Com sensação de dever cumprido, Juncker pede luta aos “nacionalismos estúpidos”

eppofficial / Flickr

Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia

O presidente cessante da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, admitiu hoje, perante o Parlamento Europeu, que deixa Bruxelas com o sentimento de dever cumprido e pediu que a Europa “combata com todas as forças os nacionalismos estúpidos”.

No discurso de balanço do seu mandato (2014-2019), Juncker considerou que a sua Comissão cumpriu no essencial nas três grandes frentes que elegeu como prioritárias há cinco anos – o crescimento, o emprego e o investimento -, e lamentou que não tenha sido possível ir mais longe noutros domínios, como na política de refugiados ou na união bancária, apontando o dedo à falta de esforço dos Estados-membros.

Naquele que terá sido o seu último discurso no hemiciclo de Estrasburgo – ainda que a atual Comissão deva prolongar o seu mandato por um mês, até 30 de novembro, face ao impasse na formação da ‘Comissão Von der Leyen’ -, Juncker considerou que não há motivos para demasiadas celebrações, mas admitiu “orgulho” com o esforço da sua equipa – “se todos se esforçassem do mesmo modo, estaríamos melhor”, observou – e por ter dado o seu “pequeno contributo” para o projeto europeu.

Recordando o contexto complexo em que assumiu funções, “a pior crise económica e social desde a Segunda Guerra Mundial”, Juncker, referindo-se às três áreas em torno das quais se propôs trabalhar mais afincadamente, apresentou números para dar conta dos resultados alcançados, apontando que a Europa vai já no 25º trimestre consecutivo de crescimento económicos, foram criados 14 milhões de postos de trabalho e o ‘plano Juncker’ gerou investimentos suplementares na ordem dos 439,4 mil milhões de euros.

Ainda no plano económico, não escondeu o seu orgulho por ter defendido ‘com unhas e dentes’ a permanência da Grécia na zona euro, “contra a vontade de muitos”, e por a Comissão Europeia ter defendido e garantido uma leitura “mais flexível e inteligente” do Pacto de Estabilidade e Crescimento, o que ajudou países com Portugal, Espanha, Itália e Grécia, referiu.

Jean-Claude Juncker admitiu também desilusão com a falta de progressos em muitas áreas, mas fazendo questão de recordar as muitas propostas apresentadas pelo seu executivo, que acabaram por não ser aprovados em tempo útil pelo Conselho (Estados-membros).

O presidente cessante da Comissão lamentou que não tenha sido possível “avançar no dossier da reunificação cipriota” ou “num tratado com a Suíça”, deplorou que, ainda hoje, não tenha sido concretizada a União Bancária, pilar de uma verdadeira União Económica e Monetária, e lembrou todas as propostas que apresentou no sentido de melhorar a política de refugiados, matéria onde não foi possível ir mais longe devido aos obstáculos de vários Estados-membros, embora salientando que a Europa salvou 760 mil vidas no Mediterrâneo.

Juncker concluiu a sua intervenção afirmando que “é preciso continuar a lutar pela Europa e combater com todas as forças os nacionalismos estúpidos“.

“Viva a Europa”, concluiu, sendo ovacionado de pé pela esmagadora maioria dos eurodeputados e pelos seus comissários.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

Polícia italiana apreendeu 14 toneladas de anfetaminas. Droga foi produzida pelo Estado Islâmico

As autoridades italianas apreenderam na quarta-feira 14 toneladas de anfetaminas produzidas na Síria por membros do Estado Islâmico, cujos lucros serviriam para reativar as suas operações. "É um facto que o Daesh [Estado Islâmico] utiliza a …

Câmara de Lisboa defende fim do financiamento público às touradas

A Câmara de Lisboa defendeu hoje a criação de legislação que impeça o financiamento público de espetáculos que "causem sofrimento animal", salientando que as touradas incluem "atos de violência". Numa moção “pelo fim de espetáculos com …

Acordo entre Neeleman e Governo já só depende da confirmação da Azul

O acordo entre David Neeleman e o Governo está prestes a concretizar-se, escreve o Expresso. Aparentemente já só falta a confirmação da Azul para garantir o acordo. Depois de a nacionalização da companhia ter sido dada …

Medina recua e diz que "há convergência total" com Governo no combate à pandemia

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, disse hoje que “há convergência total” com o Governo no combate à pandemia de covid-19, recusando que as críticas que fez à atuação das autoridades de saúde …

Parlamento vai debater o teletrabalho por iniciativa do PAN

O PAN considera que "o teletrabalho é uma ferramenta que pode ajudar a conciliar a vida profissional e a vida familiar", ainda que apresente fragilidades como a "invasão da vida pessoal". O PAN agendou para sexta-feira …

PSP também queria prémio semelhante ao dos profissionais de saúde

O Sindicato dos Profissionais de Polícia (SPP) manifestou-se esta quinta-feira “desiludido” com “a falta de respeito” que o Governo demonstra em relação à PSP e a outras forças de segurança que estão na “linha da …

Líderes catalães vão poder sair da prisão aos fins de semana

Uma decisão dos estabelecimentos prisionais faz com que os líderes independentistas catalães possam sair da prisão aos fins de semana, passando para um dos regimes de detenção menos restritivos. Em outubro do ano passado, nove líderes …

Mais oito mortos e 328 infetados. Câmara de Lisboa tem 33 casos "ativos"

Há mais oito mortos e 328 casos positivos em Portugal nas últimas 24 horas. A Câmara de Lisboa regista atualmente 33 casos de infeção por covid-19 “ativos”. Portugal regista, esta quinta-feira, mais oito mortos e 328 …

Limitação dos apoios a sócios-gerentes não é "justa", diz Confederação das empresas

A Confederação das Micro, Pequenas e Médias Empresas não entende a razão para limitar a ajuda a sócios-gerentes ao valor de 1.905 euros, proposta que não consideram justa. Em entrevista à Rádio Observador na quinta-feira, o …

Devolução de manuais. Diretores acusam políticos de "brincar às escolinhas"

Os diretores escolares criticaram hoje o 'timing' da proposta de suspensão de devolução de manuais escolares, acusando os políticos de andar a “brincar às escolinhas” sem perceberem o trabalho que implica reutilizar milhões de livros. O …