Segundo dia do julgamento de Dilma “parecia um hospício”

O segundo dia do julgamento final da presidente com mandato suspenso, Dilma Rousseff, no senado brasileiro, em Brasília, teve ânimos exaltados e ficou marcado por muitas ausências entre os senadores a favor do ‘impeachment’ da presidente.

Dilma Rousseff, com mandato suspenso desde 12 de Maio, é acusada de editar, no ano passado, decretos de créditos suplementares sem o aval do congresso e de usar recursos de bancos federais em programas do tesouro, as chamadas “pedaladas fiscais”.

A manhã começou com um debate sobre a imparcialidade de testemunhas, que levou a defesa a desistir de ouvir a ex-secretária de Orçamento Esther Dweck, recentemente nomeada assessora da senadora do Partido dos Trabalhadores (PT) Gleisi Hoffmann.

Contudo, os ânimos continuaram exaltados, com o próprio presidente do senado, Renan Calheiros, a envolver-se numa discussão com Gleisi Hoffmann, dizendo que o julgamento decorria num “hospício”, e os trabalhos tiveram de ser suspensos.

No final do dia, o presidente da câmara alta do congresso afirmou aos jornalistas que estava “arrependido” da discussão.

Aécio Neves, líder do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) e candidato derrotado nas presidenciais de 2014, informou que os senadores a favor do ‘impeachment’ não fariam perguntas às testemunhas da defesa para acelerar o processo, explicando que que quase todas já prestaram depoimento na comissão especial do ‘impeachment’ no senado e acusou ainda os senadores que se opõem ao afastamento da presidente de quererem atrasar o julgamento.

Numa tarde mais calma, os senadores ouviram o economista Luiz Gonzaga Belluzo, mas na condição de declarante (sem servir de prova), a pedido do advogado da defesa, José Eduardo Cardozo, para evitar novos tumultos.

O economista defendeu que Dilma Rousseff foi excessivamente responsável com as medidas fiscais de 2015 e referiu que o impacto provocado pela edição dos decretos suplementares foi “ridículo”.

O declarante considerou ainda o processo de ‘impeachment’ um “atentado à democracia”.

O presidente do julgamento, Ricardo Lewandowski, indeferiu o pedido da acusação para que o professor de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro Geraldo Prado fosse ouvido na condição de declarante.

A testemunha frisou que “ninguém no lugar de Dilma faria algo diferente“, afirmando que a presidente com mandato suspenso confiou nas informações que tinha, dado que um governante não consegue controlar todos os actos da gestão. Para Geraldo Prado, a punição da destituição é “desproporcional ao facto”.

Os ânimos exaltaram-se quando a advogada de acusação Janaína Paschoal perguntou à testemunha se ele considerava a Venezuela uma democracia, porque muitos professores os acusam de ‘golpistas’ “veem a Venezuela como um governo legítimo”, mas o presidente do julgamento indeferiu a questão.

Luiz Cláudio Costa, ex-secretário-executivo do Ministério da Educação, mencionou que os decretos de crédito suplementar “não causaram impacto fiscal“, pois não representavam recursos novos que não estavam previstos.

“Ele [decreto] simplesmente permite ao gestor fazer uma alocação melhor da verba para os programas que acha mais importantes”, disse, acrescentando que houve também decretos de contigenciamento na Educação.

Tal como no primeiro dia do julgamento, por várias vezes, a discussão descambou para questões políticas.

Senadores que apoiam Dilma Rousseff chegaram a pedir a Ricardo Lewandowski a suspensão da sessão pela ausência de tantos senadores no plenário, mas o presidente do julgamento negou o pedido.

Para este sábado, estão agendados mais dois depoimentos indicados pela defesa, depois de na quinta-feira terem sido ouvidas duas pessoas indicadas pela acusação.

O processo vai avançar, na segunda-feira, com o depoimento de Dilma Rousseff, antes da discussão e da votação, que deverá determinar o seu afastamento permanente da presidência, passando esta a ser ocupada em pleno pelo presidente interino, Michel Temer.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Quase seis mil denúncias de agressões sexuais em viagens da Uber nos EUA

A plataforma de transporte de passageiros Uber divulgou na quinta-feira um relatório, revelando quase seis mil denúncias de agressões sexuais a utilizadores, motoristas e terceiros nos Estados Unidos (EUA), em 2017 e 2018. No relatório de …

Polícia de Los Angeles vai usar dispositivo "ao estilo Batman" para prender suspeitos

A polícia de Los Angeles, nos Estados Unidos, vai adotar, no início do próximo ano, um novo dispositivo, conhecido como BolaWrap 100, que dispara um cinto de fibra sintética a uma velocidade de 200 metros …

Corriere dello Sport defende-se das acusações e garante ser "inimigo do racismo"

O jornal desportivo italiano Corriere dello Sport afirmou esta sexta-feira ser “inimigo do racismo”, defendendo-se das críticas motivadas pela manchete de quinta-feira, com o título “Black Friday” e ilustrada com os futebolistas negros Romelu Lukaku …

Alisadores e tintas para cabelo podem aumentar o risco de cancro da mama

Alisadores e tintas para cabelo são dois produtos comummente utilizados por mulheres. Um novo estudo sugere que estes podem aumentar o risco de cancro da mama, especialmente em mulheres negras. Muitos produtos capilares contêm compostos que …

Black Friday. Marca de cosméticos oferece por engano desconto de 96% e perde 10 milhões em duas horas

Uma falha no site oficial da marca de produtos cosméticos Foreo fez com que o seu artigo mais caro fosse vendido com um desconto de 96%, fazendo com que a empresa sueca perdesse 10 milhões …

Camisola usada por Pelé no seu último jogo foi vendida por 30 mil euros em leilão

Uma camisola usada por Pelé no seu último jogo com a seleção brasileira foi vendida por 30 mil euros num prestigiado leilão de objetos desportivos, realizado na quinta-feira em Turim, Itália. A camisola com o número …

A maior entrada de sempre em bolsa. Saudi Aramco garante 25,6 mil milhões de dólares

Para além de fazer uma entrada em estilo na bolsa de Riade na próxima semana, com a maior IPO de sempre, a Saudi Aramco torna-se na empresa mais bem avaliada do mundo. A Saudi Aramco, petrolífera …

Novo livro revela provas de que Albert Camus foi assassinado pelo KGB

Giovanni Catelli é autor da teoria que o prémio Nobel da literatura Albert Camus foi assassinado pelo KGB. No seu novo livro, reitera essa ideia e revela algumas provas. O romancista Albert Camus foi vencedor do …

Embaixada da China reage com "forte indignação” às declarações de Pompeo em Lisboa

A embaixada da China em Portugal reagiu esta sexta-feira com “forte indignação e firme oposição” às declarações do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, sobre o governo e empresas chineses, durante a visita que fez …

Ministério Público quer anular libertação do amante de Rosa Grilo

O Ministério Público (MP) pediu a nulidade do despacho judicial que ordenou esta sexta-feira a libertação de António Joaquim, acusado de matar o triatleta Luís Grilo, em coautoria com a mulher da vítima, Rosa Grilo. “O …