Lenços Vermelhos levantam-se contra os Coletes Amarelos (e por Macron)

Há um novo movimento de cidadãos a marcar a sociedade francesa, com os “Lenços Vermelhos” a surgirem como uma resposta aos “Coletes Amarelos” e em “defesa da República e da ordem”, num apoio implícito a Emmanuel Macron com uma grande manifestação convocada para 27 de Janeiro.

Os “Lenços Vermelhos” surgiram a 26 de Novembro de 2018, tendo por missão a “defesa das liberdades de cidadania” e visando o “restabelecimento do Estado de direito e por uma França em paz”, como se destaca no site oficial do movimento.

Na página de Facebook dos “Lenços Vermelhos” releva-se ainda que o objectivo é lutar pelo “fim dos bloqueamentos e das violências” pelos quais culpam os “Coletes Amarelos”.

Os responsáveis do movimento dizem compreender “a expressão do mal-estar e do sofrimento exprimido” pelos “Coletes Amarelos” e também criticam a classe política, mas lamentam “a politização” do movimento que tem organizado diversos protestos em França, denunciando a perturbação da “ordem pública” que têm gerado.

“Os Lenços Vermelhos não são contra os Coletes Amarelos“, até porque as suas “causas” são “defensáveis”, justifica em declarações ao Le Figaro um dos lideres do movimento, Théo Poulard, um padeiro da Bretanha de 23 anos.

“Eu próprio poderia sair à rua para protestar contra o aumento dos combustíveis. Cada qual tem o direito de se exprimir e de se manifestar. Mas quando vemos como isso se transformou, torna-se perigoso”, nota Théo Poulard.

Os “Lenços Vermelhos” reflectem o facto de muitos franceses estarem fartos dos distúrbios provocados pelos protestos dos “Coletes Amarelos”, nomeadamente das alterações e complicações de trânsito que perturbam o dia-a-dia profissional e pessoal dos cidadãos.

Assim, convocam uma manifestação para Paris a 27 de Janeiro próximo no que definem como a “Marcha Republicana das Liberdades”.

Esta manifestação está a ser organizada em parceria entre elementos dos “Lenços Vermelhos” com o engenheiro Laurent, de Toulouse, que criou a página de Facebook “Stop, maintenant, ça suffit!” (“Parem, agora já chega” na tradução para Português) em Dezembro passado.

Este simpatizante assumido de Emmanuel Macron que recusa revelar a sua identidade porque diz que já recebeu ameaças de morte, refere ao jornal francês La Dépêche du Midi que o objectivo é “acima de tudo, defender a República”.

“Quando vi a estátua que representa a República destruída parcialmente em Paris, isso fez-me saltar”, salienta. Isso levou-o a criar no Facebook o evento “Marcha de apoio a Emmanuel Macron e à República” que foi depois transformado na “Marcha Republicana das Liberdades” porque “não é um apoio à pessoa, mas à sua função“, explica Laurent.

O protesto é para os que têm “orgulho de defender a República contra quem a quer destruir”, explica ainda o engenheiro, notando a certeza de que “antigos Coletes Amarelos, que deixaram o movimento quando viram que tinha sido recuperado por bandidos de extrema direita e de extrema esquerda“, vão estar presentes no protesto do dia 27.

Entretanto, temem-se os riscos de uma contra-manifestação dos Coletes Amarelos, depois de o Governo ter anunciado novas medidas para punir elementos mais violentos envolvidos nos protestos.

Susana Valente SV, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Governo dá sete milhões às escolas para compra de material de proteção

O Ministério da Educação disponibilizou cerca de sete milhões de euros para as escolas comprarem máscaras e outros materiais e equipamentos de proteção individual contra a covid-19. Concretamente no que respeita às máscaras, o Ministério da …

Internamentos voltam a descer. Portugal regista 949 novos casos e 28 mortes

Portugal registou esta sexta-feira 949 novos casos de infeção por covid-19 e mais 28 mortes, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde, nas …

Papa inicia hoje visita ao Iraque como "peregrino da paz"

O Papa Francisco inicia hoje uma visita de quatro dias ao Iraque, a primeira de um papa a um país muçulmano de maioria xiita, numa missão em que se apresenta como "peregrino da paz". "Venho como …

Novo Banco. Carlos Costa pede para ser ouvido por videoconferência devido à sua idade e saúde

O ex-governador do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa, pediu à comissão de inquérito sobre o Novo Banco para ser ouvido remotamente, por videoconferência, devido à sua idade e fragilidades de saúde, segundo informação enviada …

O futuro dos 28 arguidos da Operação Marquês já está traçado

O futuro dos 28 arguidos da Operação Marquês, incluindo o do antigo primeiro-ministro José Sócrates e o do banqueiro Ricardo Salgado, está decidido. Uma fonte judicial adiantou ao Expresso que só o juiz Ivo Rosa conhece …

Portugal "não está livre de uma quarta vaga" de contágios quando desconfinar

Na quarta-feira, Graça Freitas admitiu que Portugal pode voltar a enfrentar uma nova vaga da pandemia de covid-19 nos próximos meses. O epidemiologista Manuel Carmo Gomes repete o alerta da diretora-geral da Saúde. Portugal pode enfrentar …

PCP propõe estender moratórias por seis meses. BE quer ouvir Centeno

O PCP quer estender as moratórias bancárias, que vão terminar dentro de algumas semanas, por seis meses. O Bloco de Esquerda entregou um requerimento, com carácter de urgência, para ouvir o Governador do Banco de …

Plano de desconfinamento tem várias velocidades, mas não tem datas

O primeiro esboço do plano de desconfinamento já chegou a São Bento e será apresentado na reunião do Infarmed, marcada para a próxima segunda-feira. A equipa de peritos - liderada por Óscar Felgueiras, da ARS/Norte, e …

A Islândia foi atingida por 17 mil terramotos na semana passada (e uma erupção pode estar iminente)

Mesmo para uma ilha vulcânica acostumada a tremores ocasionais, esta foi uma semana incomum para a Islândia. De acordo com o Escritório Meteorológico da Islândia, cerca de 17 mil terramotos atingiram a região sudoeste de …

Átomo extinto revela segredos da infância do Sistema Solar

Usando o átomo extinto nióbio-92, uma equipa de investigadores da ETH Zurich, na Suíça, conseguiu explicar eventos do início do sistema solar com a maior precisão de sempre. Se um átomo de um elemento químico tiver um …