Manifestações por todo o Brasil pedem o fim do governo de Dilma

Wilson Dias / Agência Brasil

Manifestantes em Brasília contra a corrupção e pela saída de Dilma Rousseff

Manifestações pela saída da presidente Dilma Rousseff e o fim da corrupção estão a reunir milhares de brasileiros em mais de 300 cidades do país.

Os protestos estão a decorrer em municípios como o Rio de Janeiro, Alagoas, Bahia, Paraná, Maranhão, Pernambuco, Goiás, Tocantins, Pará ou São Paulo, além do distrito federal, Brasília. De acordo com o Movimento Vem pra Rua, as manifestações a favor do impeachment de Dilma podem chegar a 500 cidades.

De acordo com a Polícia Militar, o protesto em Brasília reuniu 100 mil pessoas, mais do que o dobro do que na manifestação de março de 2015, quando 45 mil pessoas compareceram.

Na capital brasileira, onde a manifestação estava marcada desde o ano passado, a maioria dos manifestantes veste roupas de cor verde e amarela da bandeira brasileira. Um boneco vestido de detento, chamado pelo movimento de Pixuleco, está amarrado ao chão. Alguns manifestantes alinharam-se em frente ao Congresso Nacional formando a frase “Fora, Dilma”.

De acordo com Breno Saradelo, coordenador do movimento em Brasília, a manifestação é um apelo “contra a corrupção institucionalizada, independentemente do governo e do partido”. Em vários momentos, os manifestantes defenderam uma “limpeza” de políticos corruptos, nomeadamente Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados, Renan Calheiros, presidente do Senado, e de Dilma.

Tânia Rego / ABr

Manifestação a 13 de março contra a corrupção e pelo impeachment de Dilma

Manifestação a 13 de março contra a corrupção e pelo impeachment de Dilma

No Rio de Janeiro, a manifestação que se concentrou na orla de Copacabana foca-se no apoio à Operação Lava Jato, à Polícia Federal e ao juiz Sergio Moro, que julga o escândalo de corrupção na Petrobras.

Um dos carros de som na Avenida Atlântica traz uma faixa com a frase “Fora Comunismo”, enquanto o porta-voz do movimento chama pelo microfone “as famílias de bem, de direita, contra o PT” para participarem na manifestação.

Este discurso, no entanto, não é partilhado por todos os manifestantes. “Não sou de direita e não me sinto representada por este senhor. E ainda fica insultando a presidente. Acho feio. O ato é pela democracia e honestidade e é por isso que estou aqui”, afirmou Elvira Moraes, uma dona de casa de 63 anos, à Agência Brasil.

Outro manifestante afirma que “estar aqui é importante, porque acredito que nossa indignação pode pressionar o governo e as autoridades a acabarem com essa sujeira que tem assolado a política deste país”.

Em Brasília, um funcionário da Justiça Federal acredita que a corrupção não é de apenas um partido. “O Brasil precisa se reinventar. O que se está pedindo não é solução. O necessário seria convocar uma nova Constituinte”.

O PT também tinha marcadas manifestações em diversas cidades este domingo, mas a maioria acabou cancelada devido ao receio de confrontos com militantes favoráveis à saída de Dilma Rousseff.

Em algumas cidades, os sindicalistas da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e outros movimentos mantiveram a realização de manifestações pró-governo e pró-Lula, tais como Fortaleza, Rio de Janeiro e Porto Alegre.

Agência Brasil

PARTILHAR

RESPONDER

Este ano não há São João nem Santo António. Festas populares canceladas em Lisboa e Porto

As Câmaras Municipais de Lisboa e do Porto resolveram cancelar as festividades de Santo António e de são João, respectivamente, por causa da pandemia de Covid-19. As marchas populares só voltam no próximo ano, com …

Sem ajudas do Governo, "não sei se os grandes vão continuar a ser grandes"

"É complicado encontrar soluções", assume o presidente do Marítimo numa altura em que o futebol está parado por causa da pandemia de Covid-19. A situação é "aflitiva" para muitos clubes, diz Carlos Pereira que acredita …

Governo dá tolerância de ponto nos dias 9 e 13 de abril

O primeiro-ministro assinou um despacho a conceder tolerância de ponto nos próximos dias 9 e 13, no período da Páscoa, a todos os trabalhadores que exercem funções públicas nos serviços da administração direta do Estado. “É …

Depois do papel higiénico, vendas de snacks e bebidas alcoólicas disparam

A Associação Espanhola de Supermercados fez um estudo sobre as alterações de consumo desde que foi decretado o estado de emergência. A procura por papel higiénico disparou meados de março, mas os produtos mais procurados …

Bloco quer proibir banca de distribuir lucros (e pede ajuda ao PSD)

O Bloco de Esquerda quer proibir os bancos de distribuírem dividendos em 2020 e pede ajuda ao PSD para o conseguir. Em videoconferência, Mariana Mortágua lançou um desafio ao líder social-democrata. O Bloco de Esquerda anunciou …

Ordens duvidam dos números de infetados (e admitem fazer o seu próprio levantamento)

Segundo os números anunciados na quarta-feira, havia 1.124 profissionais de saúde e oito deles estavam internados em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI). Mas estes números não convencem as Ordens. De acordo com o Observador, o bastonário …

Europa tem que ser o seu "próprio Plano Marshall". Centeno defende solução sem o "estigma" da austeridade

Mário Centeno continua a incentivar uma solução conjunta assente na ideia da solidariedade europeia perante "uma crise inesperada e sem precedentes" devido à pandemia de Covid-19. Como presidente do Eurogrupo, o ministro das Finanças de …

Há mais de 10 mil infetados em Portugal. DGS vai fazer testes de imunidade à população

O boletim epidemiológico da Direção-geral da Saúde deste sábado regista 10.524 casos de infeção por covid-19 em Portugal. Há mais 20 mortes, num total de 266 óbitos. Nas últimas 24 horas, até à meia-noite, foram registados …

Quase meio milhão de portugueses estão em lay-off. "Sistema é errado", diz Francisco Louçã

Uma semana depois de o Governo ter aberto a porta ao lay-off simplificado, mais de 22 mil empresas já recorreram a este novo regime. Atualmente, há 425.287 trabalhadores nessa situação. Francisco Louçã considera este sistema …

Costa "chocado" com caso da morte no aeroporto. Enfermeira, médico e polícias também investigados

Além dos três inspectores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) que são suspeitos de terem agredido um cidadão ucraniano, que acabou por morrer, também há outros elementos do SEF, um médicos e uma enfermeira, …