/

As Maldivas vão construir uma cidade flutuante para responder à subida das águas

Uma empresa holandesa está a colaborar com o Governo das Maldivas para construir uma cidade flutuante como resposta à subida do nível do mar.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

As Maldivas correm o risco de desaparecer completamente a menos que o Governo consiga aceder a financiamentos para combater a subida das águas. Atualmente, 80% do país está um metro abaixo do nível do mar.

“Não podemos esperar”, alertou o ministro dos Negócios Estrangeiros das Maldivas, Abdula Shahid, em declarações à agência Reuters no ano passado. “Para pequenos Estados, não é fácil. Quando obtivermos o financiamento, podemos estar debaixo de água”, lamentou.

Volvido um ano, o problema permanece e esta pequena nação começa a procurar alternativas sustentáveis. Como tal, uma empresa holandesa de arquitetura está a trabalhar com as Maldivas para criar uma cidade flutuante de 200 hectares.

É inspirada nos recifes de coral e alimentada por energia verde, escreve o Good News Network.

Como o próprio nome indica, os Países Baixos não são alheios à situação das Maldivas e a Dutch Docklands promete usar o seu expertise para ajudar o país que vive em pleno Oceano Índico e cuja economia depende fundamentalmente do turismo.

A ideia é que a ilha artificial fique numa lagoa de água quente a apenas dez minutos de barco de Malé, a capital das Maldivas. A “Cidade Flutuante das Maldivas” (CFM) será construída ao longo de uma rede flexível e cercada por ilhas maiores para quebrar a força das ondas do mar.

“No topo, a arquitetura tradicional das Maldivas dá o tom do plano de design da CFM, apoiada abaixo pela construção mais ecológica possível”, explica a Dutch Docklands. “A CFM oferece uma solução acessível, escalonável e vendível para um desenvolvimento aquático verdadeiramente sustentável”.

O plano também inclui a construção de estruturas artificiais de coral dentro e ao redor dos bairros para atrair vida marinha e proteger ainda mais a cidade das tempestades. A construção deve começar no próximo ano e terminar em 2027.

Adicionalmente, vai ser construída uma escola e um hospital, uma rede de energia renovável abastecerá a cidade.

  Daniel Costa, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.