Lenços Vermelhos levantam-se contra os Coletes Amarelos (e por Macron)

Há um novo movimento de cidadãos a marcar a sociedade francesa, com os “Lenços Vermelhos” a surgirem como uma resposta aos “Coletes Amarelos” e em “defesa da República e da ordem”, num apoio implícito a Emmanuel Macron com uma grande manifestação convocada para 27 de Janeiro.

Os “Lenços Vermelhos” surgiram a 26 de Novembro de 2018, tendo por missão a “defesa das liberdades de cidadania” e visando o “restabelecimento do Estado de direito e por uma França em paz”, como se destaca no site oficial do movimento.

Na página de Facebook dos “Lenços Vermelhos” releva-se ainda que o objectivo é lutar pelo “fim dos bloqueamentos e das violências” pelos quais culpam os “Coletes Amarelos”.

Os responsáveis do movimento dizem compreender “a expressão do mal-estar e do sofrimento exprimido” pelos “Coletes Amarelos” e também criticam a classe política, mas lamentam “a politização” do movimento que tem organizado diversos protestos em França, denunciando a perturbação da “ordem pública” que têm gerado.

“Os Lenços Vermelhos não são contra os Coletes Amarelos“, até porque as suas “causas” são “defensáveis”, justifica em declarações ao Le Figaro um dos lideres do movimento, Théo Poulard, um padeiro da Bretanha de 23 anos.

“Eu próprio poderia sair à rua para protestar contra o aumento dos combustíveis. Cada qual tem o direito de se exprimir e de se manifestar. Mas quando vemos como isso se transformou, torna-se perigoso”, nota Théo Poulard.

Os “Lenços Vermelhos” reflectem o facto de muitos franceses estarem fartos dos distúrbios provocados pelos protestos dos “Coletes Amarelos”, nomeadamente das alterações e complicações de trânsito que perturbam o dia-a-dia profissional e pessoal dos cidadãos.

Assim, convocam uma manifestação para Paris a 27 de Janeiro próximo no que definem como a “Marcha Republicana das Liberdades”.

Esta manifestação está a ser organizada em parceria entre elementos dos “Lenços Vermelhos” com o engenheiro Laurent, de Toulouse, que criou a página de Facebook “Stop, maintenant, ça suffit!” (“Parem, agora já chega” na tradução para Português) em Dezembro passado.

Este simpatizante assumido de Emmanuel Macron que recusa revelar a sua identidade porque diz que já recebeu ameaças de morte, refere ao jornal francês La Dépêche du Midi que o objectivo é “acima de tudo, defender a República”.

“Quando vi a estátua que representa a República destruída parcialmente em Paris, isso fez-me saltar”, salienta. Isso levou-o a criar no Facebook o evento “Marcha de apoio a Emmanuel Macron e à República” que foi depois transformado na “Marcha Republicana das Liberdades” porque “não é um apoio à pessoa, mas à sua função“, explica Laurent.

O protesto é para os que têm “orgulho de defender a República contra quem a quer destruir”, explica ainda o engenheiro, notando a certeza de que “antigos Coletes Amarelos, que deixaram o movimento quando viram que tinha sido recuperado por bandidos de extrema direita e de extrema esquerda“, vão estar presentes no protesto do dia 27.

Entretanto, temem-se os riscos de uma contra-manifestação dos Coletes Amarelos, depois de o Governo ter anunciado novas medidas para punir elementos mais violentos envolvidos nos protestos.

SV, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Ex-comandante paraquedista diz que Tancos foi obra de "amadores"

O coronel de infantaria Alves Pereira admitiu "embaraço" pela "falha" e considerou que o "Exército após Tancos é diferente do Exército antes de Tancos". O coronel de infantaria Alves Pereira sustentou esta quarta-feira que o …

Tspiras vence moção de confiança com margem mínima

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, viu esta quinta-feira o parlamento aprovar um voto de confiança, dias depois de ter terminado a coligação que viabilizava o seu Governo. Com 151 votos favoráveis, dos 300 parlamentares, Tsipras viu …

Parlamento discute a legalização da canábis para fins recreativos

A legalização da canábis para uso recreativo é debatida esta quinta-feira no Parlamento, com BE e PAN a apresentarem projetos de lei idênticos, discordando apenas quanto aos locais de venda. O Bloco de Esquerda (BE) defende …

Estátua de diabo "alegre demais" divide moradores em Espanha

Uma estátua que representa o diabo foi criticada por ser "alegre demais" por moradores da cidade de Segóvia, em Espanha. A escultura de bronze, que ainda não foi instalada, foi criada em homenagem a uma lenda …

"Incapacidade e incompetência". Fenprof pede a Costa que substitua ministro da Educação

A Federação Nacional de Professores (Fenprof) defendeu esta quarta-feira que o primeiro-ministro substitua o ministro da Educação, devido à sua "incapacidade e comprovada incompetência política" para dirigir as negociações de recuperação de tempo de serviço …

Bombeiros protestam contra a proposta do Governo

De acordo com o sindicato, a proposta do Governo "significa uma desvalorização enorme na carreira". Além disso, critica a ideia de haver uma carreira única de sapadores e municipais nivelada por baixo. Bombeiros municipais e sapadores …

Há uma parte da Antártida que está a encolher (mas não era suposto)

Quando os cientistas falam sobre o derretimento da Antártida, geralmente estão a referir-se à Antártida Ocidental, onde gigantescos glaciares costeiros estão a derramar grandes quantidades de água. Mas, do outro lado das montanhas transantárticas a leste, …

A cor dos olhos pode explicar porque é que as pessoas ficam tristes no inverno

Tempo mais frio e noites mais longas fazem algumas pessoas sentir-se tristes. A isso, dá-e o nome de Transtorno Afetivo Sazonal (TAS). Embora o TAS seja uma forma reconhecida de depressão clínica, os especialistas ainda estão …

Há vida pós-LHC. CERN planeia acelerador de partículas dez vezes mais potente

O futuro da Física de Partículas começa a ganhar forma. O CERN (Laboratório Europeu de Física de Partículas) detalhou esta terça-feira os seus planos para o novo acelerador de partículas que irá suceder o Grande …

DARPA quer construir robôs conscientes usando cérebros de insetos

A DARPA quer construir robôs conscientes usando cérebros de insetos, uma forma de criar novos modelos de inteligência artificial eficientes, que poderiam ser usados para explorar a própria consciência. Ao contrário dos humanos, os insetos operam …