Marcelo aparece para “furar balões” (e evitar que rebente uma potencial crise)

websummit / Flickr

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

Em entrevista ao jornal Público, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, justificou as suas constantes movimentações públicas com a necessidade de estar junto das pessoas em tempo de pandemia e de tentar “furar balões”. O objetivo é evitar uma potencial crise.

Num tempo atípico, motivado pela pandemia de covid-19, Marcelo Rebelo de Sousa justifica as suas constantes movimentações e presenças nas mais variadas situações com a necessidade de estar junto dos portugueses e, ao mesmo tempo, evitar conflitos governamentais que só teriam consequências negativas neste momento.

“Porque tenho, por vezes, de aparecer? Em parte, por causa justamente da pandemia – para estar junto das pessoas, sobretudo daquelas que se afligem ou se desnorteiam com este curso da crise e seus efeitos – “abre, fecha, abre, fecha”. Em segundo lugar, para tentar ‘furar balões'”, afirmou o Presidente da República, em entrevista ao Público.



E acrescentou: “Quando me apercebo que vai haver um balão que enche, configurando uma potencial crise, entendo que o melhor é intervir enquanto o balão é pequeno, a deixá-lo encher até rebentar.”

Como exemplo, tomou as negociações do Orçamento do Estado (OE). “Voltei a ter intervenções antes das negociações para tentar prevenir”, disse.

Questionado sobre se as trocas de declarações com António Costa seria uma espécie de rutura com o chefe do Governo (quando disse que “Quem nomeia o primeiro-ministro é o Presidente, não é o primeiro-ministro que nomeia o Presidente”), Marcelo respondeu que tentou “mostrar o contrário“.

“Daqui até 2023, não pode haver crises que afetem a execução e aplicação dos fundos europeus. O que implica um mínimo de estabilidade – eu diria mesmo que o ideal era o máximo de estabilidade! -, e, portanto, que não pode haver crises”, justificou.

“Somar uma crise política à crise pandémica e económica?”, questionou, em jeito de remate.

O chefe de Estado assumiu as diferenças entre os dois, “em maneiras de ser, em quadrantes políticos, em percursos de vida”.

Ainda assim, confessou que o seu primeiro mandato “correu melhor do que o imaginado em março de 2016”, uma vez que avançou para um cenário de um país acabado de sair de uma crise económica e com “uma incógnita sobre se a fórmula de Governo seria duradoura e se seria respeitado o caminho do reequilíbrio orçamental”.

A coabitação foi facilitada pela opção governativa de seguir o caminho da redução do défice e pela inesperadamente estável relação na base de sustentação do poder”, acrescentou.

Na mesma entrevista, Marcelo Rebelo de Sousa confessou estar cansado de toda a situação vivida no país, tal como os portugueses. Mas “o cansaço teve uma explicação física”: além de não ter tirado “férias significativas no ano passado”, somou-se a “campanha eleitoral” e o início do segundo mandato.

“Nunca parei ao longo deste tempo todo, meses e meses a fio. Felizmente, fisicamente sinto-me agora muito bem”, garantiu.

Além disso, “ninguém tira férias numa pandemia”.

Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Este artista mete-se em todo lado. Transcende a função de Chefe de Estado. Chega a ser ridículo. É, provavelmente o pior dos 5 presidentes que tivemos.

  2. “ninguém tira férias numa pandemia”.

    Então o Ano passado no início da pandemia ele não estava de férias, por isso foi ajudar a salvar as meninas no barquinho de plástico que virou ali ao largo da costa. Fiquei agora esclarecido que o nosso PR estava na praia a fazer de auxiliar de nadador salvador.

    Já o Costa andava a fazer auditoria de qualidade aos pastéis de nata.

    Temos realmente governantes que se preocupam tanto com o país que nem para a praia sabem ir de férias, só vão em trabalho

  3. Sempre a tirar selfies com desconhecidos… e nunca apanha Covid. Muito estranho. Ainda insistem em afirmar que este desgraçado é um bom presidente? Oh, pá, enfiem-se num buraco!

RESPONDER

Computador quântico ajuda a criar um computador quântico melhor

Um computador quântico foi usado para projetar um qubit aprimorado que poderá alimentar a próxima geração de computadores quânticos mais pequenos, de alto desempenho e mais confiáveis. Da mesma forma que um bit binário é a …

Em apenas três anos, a Austrália perdeu um terço dos seus coalas

A seca, os incêndios florestais e a desflorestação na Austrália levaram o país a perder um terço dos seus coalas nos últimos três anos. A Austrália perdeu cerca de 30% dos seus coalas nos últimos …

Há modelos matemáticos que preveem se uma música vai ser viral — os mesmos utilizados com a covid-19

O uso de modelos matemáticos para antecipar o nível de sucesso de uma música pode começar a ser usado, a partir da publicação do presente estudo, por artistas e editoras para melhorar o desempenho dos …

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …