Manuel Pinho ouvido na PJ no caso de corrupção na EDP

José Goulão / Wikimedia

Manuel Pinho, ex-ministro da Economia

O ex-ministro Manuel Pinho vai ser interrogado pela Polícia Judiciária, no âmbito do processo de investigação a suspeitas de corrupção na EDP. O ex-governante garante que não foi “favorecido” pela empresa.

A confirmação de que Manuel Pinho vai ser interrogado no âmbito do processo que já levou à constituição de António Mexia, presidente executivo da EDP, como arguido, chega pela voz do seu advogado, Ricardo Sá Fernandes.

“O dr. Manuel Pinho será ouvido nos termos acordados até às férias judiciais, não tendo sido sido formalmente comunicado o estatuto em que vai ser interrogado”, refere o advogado em declarações ao Jornal Económico.

Assim, Pinho vai ser interrogado até 15 de Julho próximo e o Económico assegura que será ouvido na qualidade de arguido. Mas este dado não está confirmado.

Entretanto, Manuel Pinho escreveu um longo artigo de opinião no jornal Público onde nega qualquer “favorecimento” da EDP e apela a que a investigação seja levada “até às últimas consequências”.

“Não fui favorecido pela EDP”, começa por escrever o ex-ministro. “A EDP também nunca me pagou, a mim e à minha família, viagens a grandes cidades, estadias em hotéis de 5 estrelas e avenças, nem deu empregos aos meus filhos”, acrescenta depois Manuel Pinho.

O ex-governante refere que é “o maior interessado em colaborar na investigação”, alegando que o seu nome “foi envolvido de forma desagradável e injusta”, e diz que já pediu ao primeiro-ministro para prestar declarações no Parlamento “se ele assim o entender”.

O inquérito, de acordo com o Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), tem como objecto “a investigação de factos subsequentes ao processo legislativo, bem como aos procedimentos administrativos relativos à introdução no sector eléctrico nacional dos Custos para Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC)”.

“O meu nome foi envolvido neste inquérito, segundo compreendo, inventando-se uma cátedra de três milhões criada ao abrigo de um protocolo com a Universidade de Columbia, celebrado no final de 2009. Não beneficio, nem beneficiei, de nenhuma cátedra de três milhões paga pela EDP”, escreve Manuel Pinho.

O ex-ministro da Economia recorda que a Universidade de Columbia “já emitiu um comunicado dizendo que tinha tido um programa com a EDP num valor de cerca de um milhão de euros para quatro anos”, em que estiveram envolvidos “muitos professores e alunos e foram patrocinados projectos de investigação e ciclos de conferências”.

Estes programas são muito comuns nas universidades americanas e são realizados a benefício da ciência”, sublinha.

Manuel Pinho diz ainda que, caso as suspeitas do Ministério Público fossem verdadeiras, uma vez que estaria envolvida a Universidade de Columbia, a investigação deveria envolver não só o MP português, mas também o Departamento de Justiça dos EUA.

Defende-se dizendo ainda que o seu salário na Universidade de Columbia é “muitíssimo inferior ao de um professor efectivo a tempo inteiro” e diz acreditar que não haveria qualquer processo “se as famílias portuguesas não pagassem os quartos preços de electricidade mais caros da UE”.

“O preço da electricidade em Portugal é superior à média da UE e o 4.º mais caro da UE apenas porque em Setembro de 2011 o Governo da altura acordou com a Troika em aumentar o IVA sobre a electricidade de 6% para 23%”, justifica depois.

“Caso não tivesse havido um aumento brutal de impostos em Portugal, o preço pago pelos consumidores de electricidade domésticos continuaria a ser inferior à média da UE 28″, afirma.

Sobre os CMEC, Pinho diz que “decorrem da liberalização do mercado exigida pela UE e da legislação aprovada em 2004”, defendendo que têm como princípio “assegurar que os produtores mantivessem os chamados CAE, que tinham um rendimento garantido (sem risco)”.

Os CMEC são uma compensação relativa à cessação antecipada de contratos de aquisição de energia (CAE), o que aconteceu na sequência da transposição de legislação europeia no final de 2004.

Até ao momento são conhecidos sete arguidos num inquérito do DCIAP que investiga crimes de corrupção e participação económica em negócio na área da energia, entre os quais os presidentes da EDP e da EDP Renováveis, António Mexia e João Manso Neto, respectivamente.

ZAP // Lusa

RESPONDER

O veterano da 2ª Guerra que inspirou Dunkirk viu o filme - e chorou

O filme Dunkirk está a superar todas as expetativas: além de liderar nos EUA está a ter uma excelente aceitação nos mercados internacionais e Portugal não é exceção. No entanto, a aprovação de um espetador “especial”, …

Escândalo de fuga de informação confidencial provoca crise no Governo sueco

O primeiro-ministro da Suécia, o social-democrata Stefan Löfven, anunciou esta quinta-feira que os ministros do Interior, Anders Ygeman, e Infraestruturas, Anna Johhansson, vão deixar o Executivo após o escândalo provocado no país pela fuga de …

Rússia terá usado perfis falsos no Facebook para espiar campanha de Macron

A Agência Reuters noticia que agentes secretos russos tentaram espiar a campanha de Macron, para as eleições francesas. Como? Criando perfis falsos para se fazerem "amigos" de membros da campanha. Agentes ligados aos Serviços Secretos russos …

Cientistas chineses desenvolvem possível inibidor do vírus Zika

Uma equipa de investigadores chineses desenvolveu um possível inibidor do vírus Zika baseado em moléculas, que foi testado em ratos e poderá ajudar a combater a propagação do vírus entre seres humanos. Segundo o jornal Shanghai …

Fundador da Amazon ultrapassou Bill Gates e é o novo homem mais rico do mundo

O fundador da Amazon, Jeff Bezos, tornou-se nesta quinta-feira pela primeira vez no homem mais rico do planeta, com uma fortuna que supera 90 mil milhões de dólares. De acordo com a revista "Forbes", que …

Augusto Inácio esteve retido nas instalações do Zamalek e teve que recorrer à embaixada poortuguesa

O treinador português esteve impedido de sair das instalações do Zamalek, no Egito, por seguranças do clube, tendo sido obrigado a pedir auxílio à representação portuguesa no Cairo - que interveio prontamente. No final, ficou …

Fumar pode aumentar a sensibilidade ao stress

Fumar pode aumentar a sensibilidade ao stress, revela um estudo feito em cobaias pelo Centro Nacional para a Pesquisa Científica da França (CNRS) e publicado nesta terça-feira na revista “Molecular Psychiatry“. Contrariando a ideia popular que …

Índia: Criança de dez anos pede para abortar

O Supremo Tribunal indiano aceitou estudar o caso de uma criança de 10 anos, grávida de 26 semanas, cujos pais pediram autorização para fazer um aborto fora do prazo legal. Vários médicos vão examinar a …

Criança inglesa desaparecida na Praia da Luz foi encontrada

Uma criança de nacionalidade inglesa esteve desaparecida desde o início da tarde desta quinta-feira na praia da Luz, em Lagos, Algarve, estando as autoridades policiais a efetuar buscas sobre o seu paradeiro, disse à Lusa …

Nova tecnologia permite extrair energia cinética aos veículos e transformá-la em energia elétrica

Uma equipa que envolve especialistas do Porto, de Lisboa e de Coimbra está a desenvolver uma tecnologia para ser aplicada na superfície de pavimentos rodoviários, que permite extrair energia cinética aos veículos e transformá-la em …