírus em Portugal

A Direção-Geral da Saúde (DGS) informou, esta terça-feira, que foi validado um novo caso suspeito de infeção por novo coronavírus (Covid-19) em Portugal. De acordo com o comunicado da Direção-Geral da Saúde (DGS), citado pelo jornal …

Autoridade Tributária alerta contribuintes para novo e-mail fraudulento

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) alertou, esta terça-feira, para um e-mail que está a ser enviado aos contribuintes, solicitando-lhes que regularizem dívidas fiscais e avisa que a mensagem é falsa e deve ser apagada. Num …

União Europeia acrescenta quatro paraísos fiscais à "lista negra"

Ilhas Caimão, Palau, Panamá e Seicheles juntam-se a Samoa Americana, Fiji, Guame, Samoa, Omã, Trindade e Tobago, Vanuatu e Ilhas Virgens Americanas na lista de não respeitadores das regras comunitárias. O Conselho da União Europeia (UE) …

"Relação estava cristalizada". PS satisfeito com retoma do "diálogo cordial" com CDS

O presidente do PS saudou, esta terça-feira, a "retoma" de um relacionamento "cordial" com a nova direção do CDS-PP em torno de matérias de interesse nacional, considerando que se verificou uma transição e acabou uma …

Ministra espanhola não pensa "nem um segundo" em substituir Centeno

A ministra dos Assuntos Económicos de Espanha, Nadia Calviño, assegurou que não dedica “nem um segundo” a pensar numa candidatura à presidência do Eurogrupo, apontando que Mário Centeno “está a fazer um excelente trabalho”. A cerca …

Grupo alemão de extrema-direita tinha planos "assustadores" para atacar mesquitas

Um grupo alemão de extrema-direita, em que 12 elementos foram detidos na semana passada, é suspeito de planear ataques em larga escala "assustadores e chocantes" contra muçulmanos, semelhantes aos realizados na Nova Zelândia no ano …

Novo Banco deverá pedir perto de mil milhões de euros ao Fundo de Resolução

O Novo Banco prepara-se para pedir uma nova injeção ao Fundo de Resolução a rondar os mil milhões de euros. Com este montante, o banco atinge o teto definido na venda ao fundo Lone Star. O …

"Nunca tive um processo como este". Juiz Carlos Alexandre "surpreendido" com o caso Tancos

O juiz Carlos Alexandre assumiu, em pleno tribunal, estar "surpreendido" com os meandros que envolvem ocaso de Tancos. "Nunca tive um processo como este", terá desabafado em mais uma audiência, notando que o caso "mostra …