Manifestantes em Hong Kong tentam invadir sede do governo. Carrinho de compras atirado contra a porta

Ritchie B. Tongo / EPA

Os protestos voltaram a Hong Kong. Vários manifestantes estão reunidos, esta segunda-feira, à porta da Assembleia Legislativa da região para assinalar o 22º aniversário da transferência da soberania do Reino Unido para a China.

Nesta data, costumam organizar-se manifestações pró e anti China. Mas os protestos do último mês, que levaram centenas de milhares de pessoas às ruas para pedir que a lei de extradição não avançasse, aqueceram os ânimos e transformaram a data numa espécie de sequela dos protestos de junho.

Vários manifestantes tentaram até invadir o edifício da Assembleia Legislativa. Recorrendo a um carrinho de supermercado metálico, os manifestantes tentaram forçar a entrada no edifício da Assembleia, até agora sem sucesso.

Muitos dos vidros que compõem a fachada principal do edifício estão partidos mas apenas do lado de fora. Da parte de dentro, a polícia de choque, que começou por utilizar gás lacrimogéneo, vai avisando que se os ânimos não esfriarem terá de recorrer à violência para reprimir o protesto. Pelo menos uma pessoa apresentava ferimentos na cabeça.

De acordo com a AFP, pelo menos três avenidas da cidade foram invadidas por jovens manifestantes que começaram a montar barricadas, numa altura em que é esperada uma nova manifestação esta tarde.

A 1 de julho de 1997, Hong Kong, que esteve 156 anos sob domínio britânico, regressava à soberania chinesa. Tal como eu Macau, dois anos depois, a transferência de soberania decorreu sob o princípio “um país, dois sistemas”, precisamente o que os opositores às alterações da lei garantem estar agora em causa.

Para as duas regiões administrativas especiais da China foi acordado um período de 50 anos com elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judiciário, sendo o Governo central chinês responsável pelas relações externas e defesa.

Nas últimas semanas, centenas de milhares de pessoas saíram às ruas de Hong Kong para protestar contra uma lei que permitiria a Carrie Lam e aos tribunais de Hong Kong processar pedidos de extradição de suspeitos de crimes para jurisdições sem acordos prévios. Os suspeitos de crimes podiam ser extraditados do território de Hong Kong para países como a China.

Carrie Lam é conhecida por liderar o território de Hong Kong de forma fria e dura, sem demonstrar emoções. No entanto, os protestos surtiram efeito porque a líder da região recuou e cancelou a lei de extradição.

Além disso, admitiu que as “deficiências” no trabalho do governo levaram a “substanciais controvérsias”, que desapontaram o povo. Nesse dia, muitos manifestantes disseram que a posição de Lam não foi sincera e continuaram os protestos.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Governo ignorou recomendação parlamentar na auditoria feita ao Novo Banco

Mário Centeno e António Costa ignoraram a recomendação aprovada em Parlamento na sua auditoria ao Novo Banco. Os socialistas defendem que seria inconstitucional avaliar o desempenho do Banco de Portugal. Uma proposta do PSD aprovada em …

Avarias param 9 das 20 novas ambulâncias do INEM

Só entraram em serviço em abril, mas as novas ambulâncias do INEM já estão a dar problemas. Dos 20 novos veículos, apenas 11 estão a circular normalmente. As sirenes e as luzes desligam-se em andamento e …

Máfias e milícias responsáveis por incêndios da Amazónia, conclui relatório

As queimadas associadas aos desmatamento da Amazónia resultam em grande parte da ação violenta de redes criminosas, conclui um relatório da Human Rights Watch. Divulgado esta terça-feira, um relatório da Human Rights Watch conclui que as …

Benfica lança-se à 'Champions' com Lage a admitir mexer no ataque

O Benfica estreia-se hoje diante dos alemães do Leipzig na edição 2019/20 da Liga dos Campeões de futebol, competição em que tentará ultrapassar os 'fracassos' das duas anteriores épocas, nas quais foi eliminado na fase …

Itália. Matteo Renzi abandona o Partido Democrata e anuncia formação de novo partido

O ex-primeiro-ministro italiano Matteo Renzi anunciou que vai deixar o Partido Democrata (PD), do qual era secretário-geral, para criar a sua própria formação, mas garantiu que o grupo continuará a apoiar o Governo de Giuseppe …

Tribunal Arbitral reduz suspensão de Neymar na Champions

O Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) reduziu a suspensão imposta pelo Comité de Disciplina da UEFA de três para dois jogos a Neymar. O Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) decidiu esta terça-feira reduzir a suspensão imposta …

Jerónimo admite "um ou outro descontente" interno e ataca arrivismo do PAN

Jerónimo de Sousa admitiu haver militantes descontentes com a participação na denominada "geringonça", embora frisando que o sentimento geral é de satisfação, e atacou algumas posições do PAN, defendendo que "Os Verdes" são o verdadeiro …

Brexit. Juncker recorda a Johnson que cabe ao Reino Unido apresentar propostas

O presidente da Comissão Europeia recordou na segunda-feira ao primeiro-ministro britânico que cabe ao Reino Unido apresentar "soluções legalmente operacionais" e compatíveis com o Acordo de Saída, reiterando a disponibilidade europeia para apreciar se estas …

"Quem manda nas seleções são os agentes, para valorizar jogadores, interesses"

Carlitos relembra a altura em que foi chamado à seleção de sub-21 pela mão do empresário José Veiga. O antigo jogador do Benfica diz que "quem manda nas seleções são os agentes". Aos 37 anos, Carlitos …

Ataque às refinarias. Arábia Saudita e EUA apontam o dedo ao Irão

A Arábia Saudita e os Estados Unidos deixaram a entender que o Irão está por detrás do ataque de sábado que atingiu as principais instalações petrolíferas sauditas. O Governo de Teerão nega, apontando o dedo …