Salazar recorria regularmente a “injecções misteriosas”

António Oliveira Salazar

O livro “A Queda de Salazar – O Princípio do Fim da Ditadura” revela que o ditador era injectado, com frequência, com um medicamento “não identificado” que se suspeita que seria Eucodal, um estupefaciente usado regularmente por Hitler no final da II Guerra Mundial.

A obra escrita por José Pedro Castanheira, António Caeiro e Natal Vaz refere-se às “misteriosas injecções” administradas pelo enfermeiro João Rodrigues Merca que, “nos últimos tempos” de vida de Salazar, seriam dadas “a uma frequência de ‘dia sim dia não’”.

No diário do próprio ditador, há pelo menos uma referência a Eucodol, um estupefaciente que se tornou no medicamento “favorito” de Hitler no final da II Guerra Mundial (1945).

Um livro de cariz histórico, publicado na Alemanha, revela que Hitler vivia num estado de euforia permanente, devido ao uso de drogas, com recurso a injecções com sémen, hormonas animais e a Eucodol, entre outras substâncias.

Ora, também o ditador português pode ter recorrido a esse mesmo estupefaciente, segundo o livro “A Queda de Salazar”, que reproduz uma fotografia da página de um dos diários do ex-governante com a palavra “Eucodal” escrita. Apesar disso, os autores consideram que é difícil saber em rigor que substância o ditador recebia, sendo que o dado seguro é a frequência das injecções.

“Há razões para pensar que não foi sempre essa substância”, explica à Lusa o jornalista José Pedro Castanheira, acrescentando que na correspondência entre o embaixador Marcelo Mathias e Salazar existem referências ao envio de substâncias médicas que não se encontravam disponíveis em Portugal.

“Em Julho de 1968, um mês antes da queda da cadeira (em Agosto de 1968), Salazar agradece ao embaixador que estava em Paris, e tinha sido ministro dos Negócios Estrangeiros, o envio de várias caixas de injecções”, nota o jornalista.

“Não falam do nome do medicamento, mas Salazar diz que era um medicamento que não existia em Portugal, o que em 1968 já não seria o Eucodal porque nessa altura já se vendia livremente em Portugal, oriundo da indústria farmacêutica alemã”, acrescenta.

Na “farta literatura historiográfica sobre Oliveira Salazar” a referência a estas supostas injecções “é omissa”, nem sequer se fala delas nas memórias do médico assistente do ditador, Eduardo Coelho, como notam os autores no livro.

Adolf Hitler showing symptoms of amphetamine use

Livro “põe em causa versões sobre Salazar”

O livro “A Queda de Salazar”, que foi apresentado neste sábado, na residência oficial do primeiro-ministro, em São Bento, Lisboa, inclui informações novas sobre os últimos dois meses da governação do ditador, com base na consulta das transcrições dos seus diários que está a ser feita por Madalena Garcia.

Muita da informação diz respeito aos últimos dois meses em que Salazar se instalou no forte do Estoril, do dia 26 de Junho até à altura da queda da cadeira, no dia 3 de Agosto de 1968, e que estão minuciosamente detalhados.

A obra “põe em causa algumas versões sobre Salazar”, nota à Lusa José Pedro Castanheira, frisando que “há muitas coisas de Franco Nogueira que são postas em causa, em particular as informações que ele foi dando sobre Marcelo Caetano”. “Algumas versões de Adriano Moreira, nos seus livros de memórias, também são postas em causa”, diz ainda o jornalista.

Há informações riquíssimas, por exemplo, sobre a forma como Salazar acompanhou de uma forma muito preocupada o ‘Maio de 68’ em França”, revela José Pedro Castanheiro, frisando que ele estava “mesmo aterrorizado com as consequências que os acontecimentos em França poderiam ter em Portugal”.

Outro episódio “muito importante” diz respeito à decisão de, por um lado, deportar Mário Soares para São Tomé e Príncipe, em Março de 1968 e, em contrapartida, a decisão de pôr termo a essa deportação já tomada por Marcelo Caetano no primeiro Conselho de Ministros a que presidiu, em Outubro de 1968, e que “revelava a decisão de reverter aquilo que de pior o Salazarismo tinha”.

No livro destacam-se, entre outras, a única entrevista concedida por Vera Wang Franco Nogueira, viúva de Alberto Franco Nogueira (1918-1993), diplomata e ministro dos Negócios Estrangeiros durante o Estado Novo, além dos depoimentos de Mário Soares e Jorge Sampaio.

Para lá da documentação relacionada com os diários de Salazar, o livro revela também a correspondência diplomática norte-americana de Lisboa para Washington, “onde é patente a preocupação do embaixador William Bennett sobre as consequências da morte política de Salazar”, destaca José Pedro Castanheiro.

O livro aprofunda ainda questões relacionadas com “a luta pelo poder”, a “galeria dos derrotados” do regime e a “longa marcha de [Marcelo] Caetano”.

“Há muito trabalho que deixamos aos historiadores que tem de ser obviamente completado e corrigido”, nota José Pedro Castanheiro, frisando que o livro é apenas um contributo jornalístico “para que outros continuem a investigação“.

“Há realmente muita coisa nos arquivos ainda por descobrir e há muitos relatos de memória oral que vale a pena registar”, conclui José Pedro Castanheira.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

14 COMENTÁRIOS

  1. A memória tem destas coisas. É muito selectiva. Escolhemos o que agora nos parece mais conveniente. Não houve 2° guerra mundial, mas tivemos uma guerra colonial. O pais ficou a definhar sem investimento adequado na economia. Os bons costumes e segurança implicava a mordaça. O peso do Estado tem as consequências que conhecemos. Não foi Salazar um bom governante, mas, como todos os ditadores, nem tudo resultou igualmente mal. Assim como do movimento de Abril não resultaram apenas coisas boas.

  2. Na I Guerra Mundial a classe política comunista da 1ª República mandou para França os nossos soldados, à pressa e mal preparados. Morreram milhares e milhares dos nossos compatriotas. Na II Guerra Mundial, Salazar livrou-nos de tal desastre. Teve o engenho de conseguir a nossa neutralidade, sabendo que tínhamos compromissos com a Inglaterra e com a Alemanha. Isto está na História como um momento inolvidável da nossa capacidade como nação. Já depois de em três anos Salazar teve feito o milagre económico de salvação do país (depois da bandalheira e desastres da 1ª república), também na II Grande Guerra Salazar mostrou a sua inteligência. Poderão dizer que foi autoritário. Isso é verdade, mas isso foi consequência desse tempo sem rei nem roque que Portugal sofreu no conturbado pós implantação da República. Implantar um país decente, impunha um autoritarismo governamental. Terá pecado, isso sim, por um tempo excessivamente prolongado, mas a sua atenução ou suavização terá suscitado receios aos condutores da actuação governativa.

  3. Eu já tenho visto muitos intelectuais, inteligentes, aqueles que desde o 25 de Abril, se apoderaram de muita coisa, a coberto do”Socialismo” apregoarem as suas certezas, em tudo e mais alguma coisa, alguns deles, já mudaram de opinião, de política e de ideais.
    O próprio Mário Soares, chegou a elogiar Salazar, perante tudo isto, o que dizer?

  4. Não vivi nesses tempos salazaristas. Mas nesses tempos não se sabiam das falsas presenças pois ninguém se atrevia a questionar. Hoje em dia questiona-se e todos sabem mas sem consequências para os infractores. Até existem as falsas presenças legítimas, em que se assina a folha e vai-se embora. Qual a melhor época? Parece-me é que em qualquer delas o Zé não manda nada e come e cala.

  5. Estes intelectuais que falam bem de Salazar deviam viver na época como trabalhadores rurais, operários, etc, para perceberem as dificuldades de viver e criar os seus filhos. Quem se encontrava com poder tudo era fácil e quem tinha ideias opositoras davam-lhe o direito a férias em Caxias, Peniche e Tarrafal, sempre com vistas para o mar e por vezes ficavam a tomar durante dias e noites para lavagem das ideias contrárias, com pensão completa e gratuita. O estado na altura dava ao povo estas mordomanias mesmo sem ser solicitadas, porque verificava que através da religião o povo não andava sereno e “puro” com as leis de Deus. O grande problema era mesmo, em minha opinião, a falta de escolha para o estrangeiro, no entanto o governo de Salazar resolveu o problema com as saídas para África, para acompanhar a pureza dos africanos que se encontram com ideias impuras, fazendo uma limpeza espiritual com a lavagem dos impuros. Relativamente ao resto da Europa e Américas, houve umas saídas às escondidas no sentido de recuperar a economia dos outros países, uma vez que a nossa estava cheio de toneladas de barras em ouro, e era necessário melhorar a economia da Europa para posteriormente entrarmos na CEE. Salazar muito inteligente preparou o nosso futuro. GRANDE HOMEM.

RESPONDER

Governo recebeu 1.600 ideias para a bazuca. Costa agradece mobilização

Durante a fase de discussão pública, o Plano de Recuperação e Resiliência recebeu mais de 1.600 contribuições e mais de 65 mil consultas. O primeiro-ministro António Costa disse que, durante a fase de discussão pública, …

"Honjok" é o nome do movimento sul-coreano que reivindica a solidão

A solidão tornou-se um tema recorrente devido à pandemia de covid-19. Na Coreia do Sul, existe um movimento chamado "honjok", que promove um estilo de vida solitário. O isolamento imposto pela pandemia de covid-19 está a …

Do subsolo sírio à nomeação ao Óscar: hospitais em tempos de guerra numa "era de impunidade"

The Cave é o nome de uma produção que esteve nomeada para o Óscar de Melhor Documentário de 2020. É também o lugar onde hospitais sírios se escondem para salvar vidas longe de bombardeamentos e …

Patrícia Mamona sagra-se campeã no triplo salto em pista coberta

Esta tarde, Patrícia Mamona tornou-se a terceira atleta portuguesa a garantir a medalha de ouro para Portugal no Campeonato da Europa em pista coberta. A portuguesa Patrícia Mamona conquistou, este domingo, a medalha de ouro na …

Dias de aulas mais longos, férias mais curtas e cinco períodos. Na Inglaterra, já se equacionam formas de recuperar o tempo perdido

Há três medidas em cima de mesa que podem vir a ser adotadas para combater os atrasos na aprendizagem dos alunos. Na Inglaterra, as escolas reabrem para aulas presenciais esta segunda-feira, mas já se pensa …

Índia abre centro de bem-estar para hóspedes abraçarem vacas e "esquecerem todos os problemas"

Animais de conforto e apoio emocional são cada vez mais populares em todo o mundo. Embora a maioria das pessoas use cães ou gatos, há também algumas escolhas mais bizarras, incluindo pavões, macacos e cobras. Os …

Abel Ferreira tentou levar jogador do Benfica para o Palmeiras

O treinador português Abel Ferreira, ao leme do comando técnico dos brasileiros do Palmeiras, pediu a contratação de Franco Cervi, que alinha pelo Benfica, mas acabou por ver a sua proposta recusada pelo jogador argentino. …

Governo aperta regras. Passageiros do Brasil ou Reino Unido têm de ter teste negativo e cumprir isolamento

Os passageiros provenientes do Brasil e do Reino Unido vão ser obrigados a apresentar um teste negativo e a cumprir 14 dias de isolamento profilático. A partir deste domingo, os passageiros provenientes do Brasil e do …

O primeiro hotel espacial mudou de nome (e deverá abrir em 2027)

Fechado em casa a sonhar com a próxima viagem? Esqueça as praias paradisíacas ou as grandes metrópoles. As férias do futuro podem vir a ser no Espaço. Tudo começou em 2019, quando a empresa californiana Gateway …

Testes rápidos esgotam na Alemanha no primeiro dia em que são postos à venda

O processo de vacinação na Alemanha continua lento. O Governo está a contar com a realização em massa de testes rápidos de antigénio para iniciar um plano de desconfinamento progressivo. As principais cadeias de supermercados …