Marcelo e Costa evitam Monchique para não atrapalhar. Santana tentou e foi barrado

Paulo Cunha / Lusa

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, conforta o presidente da Câmara Municipal de Pedrógão Grande, Valdemar Alves. à esquerda, o secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes

Não é por acaso que Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa decidiram não interromper as férias para comparecer no centro de operações de combate aos incêndios. Mas Santana Lopes tentou chegar à vila de Monchique, onde continua o fogo mais dramático do país, e não conseguiu.

Contrariamente à postura de Marcelo Rebelo de Sousa e de António Costa, que têm evitado ir ao terreno de operações do combate ao incêndio de Monchique, que continua a arder há seis dias consecutivos, Pedro Santana Lopes tentou chegar à vila algarvia, mas foi barrado pela polícia, como avança o Jornal de Notícias.

“Educadamente, uma brigada da GNR disse-me que por razões de segurança não poderia continuar”, conta o ex-líder do PSD, notando que “queria ir lá expressar a solidariedade com o presidente da Câmara” Rui André.

“Ainda tentei depois, através de um outro acesso, que passa perto da ETAR, mas foi em vão. Tentarei voltar amanhã“, frisou ainda Santana Lopes que, recentemente, anunciou que vai deixar o PSD e formar um novo partido político.

Santana Lopes frisa ainda que no ano passado, se deslocou às áreas afectadas pelos fogos na zona de Pedrógão Grande. “Sempre fui de forma anónima, sem qualquer aparato atrás de mim, porque aquelas pessoas merecem todo o apoio que lhes possa ser dado”, justifica.

E se há quem atire que Santana Lopes pretende com este gesto espetar uma farpa em Marcelo e em Costa, que não foram ainda ao terreno do incêndio, o ex-primeiro-ministro garante que não age com “a intenção de apontar fragilidades seja ao que for”.

Certo é que o Presidente da República e o primeiro-ministro têm evitado comparecer no teatro de operações, cumprindo a recomendação que consta do Relatório da Comissão Técnica Independente (CTI) que analisou as circunstâncias dos incêndios do ano passado, nomeadamente em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria.

Aquele documento constata que a “presença de altas autoridades perturba naturalmente os trabalhos do comando”, transcreve o jornal i na edição impressa desta terça-feira.

Em 2017, o comandante responsável pelo combate aos incêndios em Pedrógão Grande foi obrigado a interromper o seu trabalho por 20 vezes, dada a presença de responsáveis políticos, como constata o i.

A CTI atesta que “a participação de pessoas” que representam “entidades oficiais ou órgãos de comunicação social” ajuda a levantar a moral das equipas no terreno, mas de facto não acarreta “qualquer contributo” para o desenrolar efectivo das operações, nem para a “tomada de decisões”, como transcreve o i.

Assim, não é de estranhar que António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa continuem de férias, sem se terem apressado a correr para Monchique, onde continua a lavrar o incêndio mais dramático que assola o país nesta altura. Um comportamento que destoa com aquilo que se passou no ano passado, em Pedrógão Grande.

O primeiro-ministro usou o seu perfil no Twitter para notar que está em “contacto permanente” com o ministro da Administração Interna e com os autarcas para actualizações, análise e orientações sobre os incêndios.

Nesta quarta-feira, o primeiro-ministro compareceu na sede da Autoridade Nacional de Protecção Civil, ao lado do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, para participar no briefing sobre a situação no terreno.

Marcelo Rebelo de Sousa assumiu, por seu lado, que não se desloca a Monchique para não atrapalhar, lembrando que a CTI considerou como “um dos aspectos negativos” dos incêndios do ano passado a sua “ida ao terreno, porque teria perturbado as operações de resposta”.

O Presidente da República, que está de férias na região centro do país, nalgumas das zonas que foram afectadas pelos fogos no ano passado, nota que está “ao longo do dia em permanente contacto com o senhor ministro da Administração Interna” e “a acompanhar o que se passa”, conforme declarações divulgadas pela RTP3.

Marcelo também fala da resposta “brutal” ao incêndio de Monchique, frisando que “há uma diferença de meios muito significativa, meios aéreos por um lado, meios no terreno por outro lado, a forma de estrutura e de prevenção”, relativamente ao ano passado.

ZAP //

 

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Marcelo também fala da resposta “brutal” .
    Brutal de bruto. Bruto como o comandante da PC que agora foi afastado do comando !
    Marcelo sempre a lavar a borradas do governo…
    1000 bombeiros mais de 300 viaturas, mais de 17 aeronaves, são meios brutais, para um ataque pífio, lento e descoordenado. Salvaram-se as pessoas o que já foi bom …

    • Está tudo a começar a cair aos bocados, CP, INEM, PC, etc, etc
      Fruto de uma nova filosofia, retirar pessoas competentes e colocar telefonistas na protecção civil…por ex.

  2. Propaganda com uma desgraça do país os incêndios nunca visto demagogia e hipocrisia e incompetência não há memória.Um povo resignado e feliz.A nova lei está tudo resolvido Passos Coelho é o culpado.

RESPONDER

Vitória já tem proposta por Tapsoba (e pode fazer encaixe histórico)

O Vitória de Guimarães recebeu uma proposta por Edmond Tapsoba que pode levar os vimaranenses a abrir mão do jogador. Sabe-se que a proposta recebida ronda os 20 milhões de euros. A notícia avançada esta terça-feira …

Livre exige que património das ex-colónias em museus portugueses seja devolvido

O Livre quer que todo o património das ex-colónias, presente em território português, possa ser restituído pelos países de origem de forma a “descolonizar” museus e monumentos estatais. O partido da papoila quer que o património …

Pedro Sánchez usou helicóptero que procurava homem desaparecido

O primeiro-ministro espanhol requisitou, na passada quinta-feira, um helicóptero que estava a ser utilizado nas operações de busca de um homem de 34 anos que estava desaparecido em Maiorca. De acordo com o jornal espanhol ABC, tratava-se …

Isabel dos Santos contrata advogados de Ronaldo, Meghan e J. K. Rowling

Isabel dos Santos decidiu esta segunda-feira processar o consórcio de jornalistas. Para tal, contratou a mesma firma de advogados que conta com clientes como Cristiano Ronaldo, Harry e Meghan Markle e J. K. Rowling. Depois de …

ERC dá parecer favorável à nova direção de informação da RTP

A Entidade Reguladora para a Comunicação (ERC) deu, esta segunda-feira, "parecer favorável à nova direção de informação da RTP", 20 dias depois de a equipa liderada por António José Teixeira ter sido indigitada. O Conselho Regulador …

OE2020. BE quer fim do regime "aberrante" dos vistos gold

O BE destacou, entre as cerca de 200 propostas de alteração que apresentou ao Orçamento do Estado, o fim do regime dos ‘vistos gold’ e a obrigação de qualquer injeção de capital no Novo Banco …

Após 20 anos de silêncio, sinos e carrilhões de Mafra voltam a tocar

Os sinos e os carrilhões do Palácio de Mafra vão tocar a partir de 1 de fevereiro, após obras de restauro, depois de os primeiros sinais de deterioração surgirem a 11 de setembro de 2001, …

Encontro secreto de bispos críticos do Papa Francisco em resort de luxo em Sintra

Uma centena de bispos de todo o mundo reuniu-se em Sintra, no resort de luxo Penha Longa, num encontro envolvido em secretismo que não contou com intervenientes portugueses. As razões ou o que se discutiu …

Quim Torra perde mandato de deputado. Catalunha arrisca ficar sem Governo

O presidente independentista da Catalunha perdeu o seu mandato como deputado regional, esta segunda-feira, o que levanta dúvidas sobre a sua continuação à frente do Governo regional. Quim Torra, do partido Juntos pela Catalunha de Carles …

Herdeiros e casais têm até hoje para pedir alteração no Adicional ao IMI

Os casais e os beneficiários de heranças indivisas têm até esta terça-feira para entregar no Portal das Finanças o pedido de alteração à forma como foram tributados no Adicional ao Imposto Municipal sobre os Imóveis …