Lisboa está em “planalto”. Subida de casos justificada por estratégia de rastreio intensivo

António Cotrim / Lusa

A ministra da Saúde, Marta Temido

O crescimento de novos casos de covid-19 na região de Lisboa e Vale do Tejo deve-se à adoção de uma estratégia de rastreio intensivo, com 14 mil testes nos últimos dias, justificou este sábado a ministra da Saúde.

Em declarações durante a conferência de imprensa de apresentação do boletim epidemiológico de balanço da infeção provocada pelo vírus SARS-CoV-2, Marta Temido assumiu que a Área Metropolitana de Lisboa tem representado “de um modo consistente cerca de 70% do número diário de novos casos notificados no país”, concentrados essencialmente nos concelhos de Amadora, Loures, Lisboa, Odivelas e Sintra.

“Temos promovido o rastreio prioritário e intensivo da infeção por SARS-CoV-2 nestes concelhos, atividades e pessoas. Em pouco mais de cinco dias realizámos cerca de 14 mil colheitas de amostras biológicas”, revelou a ministra, sublinhando que, “em resultado desta operação de rastreio e do trabalho das autoridades de saúde pública, é expectável que o número de novos casos se mantenha elevado” nos próximos dias.

“Resulta de três causas prováveis: atraso na curva epidémica na região, estratégia intensiva de rastreio na região e especificidades associadas às características dos novos casos, predominantemente, jovens em idade ativa e assintomáticos. Ao longo dos próximos dias manteremos a estratégia de intervenção de proximidade e a informação sobre a mesma, mas queremos deixar uma mensagem de tranquilidade”, adicionou.

Segundo os dados avançados pela ministra da Saúde, já foram processadas amostras e comunicados os resultados de 4.649 colheitas de material biológico, com uma percentagem de casos positivos na ordem de 3,9%. Paralelamente, confirmou o setor da construção civil como um dos alvos desta campanha, em função dos resultados dos inquéritos epidemiológicos realizados nas últimas semanas.

“Desenhámos uma operação de rastreio massiva orientada para esta atividade. Sabemos que vai inflacionar os números durante alguns dias, mas temos a expectativa de que consigamos o fim último das operações de saúde pública: não só testar, mas isolar, tratar e acompanhar os casos e os conviventes sociais e familiares. Penso que será uma operação que poderemos concluir nos próximos dias e que o problema estará relativamente ultrapassado”, vincou.

Questionada sobre a ausência de previsão de medidas mais restritivas para a região de Lisboa e Vale do Tejo, apesar de uma assumida expectativa de aumento dos novos casos, Marta Temido rejeitou o cenário de um crescimento exponencial e salientou a mobilização das autoridades de saúde locais e do INEM.

“Esta estratégia de testes teria de ter como resultado um conjunto de casos que eram assintomáticos, mas que existiam e que agora vamos procurar seguir. Tudo indica que a situação está controlada. Esperamos acompanhar o abrandar destes casos ao longo dos próximos dias. Com aquilo que sabemos, não estão em causa outro tipo de medidas, mas estamos num contexto em que só um novo tratamento ou uma vacina resolverão a situação em definitivo”, concluiu.

Portugal contabiliza pelo menos 1.474 mortos associados à covid-19 em 34.351 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS), divulgado hoje.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Maduro insta ONU a criar fundo que garanta alimentos e medicamentos

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, propôs que a Organização das Nações Unidas (ONU) crie um fundo rotativo de compras públicas para garantir o acesso a alimentos e a produtos de saúde, financiado com recursos …

Mais três mortes e 691 novos casos de covid-19 em Portugal

Portugal regista, esta quinta-feira, mais três mortes e 691 novos casos de infeção por covid-19 em relação a quarta-feira, mostra o boletim mais recente da Direção-Geral de Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da …

2 em 1. Ryanair está a oferecer um voo na compra de outro (e é só hoje)

Já estava com saudades de viajar e conhecer novos países? A Ryanair não quer que lhe falte nada. A companhia aérea low cost lança uma promoção “inédita” e garante uma oferta 2 em 1. As …

Autarca de Almada diz que declarações sobre Bairro Amarelo foram descontextualizadas

A presidente da Câmara de Almada disse esta quarta-feira que as suas afirmações sobre o Bairro Amarelo surgiram em resposta a uma pergunta feita pelo Bloco de Esquerda (BE), considerando que foram descontextualizadas devido …

Vendas tardam em recuperar. Empresas pouco preparadas para mudanças

Um estudo do Banco de Portugal (BdP), publicado na quarta-feira, revelou que as empresas enfrentam um "cenário de recuperação muito gradual" do volume de negócios para níveis anteriores à pandemia e poucas estão preparadas para …

Hospital de Lisboa deixou entrar pessoas sem máscara

O Hospital da Luz, em Lisboa, permitiu a entrar e circulação de pessoas sem máscara dentro das instalações. O hospital garante que foi um "erro humano" e que não voltará a acontecer. A Rádio Renascença escreve, …

A Estação Espacial Internacional moveu-se para evitar uma colisão

Esta terça-feira, a Estação Espacial Internacional realizou uma "manobra de evasão" para evitar ser atingida por um pedaço de lixo espacial. Controladores de voo russos e norte-americanos terão trabalhado em conjunto para mover a Estação Espacial …

Professor de Direito que ataca feminismo está a ser julgado por violência doméstica

Francisco Aguilar, professor na Faculdade de Direito de Lisboa, está a causar polémica devido a conduta que escolhe para dar as suas aulas. O professor que leciona algumas cadeiras do mestrado em Direito, aproveita as …

Ministério da Educação não revela o número de casos em escolas desde o início do ano letivo

Numa altura em que muitas turmas de várias escolas do país tiveram de voltar ao ensino à distância, devido ao surgimento de infeções, o Ministério da Educação não revela quantos alunos, discentes ou docentes ficaram …

"Situação a degradar-se". França endurece medidas e fecha bares e restaurantes em Marselha

Cidades francesas como Paris, Lille ou Montpellier estão em "alerta reforçado" com interdição de grandes eventos, festas e com novos horários para bares, segundo novas medidas para conter a pandemia de covid-19 esta quarta-feira anunciadas …