Marcelo diz que terá com outro PM a mesma relação que tem com Costa (e considera endividamento inevitável)

António Cotrim / Lusa

O Presidente da República, e recandidato ao cargo, afirma que terá com qualquer outro primeiro-ministro a mesma relação que tem com António Costa e considera que esta coabitação foi uma escolha dos portugueses.

Marcelo Rebelo de Sousa assume estas posições numa entrevista à Antena 1, divulgada esta quinta-feira, em que apela à participação nas eleições presidenciais de dia 24, defendendo que “é mais importante votar em pandemia do que é sem pandemia”.

Questionado sobre a sua “fácil relação” com o atual primeiro-ministro e secretário-geral do PS, António Costa, o chefe de Estado e candidato apoiado por PSD e CDS-PP refere que não gosta de se auto elogiar, mas que esse relacionamento decorre da sua maneira de ser e da sua visão do papel constitucional do Presidente da República.

“Se for eleito, há eleições parlamentares a meio do mandato presidencial, e elas podem dar um Governo da mesma área ou de outra área com outro primeiro-ministro, e com qualquer primeiro-ministro o relacionamento será como aquele que tenho com este primeiro-ministro, porque é a minha visão dos poderes do Presidente e é a minha maneira de ser”, acrescenta.

Interrogado se não teme que a sua área política “não lhe perdoe esta coabitação”, o antigo presidente do PSD responde: “Mas a coabitação foi uma escolha dos portugueses. Os portugueses escolheram um Presidente de direita e, por duas vezes, criaram condições para maiorias absolutas de esquerda”.

Nesta entrevista, a propósito de um possível aumento acentuado da abstenção, Marcelo Rebelo de Sousa defende que “as pessoas têm de perceber mesmo a importância do seu voto em pandemia”.

“As pessoas podem não perceber isso, com o medo, com o receio, com o confinamento, com tudo isso. Têm de perceber que é tão importante para a sua vida, mudou tanto a sua vida, vai mudar tanto a sua vida com a crise económica e social que já aí está e vem aí, que é nesses momentos que se tem de fazer um esforço suplementar em termos de participação política, e o esforço é ir votar”, reforça.

Marcelo considera endividamento inevitável

O Presidente da República considera ainda que é inevitável Portugal endividar-se mais, face às consequências da pandemia de covid-19, mas que os credores acreditam na capacidade de gestão orçamental do país.

Questionado se há espaço para o país se endividar mais, Marcelo Rebelo de Sousa responde: “Sabe que quando não há outro remédio, tem de ser”.

Interrogado, depois, sobre qual o limite para o endividamento do Estado, o Presidente da República e candidato às presidenciais de 24 de janeiro realça que “até agora tem sido surpreendente” o resultado das emissões de dívida portuguesa nos mercados internacionais.

“Por exemplo, tivemos uma emissão de dívida a dez anos pela primeira vez negativa, com taxas de juro negativas”, assinala, concluindo: “Quer dizer, os credores estão a acreditar na capacidade de gerir o Orçamento e de não entrar numa perda irreversível ou muito grave em termos de dívida pública”.

Marcelo Rebelo de Sousa refere que “há uma parte do financiamento europeu que é para a saúde, e há-de chegar”, mas chama a atenção para os custos globais dos efeitos da pandemia de covid-19 na economia, comparando-os com a chamada “bazuca” de apoios da União Europeia.

“A pandemia vai custar toda, e provavelmente não se sabe se não custa mais, tanto quanto o valor da bazuca, tirando o quadro financeiro multianual. Portanto, a bazuca, bazuca, correspondente ao Plano de Recuperação e Resiliência, vai valer 15 mil milhões, 16 mil milhões, que é, tudo somado, quando fizermos contas, um ano ou mais de um ano, um ano e meio de pandemia”, calcula.

A propósito dos prejuízos económicos que resultarão do confinamento decidido na quarta-feira pelo Governo, o chefe de Estado e recandidato ao cargo apoiado por PSD e CDS-PP argumenta que também é preciso ter em conta o que aconteceria num cenário de agravamento continuado da covid-19 em Portugal.

Se a pandemia se agrava ao ritmo a que se estava a agravar, isto quer dizer prolongar a pandemia. Prolongar a pandemia significa prolongar a crise, mais X meses de pandemia são mais X meses de crise profunda. Portanto, as pessoas têm de ver, mesmo do ponto de vista da economia e da sociedade, o não tentar conter e travar e inverter a tendência significa termos o primeiro trimestre perdido, entrava-se no segundo trimestre numa situação desgraçada, e o que isso significaria em metade do ano para a economia e para a sociedade”, aponta.

ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Será que António Costa é da mesma opinião? Ou seja, será que o Costa terá a mesma relação com outro Presidente? A sorte do Marcelo é que não me parece haver alguém suficientemente forte para lhe fazer frente no dia 24, mas quem sabe se não haverá surpresas? Eu ainda não decidi em quem vou votar. No Marcelo não voto. Ele que defendeu que o PR deveria ter só um mandato, então deve sair e dar lugar a outro!

RESPONDER

João Félix: o "louco" e o "calvário"

Avançado do Atlético de Madrid só esteve em campo durante 18 minutos, contra o Atlético Bilbau. Simeone defendeu o português. João Félix foi o nome mais comentado após o empate entre Atlético de Madrid e Atlético …

PCP quer limite de quatro dias por semana em teletrabalho

O projeto do PCP propõe limitar o teletrabalho a quatro dias por semana e que as empresas paguem o acréscimo das contas da luz, água, internet e telefone. O PCP quer limitar o regime de teletrabalho …

"The Crown" domina Emmys e "The Handmaid's Tale" é a derrotada da noite

A série da Netflix “The Crown” foi a grande vencedora da 73.ª edição dos Prémios Emmy, levando pela primeira vez a estatueta de Melhor Série Dramática e dominando por completo a categoria na maior noite …

Vacina contra a covid-19 em spray nasal tem vários benefícios - e pode estar para breve

Atualmente, receber uma vacina contra a contra a covid-19 é sinónimo de levar uma injeção no braço. Contudo, esta realidade pode mudar, já que um novo estudo garante a eficácia de vacinas administradas de forma …

Messi substituído e surpreendido

Jogo contra o Lyon não estava a correr bem para o PSG e o treinador Mauricio Pochettino decidiu colocar Lionel Messi no banco de suplentes. O Paris Saint-Germain "sobreviveu" neste domingo - mas já sem Lionel …

“Este senhor é primeiro-ministro? Não, mas vai ser“. Em tempo de autárquicas, Pedro Nuno faz campanha dupla

Pedro Nuno Santos tem aproveitado a campanha autárquica para prosseguir a sua campanha interna. Um dia será sucessor de António Costa e a ocasião é perfeita para ganhar simpatizantes dentro do próprio partido. Entre sexta e …

Pelo menos oito mortos e seis feridos num tiroteio em universidade na Rússia

Pelo menos oito pessoas morreram e seis outras ficaram feridas após um atirador abrir fogo hoje numa universidade na cidade russa de Perm, segundo o Comité de Investigação da Rússia citado pela agência de notícias …

Vulcão nas Canárias em erupção e destrói casas. Cinzas podem chegar à Madeira

O vulcão Cumbre Vieja, na ilha espanhola de La Palma, entrou este domingo em erupção na zona de Las Manchas, depois de mais de uma semana em que foram registados milhares de sismos na região. A …

Cientistas queriam estudar a propagação das borboletas, mas criaram uma matriosca de parasitas

Objetivo dos cientistas era perceber, através da introdução da espécie de borboletas Glanville fritillary qual o seu poder de dispersão numa ilha finlandesa. No entanto, acabaram com um retrato alarmante para todos os investigadores que …

Marcelo encontra-se em Nova Iorque com Presidentes das Maldivas e Peru

O Presidente da República tem agendados encontros bilaterais com cinco chefes de Estado, em Nova Iorque, à margem da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), entre os quais os presidentes das Maldivas e …