Manifestantes em Hong Kong tentam invadir sede do governo. Carrinho de compras atirado contra a porta

Ritchie B. Tongo / EPA

Os protestos voltaram a Hong Kong. Vários manifestantes estão reunidos, esta segunda-feira, à porta da Assembleia Legislativa da região para assinalar o 22º aniversário da transferência da soberania do Reino Unido para a China.

Nesta data, costumam organizar-se manifestações pró e anti China. Mas os protestos do último mês, que levaram centenas de milhares de pessoas às ruas para pedir que a lei de extradição não avançasse, aqueceram os ânimos e transformaram a data numa espécie de sequela dos protestos de junho.

Vários manifestantes tentaram até invadir o edifício da Assembleia Legislativa. Recorrendo a um carrinho de supermercado metálico, os manifestantes tentaram forçar a entrada no edifício da Assembleia, até agora sem sucesso.

Muitos dos vidros que compõem a fachada principal do edifício estão partidos mas apenas do lado de fora. Da parte de dentro, a polícia de choque, que começou por utilizar gás lacrimogéneo, vai avisando que se os ânimos não esfriarem terá de recorrer à violência para reprimir o protesto. Pelo menos uma pessoa apresentava ferimentos na cabeça.

De acordo com a AFP, pelo menos três avenidas da cidade foram invadidas por jovens manifestantes que começaram a montar barricadas, numa altura em que é esperada uma nova manifestação esta tarde.

A 1 de julho de 1997, Hong Kong, que esteve 156 anos sob domínio britânico, regressava à soberania chinesa. Tal como eu Macau, dois anos depois, a transferência de soberania decorreu sob o princípio “um país, dois sistemas”, precisamente o que os opositores às alterações da lei garantem estar agora em causa.

Para as duas regiões administrativas especiais da China foi acordado um período de 50 anos com elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judiciário, sendo o Governo central chinês responsável pelas relações externas e defesa.

Nas últimas semanas, centenas de milhares de pessoas saíram às ruas de Hong Kong para protestar contra uma lei que permitiria a Carrie Lam e aos tribunais de Hong Kong processar pedidos de extradição de suspeitos de crimes para jurisdições sem acordos prévios. Os suspeitos de crimes podiam ser extraditados do território de Hong Kong para países como a China.

Carrie Lam é conhecida por liderar o território de Hong Kong de forma fria e dura, sem demonstrar emoções. No entanto, os protestos surtiram efeito porque a líder da região recuou e cancelou a lei de extradição.

Além disso, admitiu que as “deficiências” no trabalho do governo levaram a “substanciais controvérsias”, que desapontaram o povo. Nesse dia, muitos manifestantes disseram que a posição de Lam não foi sincera e continuaram os protestos.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Nike deixa de vender produtos através da Amazon

A marca desportiva Nike vai deixar de vender as suas peças de roupa e calçado diretamente através da Amazon, acabando com um contrato firmado em 2017, no qual concordava em vender uma variedade limitada de produtos …

Marco António Costa apoia Pinto Luz. Cavaco também era “improvável e desconhecido”

O antigo vice-presidente do PSD declarou, esta segunda-feira, o seu apoio ao candidato Miguel Pinto Luz, afirmando que, em 1985, Cavaco Silva também foi um vencedor "improvável e desconhecido". "Em maio de 1985, o Governo de …

Veneza com "centenas de milhões" de euros de prejuízo por causa das cheias

A cidade de Veneza, com inundações nos últimos dias, voltou este domingo a registar uma maré alta, mas de menor magnitude, tendo as chuvas intensas que afetam Itália levado a alertas para as cidades de …

Vila Galé abandona projeto que ameaçava reserva indígena no Brasil

O Vila Galé anunciou que vai abandonar o projeto para a instalação de um resort na região da Bahia, que tem estado debaixo de críticas por estar previsto para um local de potencial reserva indígena. Em …

Depois de ter sido expulsa da Hungria, universidade criada por George Soros reabre na Áustria

A Universidade da Europa Central, criada pelo bilionário George Soros em Budapeste, na Hungria, em 1991, foi expulsa do país depois que o primeiro-ministro Viktor Orbán a acusou de promover valores liberais no país, incluindo …

Bloco defende fim de portagens nas ex-Scut do interior

A coordenadora do BE defendeu esta segunda-feira, no Porto, o fim das portagens nas ex-Scut do interior do país e a necessidade de "rever" as parcerias público-privadas rodoviárias por serem "absolutamente lesivas para os cofres …

Jovem muçulmana de Tavira já tem equipamento para jogar basquetebol

A jovem atleta do Clube de Basquetebol de Tavira, impedida de alinhar num jogo no passado domingo, já possui o equipamento que lhe permite jogar segundo as regras da modalidade e da religião muçulmana. Fátima Habib …

Presidente da Catalunha começa a ser julgado por desobediência

O presidente do Governo regional da Catalunha reconheceu, esta segunda-feira, que não cumpriu a ordem da comissão nacional de eleições espanhola de remover os símbolos separatistas alegando ser "ilegal" e de cumprimento "impossível". "Sim, eu desobedeci", …

Um restaurante acabou de abrir a um quarteirão da Casa Branca. Chama-se "Comida de Imigrante"

Um restaurante chamado "Immigrant Food" ("Comida de Imigrante") abriu a um quarteirão da Casa Branca. O local quer fazer com que ajudar imigrantes seja tão fácil como pedir comida de um menu. Assim, além de comida, …

Trump admite testemunhar no inquérito para a sua destituição

O Presidente dos EUA admitiu, esta segunda-feira, "considerar seriamente" a possibilidade de testemunhar por escrito no inquérito para a sua destituição, que decorre no Congresso. "Embora não tenha feito nada de errado e não goste de …