Lar de Reguengos de Monsaraz corrige questões detetadas em vistoria

Uma equipa multidisciplinar que efetuou uma vistoria ao lar de Reguengos de Monsaraz detetou “zero desconformidades”.

Uma equipa multidisciplinar que efetuou esta segunda-feira uma vistoria ao lar de Reguengos de Monsaraz, em Évora, onde surgiu um surto de covid-19, em junho, que causou 18 mortos, detetou “zero desconformidades”, disse a diretora técnica da instituição.

“A conclusão da vistoria foi a de que, neste momento, estamos com zero desconformidades”, ou seja, “todos os cerca de 70 pontos que fazem parte da checklist estão de acordo com as regras definidas” para a prevenção da Covid-19, afiançou à agência Lusa a diretora técnica do lar, Sara Luís.

O Lar da Fundação Maria Inácia Vogado Perdigão Silva (FMIVPS) já tinha sido alvo de uma vistoria técnica, a 24 de agosto, por uma equipa que incluiu três técnicos: do Centro Distrital de Évora da Segurança Social, da Proteção Civil e da Autoridade de Saúde Pública.

Nesta “visita, no âmbito das chamadas ações de acompanhamento covid-19”, realizadas, “não só a este lar, mas a todas as entidades com as quais a Segurança Social tem acordos de cooperação”, a equipa visitou as instalações do lar e aplicou uma checklist, explicou a diretora técnica.

Na altura, a vistoria, com “caráter preventivo e pedagógico”, apontou “16 pontos a serem melhorados” no lar e indicou “algumas recomendações”, tendo a equipa regressado esta segunda-feira à instituição para “analisar e escrutinar a mesma checklist”, referiu.

“Desta vez, fizeram exatamente o mesmo, foram escrutinando os vários pontos, principalmente aqueles que tinham de ser melhorados, e visitaram as instalações”, relatou.

Segundo a diretora técnica do lar, no período entre ambas as visitas, foi realizado “um trabalho de equipa” para “implementar todas as melhorias sugeridas”, algumas de fácil execução, outras mais complexas: “Alguns dos pontos não eram de tão fácil implementação, nem aqui nem em instituição nenhuma”.

A criação de uma área destinada exclusivamente ao isolamento profilático para utentes foi uma dessas questões mais complexas, mas que foi corrigida.

“Se um utente sai para uma consulta, uma urgência ou uma visita, quando regressa à instituição forçosamente terá de ficar 14 dias em isolamento profilático. Ora, se nós temos cinco a seis consultas ou urgências nessa semana ou o reingresso de utentes que estiveram no domicílio, todas estas pessoas precisam de um quarto único com casa de banho para estarem isoladas”, indicou.

O que o lar fez agora foi “retirar oito vagas e readaptar uma unidade que ficou dedicada só ao isolamento profilático, com quatro quartos”, indicou Sara Luís, exemplificando que foi também “criada toda uma zona protegida, com antecâmara, para futuros casos de utentes infetados com covid-19”.

“As restantes situações apontadas eram muito pragmáticas” e muitas “foram resolvidas de imediato”, disse, referindo que, “infelizmente”, devido ao surto de Covid-19 no lar, a instituição “aprendeu muito e acabou por transpor muitas coisas para esta nova realidade”.

“Mas é preciso estarmos muito atentos e alerta para todas estas situações e estamos a trabalhar para tentar evitar que tenhamos de passar novamente para uma situação” como a do surto que eclodiu em 18 de junho, frisou.

O surto provocou 162 casos de infeção, a maior parte no lar da FMIVPS (80 utentes e 26 profissionais), mas também a 56 pessoas da comunidade, tendo morrido 16 utentes, uma funcionária do lar e um homem da comunidade.

Esta situação levou à abertura de um inquérito judicial e a uma auditoria da Ordem dos Médicos, que concluiu que o lar não cumpria as orientações da Direção-Geral da Saúde.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Pela primeira vez em 45 anos, uma casa vitoriana "flutuou" pelas ruas de San Francisco

A manhã de 21 de fevereiro em San Francisco, nos Estados Unidos, foi um pouco diferente do normal: uma casa vitoriana passou a "flutuar" pelas ruas da cidade. De acordo com o BuzzFeed News, uma equipa …

Nação Cherokee pede à Jeep que deixe de usar o nome da tribo nos seus carros

"É hora de a Jeep reconsiderar chamar os seus SUVs Cherokee e Grand Cherokee". Pela primeira vez, a tribo norte-americana Nação Cherokee pediu diretamente à Jeep para parar de usar o seu nome nos seus …

PCP quer apoios a 100% para pais "imediatamente e com efeitos retroativos"

O secretário-geral do PCP pediu ao Governo, este sábado, apoios a 100% para os trabalhadores que estão em casa com os filhos, pagos "imediatamente e com efeitos retroativos", e defendeu um plano de desconfinamento "setor …

Naufrágio grego que levava partes do Partenon está a revelar os seus segredos

A última expedição de mergulhadores ao navio grego Mentor, que naufragou perto da ilha Citera em 1802, recuperou várias peças do cordame, moedas, a sola de couro de um sapato, uma fivela de metal, uma …

Chega vai reagir "muito veementemente" na rua à tentativa de ilegalização

O líder do Chega disse, este sábado, que o partido vai responder "muito veementemente" e com "presença na rua", já em março, à tentativa de ilegalização da estrutura promovida por Ana Gomes. "Quero deixar claro aqui, …

Procura-se candidato para dormir. Site oferece 1650 euros e uma noite num resort

Este pode ser, literalmente, um emprego de sonho: fazer dinheiro enquanto se dorme, incluindo uma noite num resort de 5 estrelas. O site Sleep Standards, que se dedica a dar informação sobre pesquisas e produtos relacionados …

Catarina Martins faz apelo a Costa. "Moratórias têm de ser estendidas já"

A coordenadora do Bloco de Esquerda fez um apelo direto ao primeiro-ministro, este sábado, para que não espere que "seja tarde demais" e decida já estender as moratórias, evitando assim uma vaga de despejos e …

Toronto apresenta providência cautelar contra projeto que constrói "casas" para os sem-abrigo

Um carpinteiro canadiano decidiu construir abrigos para as pessoas que vivem nas ruas de Toronto. A autarquia considerou que são perigosos e apresentou uma providência cautelar. De acordo com a empresa de media Vice, Khaleel Seivwright, carpinteiro …

Trinta anos depois, MI6 pede desculpa por ter banido espiões gays

Richard Moore pediu desculpa " pela forma como colegas e concidadãos LGBT+ foram tratados", tendo-lhes sido negada a oportunidade de servir o país no MI6. O chefe do MI6, o serviço secreto de inteligência do Reino …

Já foram administradas 837.887 vacinas em Portugal

Um total de 837.887 vacinas contra a covid-19 foram administradas em Portugal desde 27 de dezembro, quando foi dada a primeira dose, indicou o Ministério da Saúde este sábado. Num comunicado de balanço do processo de …