Uma luz ao fundo túnel. LGBTQ e ativistas pelos direitos das mulheres europeus veem Biden como um aliado

A proibição de abortar na Polónia, ou a não permissão para casais do mesmo sexo adotarem crianças na Hungria, são alguns dos assuntos que estão a agitar o ocidente. Porém, questões relacionadas com a comunidade LGBT ou com os direitos das mulheres podem ser “refrescadas” sob a influência americana de Joe Biden. Pelo menos é isso que os ativistas esperam.

Nos últimos anos, ativistas e especialistas observaram uma reação crescente contra os direitos LGBTQ e os direitos das mulheres em partes da Europa Central e Oriental, afirmando que, em parte, isso se deveu à administração Trump que acabou por encorajar essa reação e provavelmente contribuiu para que os líderes autoritários redobrassem os ataques contra estes grupos.

“Os Estados Unidos sempre foram vistos como um aliado na luta pelos direitos LGBTI, pelos direitos das mulheres, pelos direitos humanos e, de repente, isso deixou de acontecer”, disse Terry Reintke, membro do Parlamento Europeu, à Time.

Reintke, tal como outros especialistas e ativistas, tem grandes expectativas em relação ao novo governo de Joe Biden e Kamala Harris. “Agora, há realmente uma equipa com a qual podemos trabalhar nessas questões importantes”, referiu.

O papel da administração Trump

Muitos ativistas defendem que as condutas mais repressivas vieram à tona quando Donald Trump chegou ao poder, sugerindo que grupos de direita religiosa e conservadores não só foram capazes de agir sem a condenação do presidente dos EUA, como também foram autorizados por altos funcionários do governo para desenvolveram ações menos positivas para com a comunidade LGBT e também no que diz respeito aos direitos das mulheres.

Na Hungria e na Polónia, vários especialistas sublinham que os líderes populistas têm como alvo a comunidade LGBTI, as mulheres, os direitos humanos e a democracia.

Em maio, a Hungria aprovou uma lei que impossibilita os transgéneros de mudar legalmente de sexo. Também em outubro, a publicação de um livro infantil que incluía personagens LGBTQ originou uma reação furiosa por parte dos políticos do país.

Na Polónia, durante o mês de agosto, vários protestos eclodiram no país durante, contra a proibição quase total do aborto.

Durante as manifestações, o secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo co-organizou um evento virtual com o Ministério das Relações Exteriores da Polónia, com o objetivo de abordar a perseguição religiosa.

“O governo de Donald Trump atacou os direitos ao aborto, os direitos LGBTQ e outros direitos humanos em várias situações”, disse Molly Bangs, diretora da Equity Forward, uma organização sediada nos Estados Unidos com foco em saúde reprodutiva e direitos das mulheres.

Mike Pompeo foi também um dos organizadores da Declaração do Consenso de Genebra, uma declaração assinada por 35 governos em grande parte não liberais ou autoritários, entre eles Hungria, Polónia, Brasil e Arábia Saudita.

Virar a página

Com a eleição de Biden para a Casa Branca, muitos ativistas estão esperançosos que próxima administração seja um marco nestas questões.

De acordo com Rémy Bonny, cientista político e consultor sobre questões LGBTI, será muito mais difícil para o governo polaco continuar a trilhar o mesmo caminho, uma vez que Varsóvia tem poucos aliados internacionais.

“É bastante óbvio que Biden não vai tolerar qualquer retórica anti-LGBT”, diz Bonny, apontando para o tweet do presidente eleito condenando as “zonas livres de LGBT” da Polónia. “Com a eleição de Biden, a retórica anti-mulheres e anti-LGBT vinda do governo polaco é basicamente um suicídio diplomático”.

Na Hungria, Bonny prevê que a situação possa ser um pouco mais difícil de reverter, devido aos laços mais próximos do país com a Rússia.

Ainda assim, a esperança permanece e baseia-se em sinais que deram aos ativistas motivos para um novo otimismo.

A 15 de dezembro, Biden escolheu o ex-candidato democrata rival Pete Buttigieg como seu secretário de transportes, o que o torna a primeira pessoa assumidamente gay na história dos EUA a ser confirmada pelo Senado para um cargo de gabinete.

Para observadores na Europa, essa escolha envia uma mensagem bastante forte. “É claro que estou feliz que uma pessoa LGBTQ tenha sido colocada numa posição tão importante”, realça Bonny. “Mas espero que mais pessoas LGBTQ sejam colocadas em cargos no serviço estrangeiro, especialmente nos países em que os estes direitos estão sob ameaça”.

Para a legisladora Reintke, reforçar a parceria entre a Europa e os EUA e enaltecer os direitos humanos, a democracia e o Estado de Direito é o caminho a seguir. “Espero que Joe Biden e Kamala Harris entendam que a União Europeia não é apenas um bloco económico, mas também uma comunidade de valores”, conclui.

Ana Isabel Moura Ana Moura, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Governo quer renovar contrato do SIRESP por seis meses (mas Altice recusa-se)

O Ministério da Administração Interna vai reunir-se esta terça-feira com a Altice, a quem iria propor uma renegociação e renovação por mais seis meses do contrato que assegura o Sistema Integrado das Redes de Emergência …

Pedro Nuno quer tirar carros das estradas (e que viagens de avião com menos de 600 quilómetros desapareçam)

Esta segunda-feira, foi lançado o Plano Ferroviário Nacional (PFN) numa sessão pública organizada no LNEC-Laboratório Nacional de Engenharia Civil, que deverá estar concluído em março de 2022. Na apresentação, o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, …

Estas formigas encolhem o cérebro para se tornarem rainhas

Cientistas descobriram que as formigas saltadoras indianas reduzem o tamanho do seu cérebro para terem a oportunidade de se tornarem rainhas (e que são capazes de reverter esta mudança quando é preciso). Há muito que …

O "fantasma" de Sócrates pairou no aniversário do PS, mas ninguém o mencionou

O secretário-geral do PS, António Costa, homenageou esta segunda-feira, dia do 48.º aniversário do partido, os primeiros 115 autarcas socialistas eleitos em 1976 e afirmou que os militantes do partido são mais importantes do que …

"Sem paralelo em qualquer outra experiência externa". Marcelo elogia reuniões no Infarmed

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considera que as reuniões do Infarmed, que juntam especialistas, líderes políticos e parceiros sociais, são realizadas “num quadro político e institucional sem paralelo em qualquer outra experiência …

Fotografia da NASA demonstra Teoria da Relatividade Geral de Einstein

O aglomerado Abell 2813 tem tanta massa que atua como uma lente gravitacional, fazendo com que a luz de galáxias distantes se curve à sua volta. A lente gravitacional acontece quando a massa de um objeto …

Astrónomos descobrem uma super-Terra perto de uma estrela gelada

Uma equipa de investigadores descobriu uma super-Terra a orbitar GJ 740, uma estrela anã fria localizada a cerca de 36 anos-luz do nosso planeta. Nos últimos anos, os cientistas têm levado a cabo uma busca exaustiva …

Já pode "adotar" um pedaço de Notre-Dame para ajudar na sua reconstrução

Uma organização está a dar a oportunidade de o público ajudar na reconstrução de artefactos específicos da catedral de Notre-Dame, em França, que foi parcialmente destruída por um incêndio em 2019. De acordo com a cadeia …

Proporção divina identificada na gerbera

Descobrir como se formam os padrões distintos e omnipresentes das cabeças das flores tem intrigado os cientistas há séculos. Quando se pede a alguém que desenhe um girassol, quase todas as pessoas desenham um grande círculo …

Audi apresenta o novo Q4 e-tron que traz uma autonomia até 520 km

Ainda antes do verão, a Audi vai colocar no mercado o seu primeiro SUV elétrico concebido de raiz e não adaptado a partir de uma plataforma concebida para motores a combustão. O Q4 e-tron destaca-se pela …